De volta ao mar – Centros para náutica


Para impulsionar os desportos náuticos e a náutica de recreio e dinamizar actividades complementares (turismo de cruzeiros, ecoturismo e turismo de natureza), o projecto do Hypercluster da Economia do Mar propõe a criação de centros do mar, tais como a “Cidade Náutica do Atlântico” em Viana do Castelo – Valimar, o “Arco Ribeirinho Sul – Marina do Tejo”, entre Alcochete e o Seixal, o “Centro Náutico da Baía de Cascais”, entre Cascais e Lisboa, o “Porto do Barlavento”, entre Portimão e Lagos, as “Portas do Mar” em Ponta Delgada, ou a “Escala do Atlântico”, no Faial, Pico ou São Jorge.
Esta área exige a elaboração de um plano estratégico de localização e implantação de apoios à navegação de recreio, a dinamização da “Porta Marítima de Lisboa”, que funcionaria como um grande espaço de recepção, e um novo quadro legal relativo à construção e exploração de portos de recreio. (Prof. Ernâni Lopes e Expresso)

Comments

  1. Snail says:

    O “cluster” do mar tem sido o mais desprezado em Portugal.Desde o segmento dos transportes até ao da pesca, passando pela marinha de recreio, o que os sucessivos governos se limitaram a fazer foi destruir tudo, com o aplauso da Espanha e dos restantes membros da UE que tem vindo a acolher esta política com evidente satisfação, na certeza que toda a actividade que é eliminada em Portugal renasce – como consequência disso – nos seus respectivos países.Para além da hilariante comicidade dos seus discursos, confesso que o Venerando Chefe de Estado Senhor Almirante Américo Thomaz (respeitosamente tudo em maíusculas só não sei se tem H, peço desculpapelo eventual erro), faz-nos bastante falta neste aspecto, pois tenho de reconhecer que foi ele que lançou as bases da nossa marinha mercante de passageiros, (agora seria de cruzeiros) e de carga bem como a frota de pesca.Desde a segunda metade do século passado foi um fartar vilanagem de destruir barcos, estaleiros, infraesturas portuárias, etc, sem que fosse precavido o futuro de um sector para o qual reunimos todas as condições para liderar na Europa, até pela nossa posição geográfica.

  2. Luis Moreira says:

    Exacto,Snail, há dinheiro para o TGV e autoestradas mas para o mar em que reunimos todas as condições para liderar a UE nem uma palavra.Se fosse preciso provas que isto anda ao sabor dos interesses dos poderes económicos estão aí .Para desenvolver as actividades do mar é preciso saber e persistência, comprar comboios lá fora desenvolve as off-shores!

Deixar uma resposta