A força do cinismo é forte nesta aqui

cristas-feriado

É preciso ter muita lata, mesmo.

Manipulação grosseira na comunicação social

costa-escutas

Clicar na imagem para ampliar

A situação descreve-se muito rapidamente. Alguma comunicação social e a Vodafone criaram um facto político para colar António Costa a uma investigação sobre corrupção. Foi “apanhado”, houve escutas que foram “mandadas destruir” e até se conseguiu colar o nome de José Socrates à “notícia”.

A manipulação na comunicação social atingiu um nível em que simplesmente não merece crédito. Não vale tudo na luta política e na caça ao clique.

Há quem prefira certas ditaduras a monarquias democráticas…

É curioso verificar que alguns partidos políticos portugueses convivem pior com monarquias democráticas do que ditaduras, não todas como é evidente, depende se a ditadura é de esquerda ou direita, como o demonstram acontecimentos recentes…

Sou insuspeito de qualquer simpatia pela instituição monarquia. Também eu não acredito que alguém nasça predestinado a governar. Os espanhóis têm monarquia, é lá com eles, precisamente hoje assinalam-se 376 anos sobre a separação dos nossos destinos. [Read more…]

Mário Ferreira está equivocado

comboio-machu-picchu Carlos Almendra Barca Dalva

Profundamente equivocado. Profundamente.

Honrou-me com dois minutos do seu tempo o empresário da área do Turismo Mário Ferreira, num comentário deixado à carta aberta que ontem lhe dirigi.
Li-o com atenção, com muita atenção.
E permita-me dizer-lhe: está equivocado em quase tudo quanto diz. Quase tudo.

Novamente, vamos por partes?

A sua primeira frase, curiosamente, é a pura das verdades:
“O importante é que visitem o Tua, falem bem ou mal estou todos a falar…”

É verdade: há já cerca de uma década que a linha do Tua passou a fazer parte do quotidiano noticioso de Portugal. A par da linha de Sintra e de Cascais, é mesmo a via férrea de que os portugueses já ouviram falar e até sabem onde fica. E, repare, saber os rios, as serras e as vias de comunicação já não faz parte do programa escolar há muitas décadas.
No entanto, a linha do Tua… toda a gente conhece.

“Gostava que me mostrassem as máquinas a vapor construídas em Portugal.”
Ninguém lhe prometeu mostrar máquinas a vapor construídas em Portugal pela razão simples de que, para além de alguns improvisos oficinais, elas nunca existiram. Todas quantas cá circularam foram importadas da Alemanha, de Inglaterra, da Suiça, de França, até mesmo dos Estados Unidos da América (mas sem aquele design piroso). Importadas, modelos de séries comuns ou com as modificações solicitadas pelas empresas da altura. [Read more…]

Lettres de Paris #33

‘Antes eram os lugares e a Elisabete, agora é a Elisabete em Paris’

IMG_1552.JPG
escreveu-me hoje num email uma pessoa de quem muito gosto e, creio, faz o favor de gostar de mim também. A pessoa (que lerá este postal, também, mais tarde ou mais cedo, por isso peço-lhe já desculpa) acrescentou que talvez fosse inevitável. Confesso que fiquei a pensar naquilo o resto da tarde, depois de ler o email. Ia a pensar naquilo quando saí por uma hora do Ladyss, eram quatro da tarde, para ir ter com a Fabienne à livraria Compagnie, na Rue des Écoles. Achei graça a Fabienne ter sugerido aquela que, até ver, é a minha livraria favorita de Paris. Creio ter já falado nela nestas cartas. Na montra tem livros do Gonçalo M. Tavares, do Valter Hugo Mãe. Também já vi lá coisas do Saramago e do Fernando Pessoa. Estranhamente não vi ainda nenhum livro do António Lobo Antunes. Vi ontem ou antes de ontem, na montra já decorada para o natal um livro chamado Contos Portugueses, mas em francês. Não é por isso que a Compagnie é a minha livraria preferida, bem entendido, mas ajuda um bocadinho, confesso.
 

[Read more…]