Viana do Castelo despede-se da família Silva

adeus_cavaco_silva
Viana do Castelo, provavelmente a mais arejada cidade portuguesa, festeja “o momento em que é substituído o Presidente que após o 25 de Abril mais vergonhas nos fez passar”.
Gosto de Viana do Castelo, mais e mais, a cada dia que passa.
Gosto muito de Viana do Castelo.
© Arménio Belo aqui.

ADEUS (8)

Ainda no secundário: http://www.rtp.pt/noticias/cavaco-silva/manifestacoes-de-estudantes-contra-a-pga_v900486

Ainda no secundário: http://www.rtp.pt/noticias/cavaco-silva/manifestacoes-de-estudantes-contra-a-pga_v900486

ADEUS em família

O pavilhão da família

O pavilhão da família

ADEUS (5)

amizade

ADEUS (4)

Amizade

ADEUS (3)

Amizade

Amizade

ADEUS (2)

Amizade

Amizade

ADEUS!

mummy

Múmia

À tua, JJC!

IMG_20151011_161148

O longo adeus (?)

O modo como a SIC tratou hoje a “despedida” da troika, quase me comoveu. Os membros do governo mais ligados às finanças brilharam em depoimentos em tom entre o fadista e o tecnocrático, não faltando rasgados elogios ao ausente – mas já premiado e promovido – mestre Gaspar, o que mostra que a adoração aos “magos das finanças” tão própria de países subdesenvolvidos, não se perdeu. Tratadas em estilo hagiográfico, as personagens desfilaram looooongamente. Fiquei à espera de que, no final, se celebrasse uma missa de júbilo. Pelo milagre que fez esta boa gente e para pedir que se apresse a sua eminente beatificação.

A um Felino

Estás idoso, muito idoso. Os teus 17 anos de vida, equivalentes à juventude nos humanos, pesam-te já muito nas pernas. É verdade, os teus desvarios da mocidade, as tuas noites passadas na rua, todas as loucuras que cometeste, reflectem-se agora em alguns problemas de locomoção.
Estás connosco desde o regresso da lua de mel.
Casei sabendo que irias partilhar a minha vida. Não te conhecia, esperei pelo momento de regressar para te conhecer.
Não gosto de escolher animais. Normalmente, e tem sido assim durante quase toda a minha vida, os animais é que me escolhem. Trazidos por não sei que instinto, não sei que odor, são eles que param a meio do seu caminho, desviam a sua rota e me seguem. Ou me entram pela porta dentro. Ou chamam à minha passagem. Ou simplesmente se sentam no meu colo, onde quer que eu esteja. [Read more…]

Fernando Antão de Oliveira Ramos (1933-2012)

Antão Ramos

No passado Domingo, despedi-me pela última vez do meu Patrono.

Senti a solidão própria de quem perdeu uma referência viva, e a amargura consequente de não ter aproveitado mais a sua vida. O que sempre acontece quando damos as coisas e as pessoas por garantidas, olvidando, tantas vezes, a nossa precária condição existencial.

Fernando Antão de Oliveira Ramos ensinou-me tanto sobre advocacia quanto sobre a vida. No seu estilo próprio, sólido, entre o racional e o temperamental. O seu pensamento metódico e a sua capacidade de articulação de raciocínio preciso e assertivo. O seu riso ritmado pela sucessiva graça encontrada na piada repetidamente analisada. O seu olhar vivo, cativante e profundo, com que perscrutava tudo quanto mirava. A sua imponência física em homenagem à sua solidez de carácter e de pensamento, retocado com um sorriso maroto.

Aprendi muito sobre a prática política, nas suas resenhas sobre a sua actividade enquanto deputado da Assembleia da República pelo PS na sétima legislatura, ora feita num  intervalo de trabalho ora decorrente de um assunto do escritório.

O reconhecimento do seu valor intelectual, alcança-se pela alcunha que lhe foi dada enquanto membro da Comissão Parlamentar de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias: “O Sábio”.

Tudo quanto aprendi não é possível elencar, porque há coisas que se absorvem e se interiorizam, sem ser possível, sequer, enunciar.

No passado Domingo, a despedida física passou enquanto momento, mas irá permanecer como memória. Aqui, hoje, só posso despedir-me como sempre me despedi: “Com um grande abraço amigo, deste seu eterno estagiário.”

aquele que sabe que vai morrer

Quando se olha um homem que sabe que vai morrer – não num qualquer dia incerto, mas em breve e inexoravelmente – não é a morte que contemplamos, mas a vida que nele resiste, essa vida que nos desconcerta porque a achávamos impossível quando o futuro, a redentora ideia de futuro, desaparece. Um homem que sabe que vai morrer já só tem o presente e tudo o que a ele conduziu, tem o tempo – contado, escasso, precioso –, tem um corpo que talvez já não domine, tem fé ou não a tem, tem gente à sua volta ou está sozinho, tem-se a si mesmo – inteiro, desmascarado, definitivo. [Read more…]

Na despedida não foram ovos, foram prosas

“Desprezou manifestações com milhares de estudantes, só por sermos menores, como se por sermos estudantes de secundário não tivéssemos uma palavra a dizer. Desprezou abaixo-assinados, incluindo um com dez mil assinaturas de estudantes, que pediram a revogação destas leis. Desprezou manifestações com várias dezenas de milhar de professores que lutavam pelos seus direitos, pelas suas escolas”

 

Palavras de Pedro Feijó, estudante do velho Camões, na despedida de Maria de Lurdes Rodrigues. Os ovos sujavam-lhe os trapos, a maturidade destas palavras mancham-lhe a carreira. Não a esqueceremos Maria de Lurdes. E não se vai esquecer de todos nós, os que defendemos a escola pública que tanto se esforçou por destruir.

%d bloggers like this: