Adriano Teixeira de Sousa (1-05-1955 / 18-07-2009)

Adriano Teixeira de Sousa

Adriano Teixeira de Sousa

Há momentos assim.
Em que tudo parece ter um fim.
Acredito que o fim não pode ser isto, mas a sensação de derrota perante a morte é demolidora.
Morreu o Adriano.
O Adriano é alguém verdadeiramente único. Um Homem Bom.
Um combatente anti-fascista, Professor de Inglês que viveu “aventuras” (reais!) ainda antes do 25 de Abril, quer no âmbito familia quer no plano académico da Universidade do Porto.
Mas, sobre essa época pouco sei – nem sequer tinha nascido.
O Adriano foi o sindicalista que primeiro me convidou para integrar a Direcção do SPN.
Foi com ele que aprendi tudo sobre tanta coisa. As viagens para todo o lado, as conversas sobre música ou sobre futebol, sobre a política ou sobre a literatura… Tantas e tantas coisas boas para recordar.
Por mim a camisola do Adriano é retirada e sobe ao tecto do pavilhão: ninguém mais a vai usar – o nº1.
O nº1 que se destina ao melhor de todos nós!
Amanhã vou despedir-me do teu corpo, esse que te fez sofrer.
Mas, o resto, o verdadeiramente importante continua. Continua dentro de mim porque o que sou, também o devo a ti!
Espero que encontres o meu Pai e o possas ensinar como a mim.
Até um dia!

Comments

  1. Ricardo Santos Pinto says:

    Conheci o Adriano. Não o conheci muito, mas conheci-o da maneira que um jovem professor contratado conhece e ouve as palavras de alguém que está muito, mas muito à nossa frente. Alguém que dá esperança e que diz «o caminho é este». Como é óbvio, ele nunca chegou a conhecer-me.No fundo, exactamente como contigo, João Paulo. Depois de todas as manifestações e viagens a Lisboa, nunca terias sabido que eu existia se não fosse o Aventar.Vou tentar ir amanhã.

  2. dalby says:

    E se o Adriano convidou o meu amigo JP, e se o JP é que me resolveu indirectamente um problema grande, eu então tenho de dizer que sinto também pena pela morte do Teixeira, porque garças a ele, também eu fui ajudado na vida, por ele… além de que o apreciava também e que sei que ele teve de desistir prematuramente por questões de saúde e porque esta ministra horrível o «empurrou» também, mais cedo para a reforma..Lembro-me dele na TV há 3 anos dizer que ela conseguiu que ele recomeçasse a fumar!

  3. dalby says:

    ..corrijo o que digo acima…, que fumasse um cigarro ..agora me lembro e corrigido..a ironia e o sentido de humor foi esse que ele em tom de riso ironizou e cito: «esta ministra até conseguiu que eu fumasse»!! Lembro-me perfeitamente desse desabafo e ironia e vi-o com um cigarro na TV! PENA PENA É TER SIDO ELE A MORRER, NÃO ELA!!! MAS COMO DIZ O DITADO…OS BONS VÃO-SE, OS MAUS FICAM!!

  4. maria monteiro says:

    e vamos aprendendo o quão importantes somos uns para os outros… a força daqueles que “partem” …

  5. dalby says:

    é verdade querida, isso é verdade..a energia boa propaga-se como uma boa peste, mas a energia negativa propaga-se também como peste dura maior…vejam o reflexo do modelo de vida e de pensamento de Sócrates e Lurdes na sociedade em geral..eles pioraram as relações de vida entre as pessoas,,,,,o conceito de humanidade e de relações interpessoais é muito mau, muito negro muito «deficiente»


  6. Conheci o Adriano não há muito tempo, já doente. Via-o sempre que havia Secretariado Da FENPROF, em Lisboa, cada vez mais doente, apoiado pela Manuela Mendonça e pela Júlia Vale. Sei que era uma personalidade ímpar. Solidariedade com todo o SPN.O sindicalismo português ficou mais pobre.


  7. O que vos posso dizer é que deverão ter inveja de mim! Conhecer o Adriano é algo que deveria ser obrigatório em qualquer aula de formação cívica de qualquer canto deste país.Com ele nunca havia rios ou desfiladeiros. Só PONTES!Obrigado pelas vossas palavras!JP

  8. maria monteiro says:

    JP, agora é a sua vez de lançar essas pontes… hoje, quando chegar ao Porto, irei rezar pelo seu amigo/colega… 1abraçomariaSE ME AMAS, NÃO CHORES (Santo Agostinho)Se conhecesses o mistério imenso do Céu onde agora vivo,este horizonte sem fim,esta luz que tudo reveste e penetra, não chorarias, se me amas!Estou já absorvido no encanto de Deus,na sua infindável beleza.Permanece em mim o seu amor,uma enorme ternuraque nem tu consegues imaginar.Vivo numa alegria puríssima.Nas angústias do tempo, pensa nesta casa onde um dia estaremos reunidos para além da morte, matando a sede na fonte inesgotável da alegria e do amor infinito.Não chores, se verdadeiramente me amas

  9. artur says:

    Adriano, é nome de luta…Ele dizia: “se acreditas, vai até ao fim… por mais sacana que o individuo seja, ele tmabém tem limites. E a verdade que está do teu lado, nunca será mais fraca que a mentira que sustenta esse sacana…”Que Deus te abençoe, seja lá a ideia que tenhas Dele…obrigado ADRIANO


  10. Um “Freeport” chamado Cavaquismo…Neste blogue praticam-se a Liberdade e o Direito de Expressão próprios das Sociedades Avançadas…

  11. Florinda Albergaria says:

    Muito obrigada pelas tuas palavras, João Paulo. Não sei o que acrescentar. Tenho dor e saudade! Um grande abraço para ti e ânimo!

  12. Fernando Baptista says:

    Conheci o Adriano na viagem de fim de curso (dele, eu fui dependurado numa colega dele que eu namorava… ) à Madeira. Poucos anos depois, voltei a encontrá-lo, no SPN. Reuniões, viagens, congressos… Ele estava lá sempre (eu, de vez em quando…). Admirava aquela simplicidade, segurança, firmeza de convicções mas sem alarido… Adeus, Adriano que nós cá teremos que continuar a enfrentar o touro. Vais fazer falta. E um abraço para ti, João.

  13. Adalberto Mar says:

    Tmabém eu fiquei chocado com uma amiga que ao fim de um ano de repente foi-se..era enorme possante cheia de luz e de vida e de saúde e num ano o cancro levou-a..um ano para que aparecesse a dizimasse e a levasse ..o corpo dela já anda em cinzas no mar..oxalá me bafeje com a sua benção..SAUDADES RAQUEL….


  14. […] começa a acontecer com uma realidade que os meus trinta e cinco anos pouco conheciam. Em Julho um amigo, agora o Zé Paulo, outro enorme amigo. Se a saudade do Adriano foi e é uma coisa para qual não […]

Trackbacks


  1. […] Lembrei os amigos que partiram… […]


  2. […] Aventar que dei nota pública da partida de dois dos homens mais brilhantes que alguma vez conheci: Adriano Teixeira de Sousa e José Paulo Serralheiro. Ao ler, hoje, o que escrevi sobre eles, não tenho dúvidas – […]

Deixar uma resposta