A máfia bancária e o fim do verde – código – verde – ACTUALIZAÇÃO

terminal MB

Imagem: SIBS

O post “A máfia bancária e o fim do verde – código – verde“, saído há dias, causou algum burburinho. Houve, até, quem reprovasse o tom panfletário. Terão as suas razões. Contudo, por coincidência ou não, a SIBS acabou por emitir um comunicado a esclarecer o contexto dos novos terminais de pagamento, algo que deveria ter feito antes destes chegarem ao mercado. Ou talvez o tenha feito, mas algo tenha falhado na comunicação.

O interessante deste comunicado é que procura deixar claro que o “cliente pode continuar a fazer o pagamento através do ‘verde, código, verde’ a que está habituado, não havendo qualquer implicação no seu pagamento.” Acontece que a questão nunca foi quanto aos custos para o cliente, mas sim para o comerciante. É pena que não tenha aproveitado para esclarecer quanto a este aspecto. [Read more…]

Muito @ctual

picasso

© succession Picasso 2014 La Guerre (http://bit.ly/28KrnqB) & La Paix http://bit.ly/28JCm5j)

Peut-être sais-je jusqu’où je peux aller trop loin. Mais c’est un sens de la mesure. Je le possède peu fort.

— Jean Cocteau, “La difficulté d’être

***

Diário @tual. Exactamente: @tual. Se fizermos uma analogia com ‘actual‘ → ‘atual‘, então, segundo a base IV do AO90, a grafia ‘@ctual‘ será efectivamente substituída por ‘@tual‘. Sem cê, obviamente. O cê, esse obstáculo, esse empecilho. Uma chatice, diria o Ary. “That no good. Ugh”, na versão do Ginsberg. Pois. E ‘contactar’? E ‘contacto’?  [Read more…]

Braga, uma cidade sem árvores

 

braga_cidade_sem_arvoresNão há memória na cabeça das pessoas, nem registo na movimentadíssima página do vereador do Ambiente de Braga – Altino Bessa, – que em Braga se plantem ou tenham plantado árvores nos últimos anos. Nem uma, reza a lenda. Nada que se veja, pelo menos.

Na cidade betonada, alcatroada e impermeabilizada que Braga é não se constrói um jardim desde pelo menos os anos 70. Obviamente, nesta conta não entram os metros quadrados de relva dentro das múltiplas e fantásticas rotundas rodoviárias. Espectacular.
Portanto, árvores são cada vez menos.
E por estes dias foram cortadas mais duas para dar lugar a um painel publicitário.
Querem lá ver que o painel até está legal?

Adenda: Ricardo Rio, presidente da CM Braga, esclarece-me que:
– as árvores em causa estavam a rebentar com os passeios e a gerar inúmeras queixas;
– em Setembro/Outubro serão colocadas novas árvores sem este problema, numa linha mais interior;
– as obras de reparação dos passeios foram suportadas pelas operadoras de publicidade, para além das taxas inerentes.

Foto daqui, via Fórum Cidadania Braga.

 

Eléctrico de Sintra

eléctrico

© C.M. Sintra (http://bit.ly/28M7IMT)

Hoje, ficámos a saber que o «novo horário de verão do eléctrico de Sintra entra vigor [sic] a 22 de junho e estará em funcionamento até 4 de setembro».

Exactamente: o eléctrico. Acordo Ortográfico de quê e de quando? Efectivamente.

eléctrico2

O esgoto jornalístico e a hipocrisia do velho regime

OP

A “liberdade de expressão e de imprensa”, na concepção da Direita e dos jornais que apoiam as causas de Direita, funciona assim:
– Se vários jornais, incluindo jornais de referência, como o Público, mentem nos artigos, manipulam os números nos artigos, ou usam subterfúgios semânticos desonestos nos artigos para corroborar a tese que eles próprios subscrevem, trata-se de um saudável exercício de liberdade de expressão e de imprensa.

– Se cidadãos, com ou sem filiação política, exigem a correcção dos erros e mentiras dos artigos e reivindicam a objectividade e isenção que deontologicamente deveriam pautar a actividade jornalística, já não se trata de liberdade de expressão e de imprensa, já passa para o campo dos safados da Esquerda que, alegadamente, lidam mal com a liberdade de imprensa.

É curioso, mas, objectivamente, chegámos mesmo ao distópico e paradoxal momento da história em que exigir rigor e isenção jornalística é classificado como censura e opressão aos jornais.
Vivemos num momento em que a desinformação do esgoto jornalístico, que é o Correio da Manhã, consegue ser o projecto jornalístico com maior exposição do país e em que o folhetim da extrema-Direita, o Observador, habitualmente troca de directores, jornalistas e opinadores com estações públicas e privadas de notícias. E, no entanto, se alguém de Esquerda ousa questionar esta esmagadora predominância da Direita na comunicação social, os spin doctors do costume invertem o problema e dizem que a Esquerda tem um problema com a liberdade de expressão e de imprensa. E há malta que cai mesmo nesta nova caça às bruxas, numa espécie de Macartismo renascido.
Irónico, não é?

Irónico e simples de perceber, não é?

Via Uma Página Numa Rede Social.

Pela Escola Pública

manifesto pela escola pública

Enquanto membros da comunidade educativa e autores de diversos blogues de educação, temos opiniões livres e diversificadas. Porém a Escola Pública sendo um pilar social, merece o nosso esforço para nos unirmos no essencial. Este manifesto é uma tomada de posição pela valorização e defesa da Escola Pública.

Constituição da República Portuguesa explicita o quadro de princípios em que o Estado, como detentor do poder que advém dos cidadãos, tem de actuar em matéria educativa. O desinvestimento verificado nos últimos anos, bem como a deriva de políticas educativas, em matérias como a gestão de recursos humanos ou a organização e funcionamento das escolas e agrupamentos, tem ameaçado seriamente a qualidade de resposta da Escola Pública.

Importa por isso centrar o debate público nos seus fundamentos: [Read more…]

O Público caiu na ratoeira dos números

2016-06-21 editorial público

A reportagem do Público sobre a manifestação de apoio à escola pública é um exemplo de jornalismo errado por vários motivos. Alguns já foram apontados aqui no Aventar. Um outro, o facto de os líderes do BE e do PCP não terem estado em palco a discursar, conforme notificado, foi corrigido na reportagem.

Entretanto, a Direcção Editorial do Público fez sair um artigo em defesa da referida reportagem, mas já lá iremos. Primeiro, vamos ver como foi a primeira versão da notícia em causa: [Read more…]