À socapa os impostos vão subindo…

Como quem não quer a coisa o Estado vai sacando tudo o que pode. Agora os chamados "brings benefits" tambem já pagam descontos para a Segurança Social e as empresas contribuem com a sua parte.

 

Se até sou capaz de estar de acordo ( são os carros, os almoços, os cartões de crédito…) quanto às empresas é que não é ajuda nenhuma, quando o que se discute na UE é baixar o peso das contribuições para o Estado. Mas aqui no nosso país não há margem para nada, a despesa pública cresce ( já é superior a 50% do PIB) e os impostos têm que subir.

 

Quem não sofre com os impostos é a banca que ganhou, nos últimos três meses, cinco milhões de euros por dia ,e que no ano passado não pagou mais de 15% de IRC, enquanto as empresas falidas pagam mais do dobro. E se lhe juntarmos o que se esconde nas off shores, o IRC não atinge os dois dígitos. Enfim, justiça e equidade fiscal à Partido Socialista.

 

Contra os 5.9% de déficite de Teixeira dos Santos aí estão os 9% da UE e a tenaz começa a apertar com a redução do déficite a começar já em 2010. E a Dívida Pública, e o desemprego, está tudo a subir e não controlado.

 

O mais depressa que lhes seja possível, vão começar a retirar as ajudas específicas da crise. Nos BPP, BPN e BCP é que não vão retirar nada, nos apoios ao desemprego vão começar a apertar porque a situação não é sustentável, embora isso seja um terramoto social, porque a retirar é a quem não tem outros rendimentos.

 

E a criação de emprego com as grandes obras só tem efeito lá para mais adiante, 2011?

 

A crise internacional está a melhorar, mas a crise nossa, muito nossa, está a agravar-se.

 

Desta vez quem será o culpado?