O "abraço" de Menezes

Já teve as oportunidades todas vá lá saber-se as razões. Como secretário-geral, um desastre absoluto, aguentou um par de meses.
Não lhe chega a Presidência da Câmara de uma das maiores cidades do país. Pega-se com o colega da cidade do outro lado do Rio. Odeia o Rio que o separa e mais ainda a ponte que os une.
Mas nunca tem culpa de nada. Qual “calimero” passa a vida a chorar. Sempre de mal consigo e com os outros, incapaz de um momento de lúcidez que o leve a apoiar quem já fez muito mais do que ele.
Lá esteve a fazer o número para as camaras, o apoio sem entusiasmo, logo seguido do abandono puro e simples do candidato do seu partido.
Com um ego do tamanho dos armazéns do vinho do Porto que ,placidamente, se encostam ao rio, e que afinal são de Gaia, este homem não perde uma oportunidade de dizer mal, de querer mal.
O PSD deu-lhe tudo, o que foi uma pena, porque se perdeu um pediatra e não se ganhou nada, ou antes, ganhou-se um político em tudo igual aos outros.
Mas vai continuar a chorar, atirar as culpas para cima de tudo e de todos,
como se o partido tudo lhe deva e ele nada deva ao PSD.
A ingratidão é um sentimento muito feio!

Comments

  1. Kafka says:

    No alvo.Só que tive sempre muitas dúvidas nas “qualidades” de um médico como político

  2. dalby says:

    Dizem por aí, um pouco assustadamente, que ele sofre por ser «BIPOLAR», mas penso que isso é uma doença normal, como outra qualquer, por isso não é por aí que deve perder eleições. Seria perigoso o Menezes sair por isso. Todo o comportamento dele a isso leva a crer. Não gosto dele, é um exemplo pessimo, e nada fez MESMO ,e a sério ,por esta câmara. De qualquer modo, eu não faria melhor! e também tenho algo de «polar» tripolar! Por isso o compreendo, mas NÃO SOU PRESIDENTE!Só isto.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.