É isto

image

Bashar Al Assad deseja-lhe um Feliz Natal!

圣诞节快乐

xmas

Christmas@Bright Side

Um esgoto com eco na Distrital de Lisboa do PSD

Há um site de anónimos, um tal Direita Política, que nem link merece, que é um autêntico esgoto de mentiras e manipulações óbvias. Está, de alguma forma, ligado ao PSD, já que toda a propaganda difundida é em prol deste partido, seja pelo enaltecimento dos soundbites laranjas, sejam por sistematicamente procurar denegrir os partidos à esquerda.

O nível de baixaria é estratosférico e essa deve ser a principal razão para nenhum dos tristes assinar o que escreve. Agora que Mário Soares está internado, o último vómito regurgitado foi de exaltação face à sua doença.

Poder-se-ia pensar que tais porcarias fossem ignoradas oficialmente pelos partidos – oficiosamente já vimos que não o são -, mas não é o caso. São partilhadas na página da Distrital de Lisboa do PSD. Não uma vez, mas recorrentemente.

partilha-na-pagina-do-psd

[Read more…]

Lettres de Paris #51

Le Père Noel n’exist pas…

15622417_10212089670463314_3270987698596139774_n
e sendo assim não sei quem terá vindo aqui deixar tanta tralha. Se ele existe, sempre lhe digo que tem uma grande lata. Vir deixar aqui as prendas que, ainda por cima, são para outras pessoas. E agora eu que as carregue daqui para fora, se é que quero que as pessoas a quem se destinam as recebam a tempo do Natal. Se não existe e não foi ele, então não sei quem terá sido, mas de qualquer maneira vou ter que as carregar comigo. Encarregar-me delas. Não há outra solução.
 
Já gostei mais do natal, com ou sem pai natal. Já gostei mais de comprar prendas e de as entregar, é verdade. Mas hoje, ao olhar para estes embrulhos que o pai natal que não existe aqui deixou fiquei contente, mesmo se nenhum deles é para mim. Não sei se as pessoas que os vão receber – e são poucas, que já se sabe que as coisas não estão de feição para grandes gastos, coitado do pai natal ainda para mais às compras em Paris onde, eu bem vejo nas montras das lojas, é tudo tão caro! -vão também ficar contentes. Mas o malandro, ou quem foi que aqui deixou os embrulhos e acendeu as velas para dar um ar mais festivo à coisa, esqueceu-se de duas ou três pessoas. E agora lá vou eu ter de me encarregar pessoalmente do assunto, às portas do natal. Sinceramente.

Não alinham em encenações. Só em embustes.

Por força das circunstâncias, calhou gramar grande parte do dia com um canal do militante n. 1 do PSD, a SIC Notícias, o qual se entreteve a passar em modo cíclico um vídeo qualquer de Passos Coelho e um outro de um qualquer clérigo.

Achei engraçado o do homem que não tira o pin da lapela, como se este tapasse um hipotético buraco por onde possa escapar o último sopro de poder, à semelhança de um balão remendado. Nesse vídeo, o subtítulo, que soa a combinado, não fosse o mesmo nos foicecoisos e nos pasquins, mais oficiosos ou mais oficiais, lia-se que não alinham em encenações. Talvez tenha razão, pois um embuste não é uma encenação, mas lembrei-me do que os pafiosos fizeram no Verão passado, só para não ir mais longe.

Já pode ver qual é a fatia que lhe cabe (por agora) do imposto que lhe está a ser cobrado a mais. Se o ano terminasse em Junho, segundo as contas do simulador do Governo, as famílias iriam receber cerca de 100 milhões de euros – com a sobretaxa a baixar de 3,5% para 2,8%.

Não alinham em encenações! Um par de estalos nas fuças e só se perdiam as que caíssem no chão.