Ontem senti-me representado no Parlamento

jes

Luaty Beirão não é nem nunca quis ser uma vítima. Não foi apanhado desprevenido a cometer um crime. Luaty Beirão desafiou uma ditadura, jogou com a coragem para demonstrar ao mundo que Angola é uma ditadura brutal, cleptocrática, sem liberdade, corrupta e que goza da subserviência de quem beneficia da sua caraterística ideológica real: O dinheiro.

Isabel Moreira subiu ontem ao púlpito da Assembleia da República para, de forma clara e objectiva, chamar os bois pelos nomes. Perdão: os ditadores cleptocratas pelos nomes. Já era tempo de se constatar o óbvio, na casa da Democracia. Ontem senti-me verdadeiramente representado no Parlamento. Não é algo que aconteça muitas vezes. Um forte aplauso, senhora deputada!

Foto: Paulo Novais/Lusa@Esquerda.net

Comments

  1. Rui Naldinho says:

    Isabel Moreira sempre foi uma outsider no nosso parlamento. A par de João Galamba, e mais alguns jovens deputados socialistas riscam e arriscam muitas vezes por sua conta.
    Isso tem vantagens, mas também pode criar alguns constrangimentos ao partido, habituados que estão à disciplina de voto. Diríamos que se situam no plano ideológico e doutrinário numa social democracia, mas nos costumes mandam a social democracia à fava, com o politicamente correto.
    Só o BE parece não ter telhados de vidro nesta matéria. O resto são todos uns hipócritas. E os partidos do Centrão, PS, PSD, CDS, então esses nem falar. Desde que de Angola venha dinheiro, não interessa como e de onde, aquilo que lá se passa em termos de direitos humanos é para ignorar. Eles que se amanhem…
    Passando agora a Angola, eu colocaria uma pergunta:
    Mas será que Angola, por alguma vez na sua História viveu em democracia?
    Lamento dizê-lo, mas eles nunca souberam o que isso era!
    Só se foi no curto período da bandalheira do PREC, depois do 25 de Abril e ate à sua independência. Mas, mesmo aí estamos a cometer um erro de análise, porque mal os Acordos de Alvor foram assinados começou a guerra civil entre os 3 movimentos de libertação, com saques, carnificinas, etc…
    Angola viveu em ditadura desde 1482, se me é permitido o exagero, altura em que Diogo Cão descobre a foz do rio Zaire, até aos dias de hoje. Primeiro porque nessa época não havia democracia, eram os vários reinos indígenas que mandavam. Depois, mais tarde, porque se transformou aquela possessão territorial numa centro de exportação de escravos para o Brasil, Portugal e outros locais. A seguir veio com o Mapa Cor de Rosa, a colonização branca propriamente dita. E por fim a descolonização e o regime do MPLA.
    Digamos que até aos dias de Luaty Beirão, e também porque os negócios de Portugal com Angola se detereioraram substancialmente, é que descobrimos tarde e a más horas, que aquilo era uma ditadura.
    De Barroso a Coelho, passando pelo nosso filósofo da treta José Sócrates, tudo foi conivente com José Eduardo dos Santos, Filhos & Caciques, Lda.
    Nós, há boa maneira portuguesa, enquanto tivemos ali um espaço de fuga ao nosso desemprego e às nossas misérias, também fomos engolindo através dos jornais do regime, tudo o que bom Angola nos dava.
    Os Angolanos parece serem os únicos a ficaram sempre de fora!


    • Um distraído????

      • Rui Naldinho says:

        Distraído? Por que razão?
        Não acha que Angola é uma ditadura? E sempre foi? E continuará a sê-lo por alguns anos?
        Ou acha que Angola é uma democracia quando nos dá jeito, satisfazendo-nos nossos intentos, mas passa logo a ditadura quando deixamos de necessitar dela?
        Se há uma coisa que Angola me ensinou, foi a de que os portugueses, com ela sempre agiram com hipocrisia.
        E olhe que eu sou branco, retornado de Moçambique, nascido em África, filho de portugueses de “primeira”, e também passei alguns maus bocados com a descolonização.
        Só que procuro desviar-me o quanto posso desta hipocrisia que grassa nesta Europa que abraçámos.
        Eu vou repetir de novo:
        Angola sempre viveu em ditadura.

  2. A.Silva says:

    Luaty Beirão, um palhaço a soldo se Soros!

    • A.Silva says:

      E do Departamento de estado americano!

      • José Peralta says:

        A.Silva

        Vê-se à légua, a “bandeirinha” que tráz na lapela ! (Que não é a “mesma” do aldrabão-mór !).

        E, sobre este caso, qual cana rachada, vem aqui dizer sempre a mesma coisa !

        Vá lá, diga-nos que Angola, à semelhança da Coreia do Norte, é uma “democracia” !

        Diga-nos que o Povo angolano não morre à fome ! E que a inefável multimilionária “sabelinha dos santos”, não faz campanhas hipócritas no seu FB, para que os Angolanos a morrer de fome, façam doações aos hospitais, para eles poderem comprar desde vacinas contra a malária, a compressas, a penicilina, a soros dos mais diversos, ao simples paracetamol, a todo o material de assepsia de que estão exauridos !

        E já agora, de caminho, A. Silva, negue a exponencial mortalidade infantil, a trágica miséria, as condições de insalubridade propagadoras de doenças, enquanto uma clique governamental corrupta se banqueteia no luxo e no champanhe !

        E diga-nos que a culpa é do Luaty , do Soros…e do Departamento de Estado Americano !

        • A.Silva says:

          A demência é isto: “os Angolanos a morrer à fome”, vá-se catar mais as suas aldrabices, ò colonialista ressabiado!

          • José Peralta says:

            A.Silva

            Está bem ! Então eu não digo que os Angolanos morrem à fome !
            Então eu não digo que a multimilionária “sabelinha dos santos” que bem podia doar um ou dois milhões de dólares para resolver as carências de um hospital pediátrico, faz um apelo hipócrita no FB, para que sejam os angolanos “que não estão a morrer à fome” a fazer doações !

            Então eu não falo na exponencial mortalidade infantil, a trágica miséria em que vive o Povo Angolano, as condições de insalubridade e higiene propagadoras de doenças, enquanto uma clique governamental corrupta se banqueteia no luxo e no champanhe !

            E também não digo que o A.Silva tem na lapela uma “bandeirinha anticolonialista” que se vê à légua, e sabe-se muito bem qual é !

            É aquela que, quando quer tapar a cabeça para não ver, destapa os pés…

            …e vice-versa !

            E só mais uma “coisinha”, ó A.Silva ! ESTA :

            http://www.redeangola.info/isabel-dos-santos-pede-doacoes-para-hospital-pediatrico/

          • José Peralta says:

            A.Silva

            E mais ESTA :

            Depois deste comentário : “Ironia
            O pedido partilhado por Isabel dos Santos provocou não apenas a divulgação da situação, mas também trouxe alguns comentários irónicos à sua conta no Instagram.

            “Se ao menos houvesse uma multimilionária que lesse este pedido… Eram menos umas garrafas numa festa e ficava resolvido”, comentou um seguidor de Isabel dos Santos”, está um espaço cinzento com a indicação “conteúdo indisponível”, mas que eu ainda vi, anteriormente !

            Sabe o que era esse espaço, antes de ser censurado, A. Silva ? Era o “fac-simile” do FB da “sabelinha” onde ela, hipócrita, pedia as doações “aos Angolanos que não estão a morrer à fome”…


      • Você é um conspirador nato, A. Silva!


    • Eis a minha opinião,coincidimos!!!

  3. Manuel Santos says:

    Eu também. Eu também. É chegada a altura de os portugueses (inclusive, os políticos de bem) ajudarem o Povo angolano a derrubar aquele cleptocrático regime.

    • A.Silva says:

      Para Angola, já e em força, e todos cantando “Angola é nossa, Angola é nossa!”

      Há ressabiados saudosos do colonialismo que têm a independência de Angola atravessada na garganta.

      • José Peralta says:

        A.Silva

        Pois ! Ressaibiado é que você “não” é…

      • Manuel Santos says:

        A. Silva
        Deixe-me que lhe diga uma coisa: na minha modesta opinião de há pouco, não está implícito um novo colonialismo, não. Apenas entendo que Portugal deve acabar com as bajulações àquele regime, porque só assim estará a, efectivamente, ajudar o Povo angolano. De fora, cumpramos, junto dos portugueses e da comunidade internacional, o que há muito o devíamos fazer como ex-colonos: com todas as letras, digamos ‘esse regime é corrupto, despótico, cleptocrata, assassino… Para terminar, não quero ser deselegante para consigo e imaginar, com o seu escrito, que também se ‘alimenta’ dos ‘diamantes e petróleo de sangue’!

        • A.Silva says:

          Eu acho é que em Portugal devem acabar os saudosos do colonialismo que tem saudades do “Angola é nossa!”


          • Qual saudosismo colonialista? Deixe de ser parvo, homem! Tenho muito respeito pelo povo angolano, já você claramente não se incomoda minimamente com a forma como o regime controla os recursos do país e produz milionários corruptos, enquanto a esmagadora maioria da população se acumula em favelas e passa fome.

  4. joão lopes says:

    os angolanos povo,passam tanta fome,que nem força tem para derrubar nada,quanto mais uma ditadura…outro problema que vi em Angola,foi o alcoolismo,que diga-se é transversal a toda a sociedade angolana.

  5. A.Silva says:

    E já agora, a Isabel Moreira sendo filha de quem é, devia ter mais respeito pelo povo angolano!


    • Portanto a Isabel Moreira agiu mal mas a Isabel dos Santos é, como o próprio nome indica, uma santa. De rir.


    • Caro A.Silva infelizmente tem uma visão inviesada não só do respeito como também dos valores. O Pai o Prof. Adriano Moreira ao contrário do que pensa foi uma pessoa que no contexto em que foi governo contribuiu para travar algumas patifarias. Por por outro lado foi uma pessoa que evoluiu não só no pensamento como na acção.

    • ZE LOPES says:

      Em breve a filha do Álvaro Cunhal vai lá responder!


  6. Ainda há deputados(as) que não venderam a Alma.


  7. A culpa de existirem estados cleptocratas com Angola é da inteira e única responsabilidade dos países colonialistas que apenas lá estiveram para sugar os recursos naturais, negando (neste caso) aos angolanos o acesso ao ensino e ao trabalho qualificado de forma a criar uma sociedade que, pouco a pouco se fosse nivelando. Eles foram sempre usados para trabalhos desqualificados, senão escravo e, na esperança de melhores dias, empurrados para os braços dos movimentos de libertação. O exército começou a perceber que estava a ser usado num esforço sentido. Não há almoços grátis. Por detrás dos movimentos de libertação estavam os interesses da então União Soviética; China e Estados Unidos. Quando se deu o 25 de Abril um dos seus objectivos principais era acabar com aquela carnificina sem sentido o poder tinha que imperativamente ser dado até porque deixou de haver no terreno forças militares disponíveis para garantir qualquer efémero poder, pelo que, foi natural passar o poder à força politico-militar mais poderosa nesse caso o MPLA. A partir daí com e sobretudo após a morte de Agostinho Neto havia apenas Eduardo dos Santos e uma pequena elite de generais foi-lhe fácil apoderar-se dum país onde em mais de 95% da população grassava a ignorância, o analfabetismo, a miséria e a fome. Tudo isto, doa a quem doer, fruto das políticas coloniais genocidas dum país que sem respeito pelos valores civilizacionais fazia finca-pé do orgulhosamente sós.


    • Não concordo que seja única e exclusivamente dos colonialistas. Portugal já saiu de Angola faz muitos anos e nem por isso os patriotas lá do sítio se esforçaram por mudar o estado das coisas. Pelo contrário. Acho injusto que essas culpas não sejam partilhadas, caro Antero.

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.