Eu não tenho nada a dizer

Como nunca me manifestei contra as relações económicas entre Portugal e a Venezuela (que está muito mais longe de ser uma ditadura do que a Colômbia ou as Honduras) nem contra que um primeiro-ministro promova netbooks assamblados em Portugal (ou se quiserem, Magalhães aqui montados), não tenho nada a dizer sobre o que Passos Coelho andou a falar com o governo do México ou sobre a visita de Paulo Portas à Venezuela. No caso deste último sempre ficamos a saber onde anda durante três dias, não tendo de fazer prova de vida, como o sr. Piça.

Mas isto sou eu. A direita que na oposição andou a fazer tiro ao alvo com metralhadoras pesadas é que deve estar furiosa. Já faltou mais para o governo cair nas sondagens.

Comments


  1. É bem verdade, no que diz respeito há Venezuela não é tão ditadura como a de certos outros países da zona!!! chamam-lhe ditadura, os ricos do país, que são extremamente ricos e vivem num luxo faustoso, enquanto os pobres, dos ‘cerros’ na maioria das vezes nem uma cama tem para dormir!!! Hugo Chaves, o que fez foi melhorar um pouco a vida dos mais pobres, longe ainda do ideal, mas um pouco melhor, coisa que os ricos, eu diria riquíssimos, não gostaram, e tem tentado tudo para o derrubar, sem o conseguirem, porque a maioria da população é pobre e vota nele!!!


  2. Mal vai um povo quando um senhor Piça tem de fazer prova de vida.

  3. José Galhoz says:

    O Paulinho das feiras internacionalizou-se? Tudo bem. O pior é que é altamente improvável que os resultados destas “ofensivas diplomáticas” cheguem para nos livrar da “espiral recessiva” para onde estão a empurrar-nos.
    Quanto às sondagens, é possível que ainda haja alguns especialistas dispostos a acrescentar-lhes alguma “água benta” mas, se não for o caso, então este país não tem mesmo futuro e o melhor é deixá-lo aos resignados crónicos…

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.