Diplomacia, demagogia e hipocrisia: o caso Skripal e o oportunismo político

BPR.jpg

Indústria petrolífera à prova de sanções diplomáticas. Fotografia via CBS

Percebe-se o desespero de Fernando Negrão e a necessidade de se pôr em bicos de pés para tentar marcar a agenda mediática com declarações como as que proferiu ontem, que de resto mais não foram do que uma espécie de retweet parlamentar das declarações proferidas no dia anterior por Paulo Rangel na SIC Notícias. Ou não estivéssemos perante um líder parlamentar desorientado, cuja primeira linha de oposição que enfrenta está no interior do próprio grupo parlamentar que tenta, sem grande sucesso, dirigir. Um líder parlamentar fragilizado, em sintonia com uma direcção partidária enredada em casos que se sucedem, sob fogo cerrado da imprensa afecta ao passismo. É natural que recorra ao facilitismo deste tipo de subterfúgio. [Read more…]

Os vampiros da economia livre

BP

No mundo encantado do capitalismo sem freio, nada se pode interpor entre a elite e o lucro astronómico. Pessoas são números, a natureza pode ser alegremente massacrada e os direitos humanos não passam de uma fachada para eventual publicidade hipócrita. A petrolífera BP representa, como poucos conseguem, o ideal imperialista totalitário por detrás da propaganda da responsabilidade social que os ditadores económicos inventaram para iludir os tolos. [Read more…]

BP e a poluição de Fundos de Pensões

Há notícias recorrentes do desastre ecológico causado pela plataforma petrolífera da BP ao largo de Louisiana, EUA. Onze operários perderam a vida, mas este facto passou quase despercebido à opinião pública mundial. As eleições norte-americanas esperadas para Novembro e a pressão sobre Obama absorveram o conteúdo dos noticiários nos prejuízos reais causados às actividades económicas locais, pesca em especial, e à destruição do meio ambiente. Reconheça-se a relevância destas questões, pelo menos na perspectiva da luta política. Contudo, os efeitos do desastre em causa não se esgotam nestes domínios.

As penalizações impostas à BP estão a provocar complexas penalizações para terceiros; ou seja, para aposentados e investidores em geral. Por cada barril de petróleo (159 litros), a petrolífera britânica terá de pagar uma multa de 4.300 dólares. Se feitas as contas à quantidade de barris derramados, com facilidade se chega aos milhares de milhões de dólares que a BP está condenada a pagar, nos EUA. Os montantes são de tal ordem que The Source – Wall Street Journal admite o não pagamento de dividendos no 2.º e 3.º trimestre do ano em curso. Desde 20 de Abril, início do desastre, as acções da BP registaram uma desvalorização próxima dos 50%. É obra.

Chegou-se, assim, a uma situação catastrófica para milhões de reformados. No Reino Unido, os políticos garantiram-lhes – e eles acreditaram – que a melhor solução seria a opção por fundos de pensões privados, no sentido de assegurar pensões de reforma sólidas e de maior valor. Nos EUA, e atendendo a que quase 40% das acções da BP estão em mãos de investidores daquele país, também há fundos de pensões afectados. A falta de um sistema de segurança social coeso e abrangente é imagem de marca das terras do ‘Tio Sam’. Portanto, os danos para aposentados norte-americanos, ao abrigo de fundos de pensões, são óbvios.

Sublinhe-se ainda que, em 2009, a BP pagou cerca de 10 biliões de dólares de dividendos. Tanto como 14% de todas as remunerações do mesmo tipo pagas por empresas cotadas na bolsa de Londres (FTSE).

[Read more…]

BP Ajuda Nano-Micro-Piquenas Empresas


Para não chorar, rir.

A inglesa BP a cagar no Golfo do México!

A estimativa mais optimista aponta para 1,8 milhões de litros /dia de crude que se derramam nas águas do Golfo do México, mas a mais realista aponta para próximo do dobro. São 4 000 plataformas as que operam naquelas águas e que dão trabalho a milhares de pessoas. Agora, uma delas, está a produzir o maior desastre ambiental de sempre, a destruir toda a actividade pesqueira que fornece cerca de 60% do consumo do país, bem como as actividades de lazer e navegação.

Nos próximos 20 anos o ambiente não conseguirá recuperar de tamanho desastre, toda a população que vive nas redondezas não sabe sequer se poderá continuar a viver nas suas casas. A extração do petróleo faz-se cada vez mais fundo, em condições mais dificeis e mais caras, as hipóteses de algo correr mal, são cada vez maiores. A 1 500 metros de profundidade a BP tenta sem sucesso fechar o poço, a medida mais capaz é abrir dois poços secundários e assim retirar força ao poço fora de controlo.Mas esta solução demora meses (estará operacional em meados de Agosto) e custa milhões de dólares, bem menos no entanto que os biliões de dólares que o desastre já causou e vai continuar a causar.

Luisiana, Missipi, Alabama e Florida os territórios afectados têm milhares de trabalhadores a tentarem conter a “maré negra”, que mata peixes, animais, aves e homens, estes, daqui por uns anos vão padecer de problemas de saúde como já está a acontecer na Costa Galega, após a “maré negra” de muito menores proporções de há uma dezena de anos.

A BP, o petróleo e a nossa vergonha

O desastre na plataforma petrolífera da BP, ao largo dos EUA, de nome Deepwater Horizon, foi mais uma excelente colaboração no propósito da humanidade dar cabo da sua própria casa, o planeta.

Chegue a casa num belo dia, execute a sua rotina diária e, quando estiver para cozinhar, ignore os avisos que o fogão lhe está a transmitir. Insista e aguarde. Depois veja a linda merda que acabou de fazer. Provavelmente deu cabo da casa, ou parte dela. Só muito no futuro, ou nunca, a poderá voltar a utilizar da forma como o fazia.

É assim que tratamos o planeta. Foi o que aconteceu na plataforma da BP. Os funcionários ignoraram os avisos e as consequências estão à vista.

petroleo_eua_louisiana

As estimativas apontam para a fuga de dois a três milhões de litros de petróleo por dia. Ou seja, quatro vezes mais do que o inicialmente estimado. O equivalente a 12 mil barris por dia (dois milhões de litros).

O petróleo é fundamental para muito do que fazemos, mas não é necessário para ter vergonha na cara.

Mais fotos em The Big Picture