O pântano do BPN ganhou mais habitantes

Dias Loureiro está encostado às cordas. Acusado de mentir no Parlamento por Oliveira e Costa, ex-líder do BPN e da Sociedade Lusa de Negócios, o conselheiro de Estado não tem muita margem de manobra. Indiciado como mentiroso, acusado de falta de carácter, manipulador e trapaceiro, o ex-ministro de Cavaco Silva só tem um de dois caminhos: ou desmente as acusações e apresenta dados convincentes em sua defesa, ou tem de pedir demissão do cargo que ocupa no Conselho de Estado.

Se isso não acontecer colocará o Presidente da República numa situação ainda mais complicada. Cavaco Silva já não convoca o Conselho de Estado há muito tempo, e havia razões para isso. Calculo que seja por causa de Dias Loureiro.

Oliveira e Costa está longe de ser um inocente em todo este pântano. Creio mesmo, pelo que se sabe, que será um dos principais responsáveis. Mas não é o único. Hoje, pouco acrescentou em termos de processo de investigação criminal. Esta quebra de silêncio serviu, acima de tudo, para conhecer um pouco mais da situação vergonhosa em que vivia o banco e a SLN, os negócios sujos que envolviam esta instituição. Entre os inocentes não estão, por certo, nem Dias Loureiro, nem o Banco de Portugal. Não é de acreditar que o cheiro putrefacto que saía do banco não tivesse chegado às narinas do regulador.

Comments

  1. maria monteiro says:

    simplesmente vergonhoso

  2. Luis Moreira says:

    Brilhante, essa das narinas.Realmente, é possível perder-se a visão, mas perder a visão e o cheiro ao mesmo tempo é coisa de pasmar!

Deixar uma resposta