Dicionário do futebolês – estamos a incomodar muita gente

Em Portugal, todos os clubes que ocupem qualquer lugar que não seja o primeiro da tabela classificativa (outra pérola do futebolês) são vítimas evidentes de uma conspiração que envolve árbitros, árbitros auxiliares, delegados ao jogo, dirigentes desportivos, polícias a cavalo, dois batalhões de artilharia, alguns deuses menores e pequenos crocodilos. Se não fosse toda uma série de acontecimentos, entidades e pessoas, todos os clubes que não estão em primeiro lugar, estariam, obviamente, em primeiro lugar. Por sua vez, o clube que está em primeiro lugar deve esse dúbio privilégio a uma série de “interesses instalados”, não havendo, nunca, a possibilidade de ocupar tal posição por mérito, mas apenas porque “está tudo comprado” e “está a ser levado ao colo”. É claro que este mesmo clube, mal perca o primeiro lugar, passará a integrar o coro dos roubados, injustiçados e espoliados.

A frase em análise é uma das preferidas por jogadores, treinadores e dirigentes das equipas que têm o hábito de perder e, de preferência, muito. Assim, é vulgar, em conferência de imprensa, aparecer um homem de semblante sisudo que, diante de tantas forças ocultas que ocultam o demérito próprio, profere esta frase severa: “Estamos a ser prejudicados porque estamos a incomodar muita gente.”

Normalmente, ninguém percebe por que razão uma equipa que se limita a perder jogos possa ser incómoda, mas é aí que esta frase misteriosa é explicada por outra com a mesma claridade: “Todos sabem de que falamos.” É nesse momento que desconfiamos de que o futebol é uma sociedade com rituais de iniciação mais insondáveis do que os da Maçonaria ou dos Templários. Qualquer um que afirme que é só um jogo em que ganha quem mete mais golos ou é ignorante ou vai em primeiro lugar.

 

 

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.