Se ao menos este tipo e c.ia alguma vez tivessem trabalhado…

Quem trabalha sabe que não há pontes. Mete dia de férias e é preciso que a empresa ou serviço aprovem. Mas quem é que se está para se preocupar com minudências quando se pode bater nos do costume?
imagePara a sumidade em causa, o problema da produtividade está no número de horas que a plebe trabalha. Foi com esse argumento que cortou 4 feriados, quis aumentar o horário laboral e inventou o banco de horas. E é por isso que agora volta à carga.

Deve ter ouvido falar que é o que fazem em Inglaterra. Será que também lhe disseram que lá há empresas que têm um horário de 37,5 horas semanais? E que quase todos os trabalhadores do UK têm 5,6 semanas de férias pagas?

Mas se o PSD e o seus militantes estão assim tão preocupados com a perda de produtividade, que vão trabalhar nos feriados. Dêem o exemplo e desamparem a loja. Agora, gostava mesmo era de ver o PSD propor uma solução para a encrenca do Novo Banco, que não ata nem desata, apesar de lá ter o seu boy a ganhar 25 mil por mês para tratar da venda, com os resultados que conhecemos. Mas, como sabemos, o problema da competitividade não está nos impostos que pagamos a mais por causa de andarmos a salvar bancos privados, mas sim na porcaria das pontes, que afinal são dias de férias.

Maravilha, maravilha seria acabar com esses fins-de-semana improdutivos.

E aproveitar as 18 horas de trabalho que um dia devia ter. Isso sim.

Contas certinhas

e miséria.

Ainda as pontes

Ninguém pensou no risco para as pessoas quando a Vasco da Gama foi inaugurada com uma feijoada. Os gases nos dias seguintes foram insuportáveis.

Ponte “Vai e não voltes”

Teria a sua piada. A ponte “Vai e não voltes“.

Começaria do lado de cá e em sentido descendente, aproveitando a gravidade, seria sempre a descer e por isso descendente. Assumidamente, desceria para baixo.

Dirão os mais atentos que do outro lado seria ascendente, porque seria a subir. Subir para cima!

Mas aqui é que está a solução!

A ponte seria para lá e de sentido único. Seria aberta uma única vez e levaria um carrinho cheio deles: o que está de partida, o que foi para Lisboa, o descendente, o vice candidato. Todos.

Resolvia-se um conjunto bem amplo de problemas – um dia aparece um num jornal ao lado do arquitecto com as pontes todas. No outro é o Presidente que está com problemas na caixa de correio que aparece ao lado do Vice, mais uma vez, as pontes… E ainda há o que quer ser, mas ninguém o quer.

Meus amigos, isto aqui em gaia, no que diz respeito ao PSD, vai uma verdadeira anedota!

E o eleitor, contribuinte, que os ature! Não há paciência. O desemprego continua a crescer como em nenhum concelho deste país e esta gente fala de pontes. Não foi o cimento, a Mota Engil e a Soares da Costa, com os seus amigos, que nos trouxeram até aqui? Insistir no erro?

A sério, aproveitem a descida, ali da Serra do Pilar até à Ribeira…

As pontes da outra margem

Claro que não! Então com ideias destas, quem ia fazer tal coisa?

Se calhar tens mesmo razão e este Homem é um senhor. A proposta é totalmente coerente com o pensamento do autarca, mas poderia ter alguns melhoramentos: [Read more…]

As pontes são boas pr'a todos!

Os hotéis estão cheios no Algarve, as praias da Linha e da Costa não aguentam mais ninguem, a cidade está vazia de pessoas e carros. É o que se chama o paraíso!

Crise, que crise? Aumentam os impostos, as famílias estão superendividadas, vamos todos viver pior, 40% dos portugueses vivem na dependência do estado, o desemprego está nos 10,8%, o rendimento mínimo e os subsídios são uma miséria, mas o que é certo é que os hotéis e as praias estão cheios.

Gasta-se gasolina, carro, alimentação, dormidas e há sempre uns trocos a que não se pode fugir mas a vida é para quem sabe dar a volta por cima. “Eles ” vão tratar disto, vais ver que vem massa lá de fora, achas que os camones dos alemães deixam cair isto? e então o sol e o inverno sem neve que os gajos vêm para cá apanhar? E a cerveja? E o vinho? Pá, não te apoquentes que há sempre algum…

E o pessoal que fica cá dentro, na cidade, está tambem de férias, restaurantes meio cheios, ruas desertas, passeios sem carros, esplanadas magníficas só para uns quantos felizardos, até o Museu de Arte Antiga estava só com uns camones lá de fora, deu para estar sentado a olhar para “Os painéis de S. Vicente”, há uma nova teoria sobre uns números que aparecem na bota de um dos Infantes, pode ser a data e a assinatura do pintor…

E o PIB? Que se saiba esse gajo foi para as Bermudas levar com um ciclone na tola e um dia destes aparece aí com um chapéu de abas largas à maneira. E, logo a seguir temos o campeonato do mundo, hoje já houve festa , milhares de entusiastas a despedirem-se dos jogadores ao longo do caminho de Oeiras para o aeroporto.

Já viram se o aeroporto fosse em Alcochete?

Um Comboio e Três Linhas

Porto, anos 70

Em finais do loucos anos 70, daqui, por sobre a Alameda das Fontaínhas, avistava-se ainda com carris e ao serviço o Ramal de Alfândega, esse troço inclinado que ligava Porto Campanhã à Alfândega do Porto. Avistava-se a ponte Maria Pia, monumento último da Linha do Norte. E avistava-se ainda um comboio a vapor saindo do túnel D. Carlos (o maior dos três túneis entre Campanhã e a estação central de São Bento, início das linha do Minho e Douro.

A contemporaneidade acrescenta a este cenário a ponte de São João e a ponte do Freixo. A ponte Maria Pia, agora monumento nacional, perdeu a sua função ferroviária, o Ramal de Alfândega é um balde do lixo e comboios a vapor só circula no Douro aos sábados de Maio a Outubro. Actualmente, e não me ocorre outro, este é o único local em Portugal de onde se avistam três linhas ferroviárias, duas pontes e três túneis. Viva o Porto, capital emocional do Norte de Portugal.

(foto original aqui)