Angola precisa de dinheiro

José Eduardo dos Santos, Angola's president, left, and daughter Isabel dos Santos in the second row

Segundo um estudo do banco africano Afrasia de Outubro passado, existem em África cerca de 163 mil milionários cujas fortunas, combinadas, ascendem a 670 mil milhões de euros. A fome, a miséria e as doenças que destroem a vida a milhões de africanos, quando não nascem, ao contrário do sol, não são para todos.

No ranking das cidades com maior número de magnatas, numa honrosa sexta posição, surge Luanda, morada de 4900 super-ricos. Só a fortuna da filha-pródiga do ditador local ascende a 3,4 mil milhões de euros. Uma grande empresária diz a senhora e o regime. Um produto da cleptocracia angolana diz a Forbes, esse pasquim da mais radical das extremas-esquerdas. [Read more…]

O primeiro empréstimo da troika está a correr muito bem. Venha o segundo.

O BCE está a ganhar 1% com o empréstimo. A banca nacional ganha 1% a 2%. Os credores ganham uns 7%.  É claro que o programa da troika é um sucesso – é só uma questão de perspectiva. [Read more…]

Ele disse mesmo isto?

Mas está tudo tolo ou o quê?

O Presidente da República disse mesmo isto?

“Eu não vejo razão para que não seja reduzida a comissão que é cobrada a Portugal pelos empréstimos” (…) “tal como não vejo razão para que não seja alargado o período de reembolso dos empréstimos do Fundo de Europeu de Estabilidade Financeira”

Ou o Ricardo tem razão ou então não se entende!

Ele está a dizer o que muita gente anda a dizer há meses: menos juros, mais tempo!

Confesso que estou surpreendido – alguém explica?

Uma boa altura para falar da independência da Madeira

Assembleia da Madeira autoriza empréstimo de 4108€ por habitante. Conforme convém, há conversa de separatismo ou de cobertura do estado.

Agora façam lá um vídeo para os ingleses

O vídeo What The Fins Need To Know About Portugal que o FMS aqui publicou é sem dúvida excelente. Sucede que além da Finlândia estar com pouca vontade de financiar os nossos banqueiros, agora temos a velha “aliada”:

O ministro das Finanças britânico, George Osborne, disse hoje que o Reino Unido está relutante quanto a ajudar financeiramente Portugal in Público

O político conservador afirmou mesmo que se o Reino Unido participar no resgate a Portugal será “a resmungar” já que nunca se comprometeu com essa ajuda. I

Querem um desenho?

Façam lá um vídeo para os ingleses, mas tirem aquela tolice de termos abolido a escravatura no séc. XVIII, na prática só o fizemos no séc. XIX e por pressão da Inglaterra que se tinha deixado dessas coisas.

Temos é uns números muito jeitosos de financiamento da Revolução Industrial britânica, em particular a curiosidade de em todo o séc. XVIII só num ano não ter havido mais navios ingleses do que portugueses nos nossos portos, fora o contrabando.

Mas a pérfida Albion quer lá saber da História. Já agora, àqueles que agora choram pela falta de solidariedade europeia, pergunto o que disseram quando contribuímos para o pacote de financiamento (na prática de enterramento, é certo) à Grécia. Estas coisas googlam-se, e têm por vezes muita piada.

Finalmente, uma linha de discurso no PSD

PPC veio com a linha de discurso ou nós ou eles. Na verdade, ele disse ou eles ou nós mas isto é apenas um detalhe. Por uma vez se vê uma argumentação que possa ser desenvolvida para pôr a descoberto os anos de governação que nos levaram à bancarrota. Sim, porque é disso que se trata neste empréstimo de 78 mil milhões de euros. 7800 euros a cada um de nós, seja bebé, seja moribundo. E atendendo a que apenas pagam impostos cerca de 3.5 milhões de portugueses isto dá hmmm é só fazer as contas.

O PEC 4 e os 80 mil milhões de euros a ele associados

O jornal i sumariza em 15 etapas o caminho que, de 11 de Março até à passada quarta-feira, nos levou ao FMI. Constata-se como a estratégia partidária esteve sempre à frente de tudo o resto. Sempre.

Queria indignar-me mas faltam-me as palavras. Resta-me a reconfirmada desilusão das jogadas para manter o poder.

Entretanto, desde ontem à noite, é conhecida a capa do SOL com um assunto bombástico:

Quando José Sócrates assinou em Bruxelas, no passado dia 11 de Março, o acordo com as medidas do PEC 4 ficou também estabelecido que a esse acordo se seguiria um pedido de ajuda externa a Portugal no valor de 80 mil milhões de euros, apurou o SOL junto de elementos da Comissão Europeia (CE) envolvidos nas negociações.

São 14 horas e não encontrei até ao momento uma única referência ao assunto em outro órgão de comunicação social. Nem a desmentir, nem a questionar, nem a confirmar. Não devo ter, certamente, procurado bem. Só pode.

 

Adenda [15h00]

Reacções:

Gracias (em homenagem aos que se seguem)

Sócrates AnjinhoO momento da encenação. Detalhe das preocupações de um homem prestes a dizer aos portugueses que vão de mal a pior. É de ver o vídeo do ensaio.

 

enrabados


Portugueses preparando-se para satisfazer as necessidades dos bancos nacionais.  Ao fundo o FEEF/FMI aproxima-se, ainda na fase de observação da capacidade intestinal das vítimas.

Até às eleições está garantido o uso de lubrificante, e em princípio de preservativo.  Continuem a votar PS/PSD, e podem ter a certeza absoluta que esses luxos acabam no dia seguinte.

O Aventar na alta finança!

A agiotagem espreita, eles sabem que no Aventar “pilim” é a única coisa que falta, o resto temos para dar e vender. E reparem no fino recorte técnico da proposta. Claro que para nós só  interessa a “faixa” dos 100 milhões…

Caro senhor / senhora,
Sou um emprestador de dinheiro registrado privado. Nós damos empréstimos para ajudar as pessoas,
empresas que necessitam de actualizar a sua situação financeira em todo o mundo, com muito.
As taxas de juro mínimo anual inferior a 3% numa 1 ano a 10 anos de reembolso.
Período de duração para qualquer parte do mundo. Damos a empréstimos no âmbito de faixa de 5.000 a 100 milhões de dólares. Nossos empréstimos são bem segurado para o máximo de segurança é nossa prioridade. Pessoa interessada deve entrar em contato conosco
via e-mail: ebenisloanfirm@gmail.com

Ainda vou penhorar o Partenon

foto-partenon

Não há como uns dias fora do país para, no regresso, me sentir privilegiado por viver num país rico. Não que tenha ido à Somália ou Etiópia, apenas porque no regresso descobri que Portugal é o 19º melhor país para se ser mãe. E descobri que, sem que alguém me perguntasse algo, vou emprestar 200 euros à Grécia.

Melhor, descobri que todos os portugueses, desde o António Mexia até ao mais simples receptor do rendimento de inserção, vão emprestar dinheiro, também 200 euros, à Grécia.

Dizem-me que, dentro de três anos, se correr bem, posso receber o dinheiro de volta e com juros. Aviso, pois, que quero mesmo receber esse rendimento do empréstimo. E aí da Grécia que não devolva a massa. Vou lá e penhoro o Partenon.

O dinheiro "emprestadado" do BPN

Há gente que é capaz de dizer tudo para agradar a quem lhe possa arranjar um lugar numa qualquer lista à Assembleia da República, ou um lugarzinho numa qualquer empresa pública.

 

A última que apareceu na "Jugular" e bem dissecada pelo " 5 dias", foi a delirante afirmação, que Louçã estaria a mentir quando disse em plena Assembleia da República que o montante  enterrado no BPN estaria perdido. Para os Jugulares isso não é verdade porque se trata de um empréstimo e como tal, recuperável..

 

Ora, como se sabe, o BPN vai ser vendido pelo seu valor de mercado, não pelo valor do dinheiro que o Estado lá meteu. E esse valor vai ser medido pelo valoe da sua rede de agências, único activo que interessa aos potenciais interessados.

 

Isso mesmo já foi dito pelo Dr. fernando Ulrich, presidente do BPI e um dos potenciais interessados. Ninguem dá um tostão furado pela marca do banco, pelo seu passado nebuloso, pelo presente instável e pelo nenhum futuro (Nicolau Santos- Expresso).

 

O Estado já lá meteu 3.5 mil milhões de euros e a insuficiência de capital ascende a 1.8 mil milhões de euros e mais não seria preciso para perceber que a nacionalização foi um erro clamororso.

 

A privatização vai mostrar que os prejuízos do Estado se contabilizarão por centenas de milhões de euros. O Presidente do banco Francisco Bandeira diz que " o meu papel é reduzir os custos do Estado, porque é óbvio que o Estado terá custos"

 

Só não vê isto quem não quer ver e segue a propaganda governamental. A mentira, repetida mil vezes, torna-se verdade!

 

Mas com números é mais dificil!