Maria, entre o despejo e a morte, escolheu a morte

Rita Silva

A 6 de Março Maria suicidou-se. Dia em que iria ser despejada por prestações em atraso ao banco, agentes de execução de uma ordem de despejo e militares da GNR encontraram-na em casa sem vida…

O que enfrentava Maria, será sempre difícil de saber, mas podemos, pelo menos, tentar avaliar algumas questões, duríssimas, que se colocam perante uma situação tão violenta como esta.

O sentimento de culpa de quem contraiu uma dívida e não a paga. Responsabilizada por ter contraído um crédito e parecer que é uma escolha sua comprar casa – apesar de toda a política ter direcionado, senão obrigado, as pessoas a fazê-lo, pois o arrendamento não era (nem é) alternativa. Ter assinado um contrato que atribui toda a responsabilidade a quem o assinou (e aos fiadores, muitas vezes familiares, com tudo o que isso implica). Não honrar o pagamento de um crédito é motivo de censura, mesmo que o que se ganha deixe de ser suficiente para pagar. Quem não pague as suas dívidas é culpado, assim prevê a sociedade disciplinadora da dívida, por onde tudo hoje passa. [Read more…]

Admirável mundo novo

_86655692_lyingincoffins

Na Coreia do Sul, de acordo com uma reportagem da BBC, algumas empresas propõem aos seus funcionários a simulação do seu próprio funeral. A ideia pretende ser, digamos assim, generosa: ajudar os empregados a gerir o stress provocado por uma sociedade altamente competitiva e com uma das maiores taxas de suicídio do mundo, de modo a reconciliá-los com a vida, torná-los mais equilibrados e… produtivos.

O enredo desta iniciativa assenta num ritual que tem tanto de macabro como de pueril: depois de confrontarem os voluntários com vídeos que realçam a forma positiva como certas pessoas reagem a problemas muito mais graves – pessoas com cancro terminal gozando a última réstia de vida, pessoas sem membros aprendendo a nadar… -, é-lhes pedido que redijam, perante um caixão aberto, uma carta de despedida para os seus entes queridos. Terminada a tarefa, entre soluços, prantos e outras pieguices, são convidados a entrar no féretro, que será encerrado durante 10 minutos, o suficiente para se confrontarem com o sentido da vida.

Afirma um dos adeptos do método, presidente de uma firma de – é isso mesmo – recursos humanos, que “a experiência de entrar num caixão é tão chocante que lhes pode provocar um reset às suas mentes, permitindo-lhes reconfigurar totalmente as suas atitudes”.

[Read more…]

“A dignidade dos portugueses não foi beliscada”

Um em cada cinco suicídios tem a ver com o desemprego”.

Fundamentalismos católicos apostólicos romanos

Hopkins

(Imagem: Anthony Hopkins, padre exorcista em O Ritual)

Em Valladolid, uma adolescente de 16 anos com problemas de ansiedade e transtorno alimentar foi submetida a 13 exorcismos a pedido dos próprios pais, pedido rapidamente atendido pelo arcebispado que remeteu o caso para o único exorcista autorizado a levar a cabo estes estranhos e anedóticos rituais. Pelo caminho, a jovem submetida a esta prática paranóica e absurda tentou o suicídio. Várias vezes.

[Read more…]

O Suicídio

suicidio-pontes-portoA sociedade aprende o quê com isto?

Suicídio na alta finança

Uma prática em expansão nas duas últimas semanas.

Conjugação do verbo Suicidar-se

suicídio

Eu,  pedro passsos coelho, suicido-te

Tu, aníbal silva, suicida-lo

Ele, josé socrates, suicida-te

Ela, paula teixeira da cruz, suicida-te

Nós, governantes corruptos de qualquer cor, suicidamo-vos

Vós, banqueiros gordos e desonestos, suicidais-nos

ELES, povo reles que fede a pobre, suicidam-se

ELAS, mulheres inúteis que fedem a miséria, suicidam-se

ELES e ELAS, crianças indefesas que fedem a falta de futuro, suicidam-se às mãos de progenitores desesperados

Tenham vergonha na cara! Deixem de matar inocentes! O vosso nome ficará para sempre associado a todos os nossos que cairam por não haver quem lhes desse a mão, por não verem uma nesga de luz ao fundo do túnel, por estarem irremediavelmente desesperados.

Chora, Portugal, o luto que te consome diariamente pela perda destes filhos tão desgraçadamente desaparecidos.

Anacleto Ribeiro não aguentou

Há muitas formas de não aguentar. Anacleto Ribeiro não aguentou o desemprego, a falta de moedas para as gomas do filho doente, e escolheu a pior forma de não aguentar: fugiu com ele para a morte.

Outros têm seguido essa fuga: cada vez mais, por muito que pela válida razão de evitar o contágio tal não seja noticiado.

Mais tarde ou mais cedo alguém  tentará partir com outra companhia, a de um de tantos culpados. Nada resolve.

Há outras formas de não aguentar. Há aquela que vingará o Tiago e o Anacleto Ribeiro: demitir os mentirosos que se instalaram no governo e enrolados na própria incompetência e estupidez andam a bater recordes velhos de 38 anos. Com a grande diferença de que em 1975 se recuperavam 48 anos perdidos, séculos de redução de um povo à miséria. Agora, muito simplesmente, arrasa-se Portugal.

Os direitos conquistam-se, perdem-se, recuperam-se. É da História. A morte dos que não aguentam, essa, é um caminho sem retorno. Por isso quem com ferros mata pode ter a certeza que desta vez com ferros morre. Mais tarde ou mais cedo, às mãos de um povo.

E Tu, Já Fantasiaste Suicidar-te?

Querer morrer às próprias mão pode, em muitos casos, ter dentro também qualquer coisa de misteriosamente vaidoso e imaturo, golpe dado na passiva a quem pelo menos algum amor e zelo nutriu por nós e não ficará indiferente ao como acabamos. Não podemos julgar. Só compreender.

Algures na minha pré-adolescência, entre os meus intensos e apaixonados treinos de Ginástica Desportiva e de Karaté-Do, ficava-me um vazio social, uma anómala solidão: na escola e nos treinos separava-me deliberadamente dos meus colegas. Ficava metido comigo mesmo, convencido da excelência dos meus desempenhos, zelando pelo imaculado perfeccionismo da minha entrega física, para não falar no facto de a minha linguagem nada ter de chula como a da maior parte deles, no meu intolerante juízo. Não podia permitir que me contaminassem de prosaico e baixas expectativas. Tinha o exclusivo dos duplos mortais. Com dez, onze, doze anos, vivia na ilusão de atingir a perfeição moral e atlética através de uma feroz auto-disciplina. [Read more…]

Despejados da vida

Três casos em três semanas.

Amaya, 53 anos, atirou-se de um quarto andar de que ia ser despejada (País Basco).

José Miguel, 53 anos, foi encontrado morto no pátio do edifício onde residia (Granada). Pouco depois, lê-se no PÚBLICO de hoje, chegaram os agentes que iam despejá-lo.

Foi preciso ter acontecido mais um suicídio na Espanha para que o Governo espanhol acelerasse a mudança de lei que pode aumentar o período em que as pessoas em situação difícil não tenham de pagar a prestação.

A Espanha está aqui ao lado… São nossos vizinhos.

A nossa situação não é muito diferente da deles. Esperemos que o nosso Governo esteja atento… e que não actue quando fôr tarde demais.

P.S.- ser despejado de nossa casa, não é ser despojado da nossa vida (toda ou quase toda)? Boa ou má, é a nossa casa, é a nossa vida.

Uma vida curta demais

Este é o título da biografia do guarda-redes alemão Robert Enke, escrita pelo jornalista Ronald Reng e publicada agora em Portugal pela Lua de Papel. Passam agora três anos da sua morte. Todos conhecem o seu fim: sucumbiu a uma profunda depressão.

“Enke, diz Reng, gostaria de ser lembrado como alguém que se debateu com uma doença. Significaria muito para ele que as pessoas soubessem que era preocupado com os outros e um guarda-redes fantástico. E que percebessem que não se matou conscientemente, mas que foi a doença que o levou a esse acto.” (PÚBLICO, 6/11)

Aquela depressão teve como uma das causas ou a sua principal causa, a morte da filha de dois anos, Lara, em 2006. Uma vida curta demais refere-se, obviamente a Enke, mas a vida de Lara também o foi em demasia e Enke, como qualquer pai, não compreende nem aceita.

Mas foi também a pressão do futebol: “para Robert era muito difícil aprender a lidar com os erros”.

Que nos sirva de lição, a todos, este caso triste do futebol profissional:  “a carreira não é a vida. Há outras coisas além disso.”

Suicídios

Um farmacêutico grego de 77 anos deu um tiro na cabeça: preferiu morrer a ter de procurar comida no lixo.

No mês passado, um homem de 60 anos e a mãe atiraram-se da janela de um sexto andar em Atenas. Não conseguiam sobreviver com os 340 euros da reforma dela, única fonte de rendimento.

Estes são apenas dois casos…

O que estão os Governos a fazer na prevenção destas situações? Não se protegem os idosos. Não se pensa nas crianças. Eles não constam dos discursos políticos. Estes casos não os preocupam. Nunca ouvi nenhum político referir-se a este problema nem a lamentar-se, sequer («coisa pouca, irrelevante, não é motivo para alarme», pensam logo dizem). É preciso agir, urgentemente!!

Foi na Grécia, mas em Portugal a crise económica também já está a fazer das suas, pela calada, em silêncio. Nem imaginamos o que por aí anda e bem perto…

Há gente a sofrer porque não tem dinheiro nem emprego, ano após ano. Os problemas aumentam na casa dos gregos e dos portugueses. Há famílias ameaçadas. O divórcio também é uma consequência da crise, para além do suicídio.

Isto é que é importante resolver, assim como ajudar, educar, preparar as pessoas para enfrentar problemas desta natureza. Há tantos cursos e cursinhos e acções de formação que só servem para encher pneus. Ninguém está preparado para o pior. Ninguém nos ensinou e continuamos a não estar capazes nem a preparar para a vida, enquanto pais e professores.

Somos todos gregos

Um buraco gigantesco

Deve estar lembrado(a) do gigantesco buraco que se abriu na Cidade de Guatemala há quase dois anos. As àguas diluviais que acompanharam a tempestade tropical abriram aquele buraco descomunal no centro da capital daquele país. As dimensões, 60 metros de profundidade e 21,54 diâmetro, foram suficientes para engolir edifícios.

Mas há outros buracos… Aqueles que engolem serem humanos, aqueles onde por vezes caímos e são abertos por maus políticos, más políticas, má gestão, o que vai dar ao mesmo… (lembro-me da vaga de suicídios na France Telecom há dois anos).

Na quarta-feira passada, um senhor grego de 77 anos suicidou-se com um tiro em frente ao Parlamento. Descobriu-se uma carta deste homem onde acusa o Governo de, “com tantos cortes, ter praticamente reduzido a zero a sua reforma”. O número de suicídios tem aumentado na Grécia à “medida que têm sido impostas as medidas de austeridade” (Expresso, 6 de abril). [Read more…]

Coincidência do carago!

Deixem-nos Ser Professores, imagem de uma das manifestações de ProfessoresAqui no Porto, a semântica do título seria diferente, mas atendendo ao bom nome da casa  vamos adoptar uma referência mais simpática: CARAGO!

Que a vida nas escolas está longe de ser brilhante, todos o sabiam. Que se transformaram, muito depressa, em espaços de solidão onde os professores não vivem. Sobrevivem apenas no meio de tarefas sem sentido e no meio de gente que não quer saber, nem quer aprender…

São coincidências do carago ou talvez não, mas se eu fosse Professor de Biologia mudava de grupo

Na altura própria

adão cruz

João era agora um homem velho, em paz consigo e com o mundo. Tinha um objectivo e uma ambição, suicidar-se na altura própria. Nem antes nem depois. Não queria morrer ao acaso. Não queria morrer na incerteza com que nasceu. A sua grande angústia residia no medo de não vir a reconhecer a altura própria. Ambicionava o momento exacto, e para tal se ia preparando, criando dia a dia uma espécie de protocolo que o encaminhasse progressivamente para o momento certo. [Read more…]

Provado suicídio do Presidente Salvador Allende

bombardeo-a-la-moneda.jpg

Morávamos na 6ª Carlton Terrace, em frente a Holyrood Palace, a casa da Rainha Mary Stuart, mais tarde da Monarquia Britânica. Tinha, entre 200, ganho o terceiro lugar para acabar os meus estudos de pós graduação em Antropologia e Ciências da Educação. Éramos a minha mulher, a nossa única filha Paula, hoje psicanalista, e, por parto, os nossos amigos argentinos, a família Gaudio, Ricardo e Sida e o seu filho Santiago. [Read more…]

Suicídio profissionalmente assistido

Tive o cuidado de escrever que  “aturar uma turma destas terá sido um dos motivos porque se suicidou um professor“, referindo-me a um caso recente, escondido durante um mês, por motivos que também gostava de entender.

É sabido que o professor deixou mensagens nesse sentido, mas é uma rematada patetice achar que um suicídio tem uma e só uma causa.

Daí a chegar a isto, como chega Ana Matos Pires:

Donde não se poder dizer, ‘aprioristicamente’ e sem outro tipo de investigação, que este professor escolheu suicidar-se a ir dar aulas ao 9º B ou que se atirou ao rio para não enfrentar os alunos, é errado e grave, sendo imprevisíveis as consequências deste tipo de afirmações.

é chegar ao extremo oposto. Faça-se a autópsia psicológica, num caso que bem o justifica, mas não se negue uma evidência: o homem deixou escrito que não aguentava o sofrimento a que estava sujeito no seu local de trabalho. Ponto final, parágrafo.

Quanto ao tal de bulingue, que já não é um conceito mas um chavão, estou com o Manuel Louzã Henriques. E farto da palavra.

Faltam 419 dias para o Fim do Mundo

O Congresso do PSD terminou à Lei da….Rolha. Um magnífico presente ao PS e a Sócrates. Nem encomendado

Entretanto desapareceu mais um processo ligado ao PM, nada que nos espante. O crescimento do suicídio em Portugal é um sinal, um grave sinal do estado de espírito dos portugueses. Mas as vitórias do benfas podem sempre ser motivo de alegria para os 6 milhões (quantos???)…

Agora a sério: é chocante ler esta notícia da morte de uma jovem de 20 anos que, na brincadeira, atirou a sua moto 4 contra um pinheiro. Eu sou um adepto e praticante de todo terreno, gosto igualmente de andar de moto 4 e tenho pena de não ter uma. Estou farto de avisar amigos e conhecidos dos perigos deste tipo de veículo, um perigo que deriva do facto de se pensar que as quatro rodas a tornam menos perigosa que uma mota normal. Não é verdade, bem pelo contrário, até pelo excesso de confiança. Mais uma vida que se perde, uma jovem de 20 anos…

Os alunos mataram o professor de Música. Coitadinhos dos alunos

As declarações do Director-Regional da Educação de Lisboa à saída da Escola de Fitares são o retrato ideal das razões do estado actual da educação em Portugal: o professor era frágil emocionalmente, tinha problemas, mas os alunos, que até são bons alunos, têm de ser protegidos, coitadinhos, que é para não se sentirem culpados. De resto, já estão psicólogos a tratar do assunto. Quanto ao professor, parece que no seu estado actual não precisará muito de psicólogos.
Deu nisto a política educativa de Maria de Lurdes Rodrigues, que neste momento tem as mãos sujas de sangue. Não devia conseguir dormir de noite até ao fim dos seus dias. Um conjunto de medidas e de discursos, ao longo dos anos, que só tiveram como objectivo denegrir a classe dos professores junto da opinião pública e retirar-lhe prestígio e credibilidade.
As alterações ao Estatuto do Aluno, conjugadas com o novo regime de Gestão Escolar, fizeram o resto. Hoje em dia, a escola não tem poder para castigar de imediato um aluno indisciplinado, quando antes, de acordo com o Estatuto promulgado pelo ministro David Justino, o Presidente do Conselho Executivo podia suspender imediatamente um aluno até 5 dias. Hoje em dia, o Conselho de Turma pode nem sequer ser ouvido.
Para além disso, o Director da escola está hoje nas mãos dos Encarregados de Educação, que estão sempre em maioria no Conselho Geral, mesmo que não o estejam em teoria. A qualquer momento, os Encarregados de Educação podem dar cabo da vida de um Director e é por isso que mandam nas escolas. E como a maior parte dos nossos Directores não tem a fibra suficiente para pôr os pais no seu devido lugar, recebe 1, 2, 3, 7 queixas de um professor e acaba sempre por dar razão aos alunos. Ou não faz nada, o que vai dar ao mesmo.
Sei do que estou a falar.
«É da idade», dizia um dos alunos do 9.º B com mais participações disciplinares. Aos meus meninos de 9.º ano, eu explico-lhes gentilmente, logo na primeira aula, o que acontece a quem tem problemas de comportamento provocados pela idade. O professor de Música não foi capaz disso? Não é justificação para que pareça ser o culpado por ter morrido.
Não, não foi ele o culpado, mas sim um bando de 25 energúmenos que, por não terem recebido em casa a educação suficiente, cresceram com um sentimento de impunidade e de irresponsibilidade. E aí, a culpa já não é deles.

%d bloggers like this: