Está dada licença para construir no litoral alentejano

Lê-se aqui. Agora é construir, construir, construir!

Arquitectura para cães ou o futuro é deles

Niemeyer, 104 anos, o arquitecto brasileiro conhecido sobretudo por traçar Brasília, está doente; os nossos jovens arquitectos emigram; os ateliers dos grandes como Siza Vieira estão a dispensar pessoal e o gabinete pode fechar; e o presidente da Ordem dos Arquitectos afirmou à RR que “A profissão de arquitecto atravessa, tanto quanto há memória, a mais grave crise de sempre, por falta de oportunidades, trabalho e encomendas, o que tem como resultado uma situação de praticamente paragem de grande parte dos ateliers ou dos profissionais envolvidos, sobretudo, na área de projectos, mas também todos aqueles que estão ligados ao sector da construção”.

desemprego na construção civil já atinge 100 mil (dados de Outubro).

Não havendo casas de gente para construir, os arquitectos e designers “de renome”  dedicam-se ao desenho de uma linha de casas de cães

O futuro é dos animais!

O que pensará Niemeyer destes novos clientes e da nova «arquitectura»?

Não me admirava nada que por aí surgisse um novo curso ou nova disciplina nos cursos de Arquitectura.

E para concluir: cães tratados como gente e gente tratada como cães

Segurança Primeiro

Gosto de Portugal, gosto cada vez mais de portugueses: fazem em frente à esquadra da polícia tudo o que fariam noutro sítio qualquer. Ah, povo…!

Uma questão de carga

Entre as intenções de medidas anunciadas pelo Governo, encontra-se a agilização do despejo em sede de arrendamento quando não é paga a renda.

É importante dar garantias a quem investir para arrendar que no caso de não receber a renda, pode pôr o caloteiro no olho da rua em tempo útil e razoável. Bem como promover a requalificação no nosso imobiliário tantas vezes degradado e devoluto, o que importa investimento em obras. Estas duas vias poderão ajudar, e muito, o alívio da profunda crise porque passa o sector da construção civil, segurando-se muitos postos de trabalho cada vez mais preciosos. Principalmente face à crescente dificuldade de crédito para compra de imóvel.

Lamentável é que sempre que se queira dar celeridade aos expedientes, a via seja a de se retirar as matérias da alçada dos tribunais. Ou seja da Justiça. Não se põe os tribunais a operar segundo novos modelos – ou como é moda dizer-se, novos paradigmas – procedimentais mais céleres e eficazes. Antes retira-se dos tribunais as matérias até então aí tratadas, sendo que aquelas que por lá permanecem, continuam no mesmo ritmo brando.

Isto é como transportar coisas de burro: diminui-se o peso das costas do burro, mas continua-se a usar burro.

Ele faz tudo pelos meus amigos

O chefe do governo da Mota-Engil acaba de tentar desmentir a capa do Público de hoje. Afirma que a sua actividade residual como engenheiro técnico civil na especialidade de mamarrachos, exercida enquanto deputado e que abarca pelo menos 21 aberrações e não apenas as 4 até agora conhecidas foi feita à borla, para amigos.

O secretário geral da Teixeira Duarte tenta assim ilibar-se de ter exercido uma actividade que para ser ilícita nem precisa de ser remunerada, segundo a leitura que a Procuradoria-Geral da República faz do ser-se deputado em situação de exclusividade.

O líder da Somague aproveita mesmo para tecer algumas considerações sobre as opções editoriais do referido jornal, “que desistiu da ambição de um jornalismo de referência.

Desconfio que para os lados da Soares da Costa já poucos sobram que acreditem no seu chefe. Mas enquanto o pau vai e vem folgam as costas, e ainda restam algumas oportunidades de negócio durante a vigência do actual governo. E estejam descansados que Pedro Passos Coelho, a quem sobra a vantagem de não assinar projectos de arquitectura, não deixará de vos dar boas oportunidades de negócio a seguir.