Grandes expectativas

A direcção da Associação Nacional dos Empreiteiros de Obras Públicas (ANEOP) acha que as suas associadas, grandes construtoras nacionais, poderão exigir indemnizações ao Estado “se houver um retrocesso nas grandes obras públicas já definidas pelo actual Governo, nomeadamente o novo aeroporto de Lisboa e a alta velocidade ferroviária”.

Isto é, embora não houvesse qualquer adjudicação, um grupo de empresas, que não sabiam se seriam ou não adjudicatárias, admitem pedir indemnizações por algo que não sabiam se teriam direito. Para o caso de não terem entendido, aqui vai: querem ser compensadas por algo que nunca tiveram, mas apenas a expectativa de ter.

Por exemplo, eu tenho a expectativa de ser beneficiado por um apoio do QREN. Não interessa em que programa, escolham um por mim. Como começo a perceber que não vou receber a massa, comunico já que pedirei uma indemnização.

Eles, as empresas, fizeram investimentos a pensar nas adjudicações que não sabiam se iram ter. Eu também fiz esses investimentos. Por exemplo, comprei uma camisa de marca a pensar em me apresentar melhor quando fosse receber o dinheiro. Aliás, quantos milhares de portugueses não o fizeram?

A expectativa era grande, compreende-se. Tinham sido feitas grandes promessas, apresentadas obras de vulto, que agora não avançam. Pelo menos para já. A ANEOP ficou incomodada, claro. É como estar à espera do ovo no rabiosque da galinha mas esta não o liberta. Não há omeletas, ovos mexidos ou escalfados, nem nada que se pareça.

Eu, pela parte que me toca, estou desolado. Não sei o que fazer à camisa.

Comments

  1. Luis Moreira says:

    Continua a haver obras, de reabilitação urbana, barragens, ferroviárias de mercadorias, hospitais, escolas… não são é bife do lombo!Esta promiscuidade entre o Estado e os grupos económicos vem de Salazar…

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.