Cosmética na Imigração

Limite de vistos sem efeito prático. Desde 2004 que não é alcançado. Em vez dos 8 600 postos de trabalho disponíveis em 2008, para este ano o Governo ficou-se pelos 3 800. Mas nem estes vão ser necessários.
A verdade é que o nosso país deixou de ser simpático para os estrangeiros extracomunitários. Portugal não cresce, a actividade económica tem vindo a perder gás e há países recentes na UE que já nos ultrapassaram! Mas fica sempre bem a ideia de que Portugal é um país procurado, recebe imigrantes, tem postos de trabalho para serem ocupados, somos um país decente, não fechamos as portas a ninguém, não nos esquecemos dos nossos compatriotas que demandaram a Europa nos anos 60.
Claro que estas quotas são flexíveis, se os empresários precisarem de mão de obra, sempre se podem modificar. O Governo diz que não, a mensagem é que somos um país aberto à verdade do mercado, não somos um país de portas abertas sem restrições.
Bem, resta-nos como consolação a Itália de Berlusconi que já tentou colocar em Lei a obrigação dos funcionários públicos denunciar os clandestinos. Não somos os últimos na xenofobia que a crise descobre!

Comments


  1. De facto nem era preciso ir tão longe. Há países mais interessantes para os imigrantes de fora da UE, com a eventual excepção dos brasileiros. Aliás, já nem os chineses querem vir para cá, como há dias revelava o i.

Deixar uma resposta