ninguém toca na minha mulher. eu preciso dela como ela de mim

eu precisso dela como ela de mim

Para nossa desgraça, hoje de manhã, enquanto tratava de cumprir os meus deveres com Aventar, a irmã de uma amiga de minha mulher foi assassinada. Não sabemos nem o motivo, nem o nome nem esse porquê necessário para entender a nossa vida. Apenas sabemos que ela colaborava comigo para Aventar, a presa, para sermos capazes de entregar um texto solicitado para hoje antes do meio-dia. Era impossível cumprir o pedido. Como é natural, Maria da Graça que sabe ironizar bem, perguntou-se com tristeza: como é que as mulheres não se sabem defender? Ripostei: nem todas, mas há muitas, como escrevi no texto que reproduzo cá para não esquecer

Mulher a crescer, machismo a tremer…

Mulher a crescer? Essa, é por acaso uma entidade adulta? Sabe ser pessoa? Ou é apenas um manequim… para nos seduzir tirar o melhor de nós.

Sim senhor, mulher a crescer desde o minuto que começou a entender que sem o seu contributo económico, a casa, o lar e as crianças, não conseguiam serem sustentadas apenas com o trabalho ou contributo de um dos membros do lar: largamente o masculino. O masculino mais adulto, o masculino mais velho. Trabalho produtivo, porém, criado para uma mentalidade específica, a mentalidade que sabe comandar e tem tido autoridade ao longo de milénios.
A nossa cultura greco-judaica, cristã ou não, escolheu a mulher para ser um troço da economia reprodutiva de seres humanos. Seres humanos a serem dados à luz, como Teresa Joaquim debate em 1983 e dedilha de forma mais aprofundada em 1997, como Berta Nunes analisa em 1997 e Lígia Amâncio distingue em 1994. Formas de trabalho que coagem a mulher para um canto da casa, tal e qual comentam Pierre Bourdieu em 1998, e  Aristóteles entendia que todo ser penetrado não tinha direito a voz, fosse masculino ou feminino.

A mulher, esse ser, destinada à penetração de forma concebida pela fisiologia que nos governa, tem continuado a existir relegada ao domínio do doméstico. Quer nos factos, quer no pensamento social. Prova é, não apenas o quotidiano das pessoas no Ocidente, bem como as estatísticas a dizerem a primeira mulher Primeiro-ministro da Inglaterra, a primeira mulher Presidente duma República da Europa, na Irlanda e outros casos, como Michele Bahhelet no Chile e Violeta Chamorro na Nicarágua. Como nas Presidências dos Bancos, das indústrias, das Reitorias das Universidades, na direcção dos hospitais, na gestão dos trabalhos da terra. Como Madame Curie, vestida de homem para assistir à Universidade, a perder o seu nome pelo casamento. Como as mulheres todas a lutarem pela igualdade com o homem, a começar pelas que reclamavam o direito a voto. Mulheres a invocar a declaração de princípios da Independência dos U.S.A, escrita por Benjamim Franklin (1775): Todos os seres humanos nascem livres e iguais Mulher a orientar o lar a partir da lei do divórcio. Casos históricos e públicos. Os mais cobiçados pelas pessoas que gostam do poder para controlar o que entendem, entendam ou não; os mais desprezados pelas pessoas que procuram entender que a legitimidade da autoridade está no entender com amor e sem poder…

Mulher a crescer, porém, entre duas formas de perceber a feminilidade: o pensamento social patriarcal, o pensamento social feminista. Feminismo construído como movimento, feminismo fabricado pela economia que nos governa desde 1979, essa de Milton e Rose Marie Friedman e os seus discípulos da escola de Chicago. Escola de Chicago estendida pela Europa, pela África, pela América Latina, especialmente pela União Europeia a concorrer com a união mais poderosa do mundo, os Estados Unidos de América.

Mulher que cresce, queira, saiba ou não, dentro do pensamento de até faz pouco, masculino apenas, do tecido social que fabricamos. Mulher a crescer e deitar culpas ao homem que a enclausurou, fêmea que foi definida como uma reprodutora do seu homem e das crianças. Mulher que cresce sem o norte milenário do pensamento masculino, introduzido no seu pensar faz trinta anos, ou mais. Fêmea a pensar que não tem tido outra prática que a de orientar o lar portas adentro. O homem, a governar de portas afora.

Fêmea obrigada a crescer a presa, ao som da economia que faz dançar aos acordes, da conta bancária, dos juros, do carro a comprar, das jóias a exibir caso for preciso, do preço do dinheiro, do valor do que sabe fazer e que aprendeu, de forma nova, dentro do seu grupo social. Mulher masculinizada em esta gestão a concorrer com as ideias patriarcais que agora também possui. Ideias a bater na antiga forma patriarcal Ocidental e Oriental.

Mulheres a crescerem e mudarem de forma e maneira, que nós homens, e várias mulheres ainda, acabam por não serem entendidas como merecem.

Nem eu, que tenho observado o caso e estudado com as já citadas autoras. Que, como pai e marido eu próprio, ficara sempre imbricado no meu entender cultural da vida, traído pela educação a nós transferida desde a infância. A nós. Os de todos os sexos e orientações. Filiação a dar origem a uma infância que percebe melhor por não ser geração de transição, como a nossa.

3. Machismo a tremer.

Um conceito delicado, este de machismo usado neste texto.

Machismo é um sentimento que gosto definir como o de mandar nas emoções da pessoa que se penetra, seja física, seja idealmente. Com o corpo ou com as ideias. Sentimento de dominação do espaço social e dos afazeres. Comando sobre a lei costumeira e a lei positiva. Sentimento necessário, como o etnocentrismo, de pensar que somos os melhores, os que mais sabemos, os que entendemos o contexto e o definimos.

Machismo, conceito aplicável a toda idade e toda relação entre seres humanos, quando há um que diz e ao outro toca ver, ouvir e calar.

O machismo que treme, porém, não é o masculino do homem. É o masculino da economia que nos vê agir e nos manda comportar.

Os homens, habituados à forma patriarcal do comportamento social, ficam perdidos. Bem gostam de serem gentis e sedutores, oferecerem flores e carícias, visitarem, convidarem, apalparem…

A resistência é dura. A sedução é um comportamento distribuído de forma igual entre as pessoas. Até é difícil, num texto como este ou noutros semelhantes que tenho escrito, diferenciar entre homem e mulher. Entre heterossexual, bissexual, andrógino e outras classificações semelhantes.

A partir de Sábado 16 de Setembro deste ano de 2000, no dia que a Holanda aprovou a lei de matrimónio entre pessoas do mesmo sexo, lei justa e largamente esperada por tantos e em tantos países, como invoca o jornal que a anuncia – o machismo deixou de ser o privilégio dum sexo para passar a ser um conceito passível de ser aplicado a todos os que, na relação emotiva, comandam sem autoridade e com força subversiva.

Este é o machismo que levou muitos seres masculinos a perderem as pessoas femininas das suas vidas, por não terem entendido a liberdade real que essa pessoa companheira, merecia.

Pessoa companheira, a não entender essa liberdade; pessoa que deixa de ser companheira ao sentir que a sua liberdade não é que lhe esteja fechada: é que a não entende. Não entende como ser utilizada. Não entende como acompanhar e completar o outro ser que, no seu ver, a limita, a fecha, parece ser abandonada em casa.

A viver essas horas mortas de criar uma pequenada que mama, come, chora, procurar meios para explorar a vida. Meios que apenas encontra no adulto que fica com essa criança, em casa. Seja uma ela ou um ele; seja uma mãe, um pai; Sejam duas mães, dois pais, avôs, uma empregada ou nana.

O machismo está a tremer e nós, a ficarmos sós, desamparados.

O sentimento social mudou e nós, adultos de hoje, criados na infância de ontem, não sabemos qual o modelo para nos orientarmos ou para dar apoio à geração seguinte, essa que pede conselho.

Quem deve saber defender-se, é a mulher. Assassinar uma mulher que aprende a emitir a sua opinião, trabalha, é autónoma, é livre, apenas tem um punição: a pena de morte

Será preciso reler Tomás de Aquino, Adam Smith , Milton Friedman? Autores por tantos ignorados e, no entanto, por todos praticados, saibam ou não neste fatimizado povo de Portugal, que apenas sabe rezar, entra facilmente em crises e não admite às mulheres em postos de mando…

Aprenda, senhora, defenda-se, diga o que pensa e comece a agir como deve, sem medo ao mundo, e a nós, homens….

Comments

  1. graça dias says:

    parabéns prof por mais um texto lúcido. Em resumo o prof diz tudo em apenas um frase ” APRENDA , SENHORA, DEFENDA-SE, DIGA O QUE PENSA E COMECE A AGIR COMO DEVE, SEM MEDO AO MUNDO, E A NÓS HOMENS…” Obrigada, isto custa muito a muitos homens, até aqueles que tem cursos superiores.


    • Querida Graça Dias, fico envergonhado pelas suas palavras simpáticas e corteses, as suas frases curtas, esse descobrir no meio de um texto tão cumprido, A FRASE síntesis, que parece dizer todo. Não conhecia esta senhora, a minha mulher também não, mas a intolerância a deixou triste e essa tristeza revoltou-me e escrevi o texto. O que tem valor são as palavras…
      Raúl Iturra
      lautaro@netcabo.pt

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.