Não somos muito felizes

Smiley.svg

O nome ajuda a explicar: Costa Rica. Não é preciso muito para chegarmos lá. Quando por lá aportaram os espanhóis, liderados por Cristóvão Colombo, a terra recebeu o nome de nova Cartago. Só alguns anos mais tarde foi baptizada da forma que é hoje conhecida. Era Rica por causa do ouro que os indígenas ostentavam, claro. Hoje é rica devido à fantástica biodiversidade que faz as delícias dos investigadores e dos viajantes que apreciam a ecologia.

O DN conta que a Costa Rica foi considerada o “país mais feliz do mundo”, num estudo que mede o Índice do Planeta Feliz, isto é, a capacidade que cada país tem para proporcionar um bem-estar sustentável aos seus cidadãos. A New Economics Foundation, uma organização não governamental ecológica britânica, divulgou o relatório durante este fim-de-semana.

Na Costa Rica, revela o documento, citado pelo DN, a esperança de vida é de 78,5 anos, o grau de satisfação da população é de 8,5, numa escala de zero a dez, a pegada ecológica, ou seja, a quantidade de terra e água que seria necessária para sustentar as gerações actuais tendo em conta todos os recursos materiais e energéticos gastos pelos seus cinco milhões de habitantes, é de apenas 2,3.

Portugal, que surpresa, aparece em 98.º. Não é bom, mas, ainda assim, à frente dos EUA, que estão no 114.º lugar do ranking do Índice do Planeta Feliz. Em Portugal, a esperança média de vida é de 77,7. O grau de satisfação é de 5,9. 4,4 é a pegada ecológica do país. O Índice do Planeta Feliz dos portugueses é de 37,5.

Enfim, nestas coisas da felicidade andamos fraquinhos, como na maior parte das coisas. Pena é que, em conjunto, enquanto comunidade, fazemos tão pouco para resolver os nossos problemas e tentarmos ser mais felizes. Em todos o caso, há sempre quem diga que a felicidade é um mito. Por isso, se calhar não vale mesmo a pena irmos mais longe.

Comments

  1. maria monteiro says:

    Sempre é melhor irmos tentando… claro que haverá dias, horas, momentos, situações… +/- felizes, mas ofereçamos a nós próprios o aconchego da felicidade … Não esquecer este rectângulo à beira mar plantado… é preciso cuidar dele porque será o nosso legado para as gerações vindouras.

  2. Adalberto Mar says:

    EU SOU PORTUGUÊS, CEM POR CENTO LUSITANO E MUITO MESMO MUITO FELIZ QUANDO ESTOU A VIVER OU A ESTUDAR OU A PASSAR FÉRIAS EM…MADRID…SOU 1000% A FAVOR DO IBERISMO E QUE A CAPITAL DO MEU PAÍS SEJA EM MADRID!!!SIM SIM!OS GALEGOS NÃO QUEREM, OS CATALÃES TAMBÉM NÃO, OS BASCOS IDEM MAS EU QUERO!

Deixar uma resposta