Como vi as eleições legislativas

Não posso deixar de me congratular com o resultado das eleições no rectângulo, recordando aos mais distraídos a decisão de me abster, que motivou a quase ausência do Aventar em período eleitoral, apesar de ter permanecido um leitor atento. E também a abstenção voltou a registar uma subida, apesar das sondagens de boca de urna analisadas exaustivamente pelas televisões na 1ª hora, quando precisavam encher chouriços enquanto aguardavam pelas 20h00, acompanhei a emissão até cerca das 20h15… Não vi ou li grande referência ao tema, mas a verdade é que se passou de 41,08% em 2011 para 43,07% em 2013. Algo em que todos os partidos, especialmente os que têm governado, devem meditar. Promessas eleitorais não cumpridas, falta de credibilidade nas alternativas e candidatos recrutados na tralha dos aparelhos muito contribuem para a constante e sólida evolução desta tendência. [Read more…]

Portugueses escolheram Passos Coelho para Primeiro-Ministro.

Pedro-Passos-Coelho

Apoiei e votei em Pedro Passos Coelho, como a maioria dos portugueses, para Primeiro-Ministro. Felicito Pedro Passos Coelho pela vitória e cumprimento todos os outros partidos que democraticamente foram a votos valorizando estas eleições Legislativas.

Passos Coelho e a coligação ganharam as eleições, mas sem maioria absoluta, tal como aqui previ no passado dia 30 de Setembro. Agora, em condições normais o Presidente da República irá convidar, nos próximos dias, Pedro Passos Coelho para formar Governo. Aliás, António Costa, ontem no seu discurso afirmou que entendia que deveria ser o Partido mais votado a ser convidado para formar Governo demonstrando sentido de estado disponibilizando-se para dialogar com a PAF, no que diz respeito ao futuro orçamento de estado e do país, e a afastar a hipótese de formar um governo em coligação com o Bloco de Esquerda e a CDU.

As surpresas da noite eleitoral foram o resultado histórico que Catarina Martins e o BE conseguiram obter elegendo 19 deputados para a Assembleia da República, o desaparecimento político do CDS na Madeira e nos Açores, círculos onde PSD e CDS concorreram em separado, e a eleição de um deputado, pela primeira vez, pelo PAN ( Partido das Pessoas Animais e Natureza ).

Como sempre afirmei considero fundamental a continuidade da estabilidade governativa. Estou certo que Pedro Passos Coelho e António Costa estarão à altura de, neste momento, colocar os superiores interesses do país acima dos interesses partidários.

Eleições Legislativas 2015: Vencedores e perdedores

legislativas 2015 resultados

 

Como já referiu o João Mendes, o PAN é um dos grandes vencedores, por entrar para o restrito clube da AR. O BE é outro dos grandes vencedores, ao conseguir mais do que duplicar o resultado de 2011.

Nas restantes comparações com 2011, o PCP ficou ela por ela, O PSD e o CDS perderam muito (30 deputados) e o PS ganhou alguma coisa (12 deputados), sem ser, no entanto, suficiente. Está visto de que lado da boyada vai haver choros e gritos de alegria.

O LIVRE perdeu ao ficar atrás do Garcia Pereira do “Morte aos traidores”. Marinho e Pinto, enfim, também perdeu, ao quase não descolar  da matador de traidores.

E depois há esses fantásticos PSD na Madeira (3 deputados) e PSD nos Açores (2 deputados), contra 2 deputados e 3 deputados respectivamente para o PS. Parece que as ilhas são um mundo à parte.

Falta distribuir 4 deputados neste momento.

Sabem uma coisa?

Agora é que vamos ver se o corte de 600 milhões de euros nas pensões era um mito urbano ou não.

O discurso do Costa

Ouvindo este Costa falar, dá ideia que não é a mesma pessoa que andou a fazer campanha eleitoral. E os microfones funcionaram sem espinhas.

E Costa não se demite.

Hoje, pelo menos.

A insistência na demissão de Costa

costa cartaz invertido

A coligação de direita está a procurar pressionar Costa para que este se demita. Vão buscar exemplos do que outros líderes, inclusivamente do PSD, fizeram. Sem dúvida que lhes daria jeito uma capitulação neste momento, mas há um outro aspecto que dá ainda mais jeito à coligação de direita. Se o PS perder o seu líder hoje, é garantido que amanhã não haverá uma inesperada coligação de esquerda a procurar formar governo.

Demasiada opinião e pouca informação

Gabriela Canavilhas acaba de dizer à RTP que “houve demasiada opinião e pouca informação”. Efectivamente, com menos ‘opinião’ e mais ‘informação’, Gabriela Canavilhas não teria dito: “Eu, pessoalmente, estou convencida de que, daqui a dez anos, ainda estou a escrever ‘facto’ com cê”.

Pirro

Se a PAF ganhar, poderá ter uma vitória de Pirro. Esperem até os juros subirem. Idem se o PS ganhar, já agora.

Eleições Legislativas 2015: projecções às 20:00

RTP (Católica)
PAF 38% a 43%
PS 30% a 35%
BE 8% a 11%
CDU 7% a 9
LIVRE: 1%
SIC (Eurosondagem)
PAF 36.4% a 40.2%
PS 29.5% a 33.1%
BE 8.1% a 10.5%
CDU 6.8% a 9.0
TVI (Intercampus)
PAF 36.8% a 41.6&
PS 29.5% a 33.6%
BE 8.4% a 12.0%
CDU 6.7% a 10.3%
LIVRE: 0 a 1 deputado
PAN: 0 a 1 deputado
JPP: 0 a 1 deputado

Olhares sobre as legislativas 2015: Eleições 2015

Manuel Antunes

Votar ou não votar eis a questão. Não é votar neste ou naquele, é votar ou não votar. Em 2015 o dilema põe-se em saber como reagir, entre o dever cívico e de cidadania, de votar, e a sensação de náusea e de inutilidade. São mais de 40 anos de votos, de insultos entre as oposições e os governos sucessivos, de assaltos aos dinheiros públicos por políticos e seus afilhados, de criações de mais de 1200 Institutos, mais centenas de fundações, empresas e PPP, só nas duas últimas décadas, para meter lá mais de 5000 administradores públicos ou presidentes, e milhares de outros dirigentes, com um sem número de órgãos colegiais, muitos com quase 20 membros. Um exército de boys, sem fazer nada e a sugar a teta do erário público.

Institutos, fundações, empresas públicas e PPP que mais não são do que engenhosas formas de enganar o povo, de mentir e de forjar contabilidades. Uma corja de sanguessugas, de lacaios dos partidos, e dos seus dirigentes do “arco” da governação, ou seja do PS e do PSD. Isto, depois de 3 resgates financeiros em 40 anos –1979 e 1982, Mário Soares; e 2009-10, Sócrates! E tu e eu e todos nós carregados de impostos, taxas e sansões pecuniárias de toda a ordem para suportamos os próprios ladrões.

Depois disso tudo, a pergunta é essa, voto ou não voto?

[Read more…]

Legislativas 2015: projecção da abstenção

RTP: 35% a 40%
TVI: 39% a 43%
SIC: 36.9% a 41.3%

Olhares sobre as legislativas 2015: anúncio de emprego

Pólo Norte

Primeiro-Ministro
Anónimos- Portugal

O nosso cliente, país com elevado potencial mas profundamente descrente com o sistema vigente, está neste momento a recrutar para uma vaga para a função de primeiro-ministro. Se procura uma experiência na área de ressuscitação de um país em coma, esta oferta é para si!

Será responsável por:

  • Restabelecer a crença num futuro melhor a mais de dez milhões de portugueses
  • Gerir um país sem pedir a ajuda do público, dos 50/50, lá de casa ou do FMI
  • Governar com base naquilo que prometeu durante a campanha política e, consequentemente, razões pelas quais foi eleito e não governar ao lado sob o álibi de que a culpa é do Governo anterior, do Lobo Mau, da Madrasta Má da Branca de Neve ou do Coiote,
  • Estabelecer políticas reais de emprego, de empregabilidade, de estabilidade de contratos de trabalho, do fim da conivência com a precariedade, com a desvalorização da mão-de-obra, com a banalização do trabalho através de estágios não remunerados, estágios profissionais sem perspectiva de colocação efectiva, com falsos recibos-verdes
  • Ressuscitar o tecido empresarial, acreditando que uma tributação mais justa e um IVA mais baixo serão sempre melhores opções que lojas falidas, restaurantes fechados, insolvências em barda e leilões de bens confiscados vendidos ao desbarato
  • Analisar e elaborar propostas de implementação de políticas que devolvam a esta terra os jovens bem preparados academicamente e que se viram obrigados a pôr o seu saber ao serviço de outrem por via da emigração por falta de oportunidades num país que precisa deles
  • Garantir a continuidade e a sustentabilidade do país promovendo o apoio à instituição família, quer por via de políticas de incentivo à natalidade, de promoção do bem estar das famílias, de elaboração de políticas de educação que garantam a qualidade de vida das crianças e de respeito pelos idosos
  • Devolver o Ministério da Cultura e a própria cultura a um país que está em profundo síndrome de abstinência há 4 anos

[Read more…]

Portas não perdeu a oportunidade

de fazer campanha eleitoral no momento de votar. Que os portugueses podem “fazer as suas escolhas com a liberdade recuperada” após uma “situação muito difícil” durante os últimos quatro anos. Pois, a mega-safadagem.

Eleições legislativas 2015: comente em tempo real

Comente no chat do Aventar… ou envie um tweet
[tlkio channel=aventarleg2015 height=400]

Cavaco, o avisador, avisou e não ficou calado conforme prometeu

ARMENIO BELOFoto: Arménio Belo/LUSA

“A forma como irei decidir, embora já esteja na minha cabeça, eu não irei revelar nem um centímetro”, Cavaco Silva a 1 de Outubro.

“Das eleições para a Assembleia da República dependerá a formação do novo Governo. Não são admissíveis soluções governativas construídas à margem do Parlamento, dos resultados eleitorais e das forças partidárias”, Cavaco Silva no dia de reflexão anterior às eleições, juntando-se ao coro da coligação cujo nome não pode hoje ser pronunciado mas que passou a semana passada a dizer que não seria admissível que ele tivesse mais votos e que, na segunda-feira, os portugueses acordassem com um governo da área política oposta à dele.

Olhares sobre as legislativas 2015: Cidadania subdesenvolvida

Ana Moreno

A abstenção é apenas uma das faces do estado imaturo em que se encontra o exercício da cidadania em Portugal. Mas ir votar é apenas uma das manifestações de cidadania, a mais pontual. De muitas outras, um exemplo bem actual que evidencia essa imaturidade é o facto de, a quatro dias de terminar o prazo da Iniciativa de Cidadania Europeia auto-organizada contra o Tratado Transatlântico de Comércio e Investimento (TTIP), Portugal ser uma das 6 desonrosas excepções (juntamente com a Estónia, Lituânia, Letónia, Chipre e Malta) dos países europeus que ainda não conseguiram alcançar o quórum representativo para o país. Em todos os outros países europeus o respectivo quórum foi mais do que largamente ultrapassado e no total a Iniciativa foi já subscrita por mais de 2,9 milhões de europeus.

O tema de fundo de ambos os casos é o mesmo: o exercício da cidadania, que é a base de sustento de uma democracia viva, é minimalista, tosco, porque os cidadãos se recusam a ter uma participação vigorosa e organizada. Perante a dureza fuzilante de uma política de austeridade apontada contra os que menos têm, empobrecendo-os até à vergonha através da retracção crescente do estado social e do desemprego; perante a desapropriação e poluição do espaço nacional que a todos deveria pertencer, através de privatizações e concessões, como a concessão de direitos de prospecção e exploração de petróleo e gás natural em terra e no oceano ao largo da costa algarvia, a poucos quilómetros de áreas designadas de protecção e conservação; perante a proliferação de parcerias público-privadas que socializam os custos e privatizam os lucros; perante a ferida social e económica que representa a perda de jovens qualificados que emigram por receberem salários irrisórios, deixando os governantes indiferentes… perante tudo isto, uma grande parte da população acha que não tem nada que ir votar “porque são todos iguais” e outra grande parte vota nos mesmos ou quase, sabe-se lá porquê.

[Read more…]

Olhares sobre as legislativas 2015: Voto Útil, voto Inútil

Joana Lopes

V U 5

separador aventar
“Olhares sobre as legislativas 2015” é uma série de perspectivas diferentes, políticas ou não, num espaço de temática marcadamente política. Escreva-nos.

Olhares sobre as legislativas 2015: Cristo desceu à terra

José Serrão

Queridos amigos xenófobos, simpatizantes de Duarte Lima, herdeiros dos torcionários da PIDE, viúvas de Salazar, adeptos da Troika, portadores de cérebros bafientos, tocadores de cassetes estafadas, filósofos de pacotilha, caciques ressabiados, frequentadores da revista Cristina, marialvas, totós, senhores penteadinhos, chicos-espertos e quejandos: Vou dar-vos esta notícia a preto e branco porque se me acabaram os lápis de cores: Cristo desceu à terra. Está escondido no bolso do Sr. Primeiro Ministro.

separador aventar
“Olhares sobre as legislativas 2015” é uma série de perspectivas diferentes, políticas ou não, num espaço de temática marcadamente política. Escreva-nos.

Não votarei na coligação de direita

Junto-me aos aventadores que dissertaram sobre o seu sentido de voto, aproveitando para sublinhar o aspecto plural do Aventar.

portugal à frente

Há quatro anos e meio escrevi umas linhas e agora, ao reler, até parece que estava a falar da presente campanha eleitoral.

Depois de seis anos de campanha eleitoral, em quem votar? No que me toca, já lá irei, mas antes gostaria de explicar esta da campanha eleitoral dos seis anos. Para tal, socorro-me do recorrente anúncio do sucesso frustrado, sendo o grande feito das contas públicas o último acto desta tragédia. Em Fevereiro, o governo lançou aos quatro ventos a ideia de termos um tal sucesso ao nível da execução orçamental que havia um excedente orçamental. A comunicação social nem questionou os dados embrulhados em celofane que, certamente, as assessorias de imprensa prepararam. Apresentei na altura as minhas dúvidas e, há dias, vi-as confirmadas quando a Unidade Técnica de Apoio Orçamental nos informou que apenas se tinha adiado o pagamento de contas.

[Read more…]

Olhares sobre as legislativas 2015: Nesta campanha valeu tudo!

Isabel Atalaia

Amnésia, tracking polls, crucifixos, ameaças, retratos salazarentos das mulheres, ameaça de caos, o espectro do senhor engenheiro e números, muitos números, números escondidos, números mentirosos, números torcidos. Tantos números que fiquei com a cabeça à roda. Incorrigível vi os debates, as reportagens de campanha, ouvi alguns “opinadores”, não todos… Sou eleitora, mas não mártir.  Li os programas eleitorais, de todos os partidos com representação parlamentar,  na parte que diz respeito à cultura. A minha doidice chega a este ponto.  Com honrosas excepções – só generalidades. [Read more…]

Olhares sobre as legislativas 2015: Hay gobierno? Se hay soy contra

Ana Cristina Leonardo

Diz que sacou de um crucifixo. O Passos. Na recta final, enquanto distribuia beijinhos por velhinhas acamadas e jurava que tinha muita fé nas pessoas (já a Cristas era mais fé que chovesse mas não me lembro se realmente choveu). Há dois anos, coube a Portas agradecer a “intervenção de Nossa Senhora” a respeito de uma coisa qualquer que metia marés e petroleiros.

[Como diria o António Nobre: “Georges! anda ver meu país de Marinheiros, / O meu país das naus, de esquadras e de frotas!”] [Read more…]

Olhares sobre as legislativas 2015: estabilidade e voto útil

Alex Gozblau

alex

separador aventar
“Olhares sobre as legislativas 2015”  é uma série de perspectivas diferentes, políticas ou não, num espaço de temática marcadamente política. Escreva-nos.

Olhares sobre as legislativas 2015: O que as sondagens nos escondem

António Duarte

Para encontrarmos uma campanha eleitoral tão manipulada como a actual, teremos talvez de recuar até à recta final das presidenciais de 1980, marcadas pela morte trágica do primeiro-ministro Sá Carneiro três dias antes das eleições, quando a direita então no poder não se coibiu de transformar o funeral do seu líder numa indecorosa manifestação que prolongou a campanha pelo dia de reflexão: andaram durante cinco horas a passear o morto pelas ruas de Lisboa, com direito a transmissão televisiva, esperando obter com isso uma reviravolta eleitoral. Se era este o intuito, saiu gorado, pois Ramalho Eanes venceu contundentemente Soares Carneiro, o promitente corta-fitas escolhido à medida das ambições políticas de Sá Carneiro, com quase um milhão de votos de diferença.

[Read more…]

Olhares sobre as legislativas 2015: Uma história simples.

Luís M. Jorge

A menos que conquiste a maioria absoluta, o PS terá sempre uma derrota nas eleições de Domingo. Não causa surpresa que se tenha chegado até aqui. Primeiro o partido suportou Sócrates anos a fio sem oposição interna, excepto a trémula relutância de António José Seguro. A seguir à ruína, ao opróbrio e à ladroagem, o PS escolheu Seguro para tomar o lugar do animal feroz — mesmo sabendo que padecia de incapacidades cognitivas. Quando Portugal mais precisou de gente forte com ideias claras, viu subir ao escadote uma ave de capoeira que gritava monólogos interiores sem filtro e tirava selfies em parques de estacionamento desertos.

[Read more…]

Fraude na tracking poll

eu fui sondado

Pequena dimensão da amostra. Densidade populacional não considerada. Mas esta entrevista telefónica é surreal. Mau demais.

Leituras: Um guia para os perplexos

Excelente análise de Pedro Magalhães no seu Margens de Erro.

Olhares sobre as legislativas 2015: Factos notados

Sérgio de Almeida Correia

Quaisquer que sejam os resultados finais do apuramento que vier a ser feito no dia 4 de Outubro, há, todavia, dez factos que ficarão a assinalar estas eleições:

 

Primo: Nunca umas eleições foram tão marcadas pelo passado. Não pelo passado próximo, não pelos últimos quatro anos de governação da coligação PSD/CDS-PP, mas pela imagem que ficou do período entre 2005 e 2011. Essa foi a aposta dos incumbentes, esse foi o erro de quem deixou que a discussão sobre o futuro resvalasse para esse ponto.

Secundo: Nunca os emigrantes foram tão mal tratados pelo Governo. Gozados num pretenso programa de retorno à pátria, alvo da ofertas de folhetos promocionais de um licor por parte do secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, nas portagens de Vilar Formoso – como se já não houvesse mortes suficientes na estrada para que um membro do governo se associasse à promoção de uma bebida alcoólica junto dos automobilistas emigrantes -, e cerceados nos seus direitos de voto no círculo de Fora da Europa pela incompetência da máquina do MAI, com boletins de voto a chegarem na data de já estarem a caminho de Lisboa, as contas dos emigrantes ficaram baralhadas com o alargamento da base eleitoral. A solução foi evitar que os emigrantes votassem a tempo e horas e desvalorizar o seu voto.

[Read more…]

Dar certo, segundo Passos Coelho

dar certo segundo passos coelho

Lembrem-se disto quando os juros deixarem de ser tão baixos como actualmente. Esse dia chegará e com ele virá o 4º resgate.  Nessa altura, não sabemos que governo estará a ligar para a troika, mas foi o actual governo que deu o número de telefone. Escrito nas costas de uma factura de austeridade, sem outros resultados que não um país em pior estado do que aquele débil Portugal de 2011. Desculpem qualquercoisinha por estar a estragar a festa.

Sondagens: quando a bota não bate com a perdigota

É bem conhecida a tracking pool diária da TVI/PÚBLICO/TSF, da responsabilidade da Intercampus. Correspondem a 595 respostas (58.1% de respostas a 1025 entrevistas) obtidas por chamadas para telefone fixo (sim, parece que ainda há quem use telefone fixo). O resultado até ao momento é o seguinte:
tracking-pool-intercampus-27-set-2015

Boas notícias para a PAF, assim parece. Mas se olharmos para sondagem desta mesma empresa, com informação recolhida através de entrevista directa e pessoal, com base em questionário estruturado e elaborado pela Intercampus, utilizando a técnica de simulação de voto em urna e publicada a 8 de Julho, vemos que a pool diária em reflecte outras leituras: [Read more…]