A banalidade do mal e o sabor dos anos que passam

[Santana Castilho*]

Se tens um coração de ferro, bom proveito. O meu, fizeram-no de carne, e sangra todo o dia.”

José Saramago

1. Passou o Natal das ocas farturas. Por comodidade e interesse, o Natal comercial tem varrido da memória dos homens o verdadeiro Natal, menos fantasioso, aquele em que Herodes, o Grande, ao saber do nascimento do Rei dos Judeus, mandou assassinar todos os recém nascidos em Belém, para varrer o alegado concorrente. Segue-se a passagem de ano e é tempo do habitual balanço.

[Read more…]

Ainda sobre o Natal dos Partidos

Partidos garantem que nova lei do financiamento não aumenta encargos do Estado“, lê-se no Público. Por acaso é mentira, se bem que o ponto central nem são os custos.

[Read more…]

É oficial: Rui Rio quer perder as directas do PSD

Fotografia: António Pedro Santos/Lusa@DN

Como se não chegasse ter o aparelho passista congregado em torno de Santana Lopes contra si, Rui Rio teve esta tarde um assomo de ética e decência e criticou o secretismo em que decorreu a negociata partidária sobre as alterações ao financiamento partidário, assumindo-se frontalmente contra a isenção de IVA para todas as actividades dos partidos políticos, aprovada por uma improvável coligação de partidos à qual apenas CDS-PP e PAN escaparam. Acontece que a corte do partido que quer liderar está em sintonia com todo este processo, pelo que a heresia do candidato não passará sem que a devida punição por parte dos passistas convertidos em santanistas se faça sentir. É pena, apesar de tudo continuo a achar que o país ficaria melhor servido com Rio do que com Santana na liderança da oposição.

Dedicado aos fans portugueses de Donald Trump

Que Trump tenha apoiantes nos EUA, um Estado que tem tanto de genial como de retrógrado, eu até compreendo. Gajos que vêm a Fox e têm as Kardashians como referência só podem ser presas fáceis para quem anda no negócio de fazer os outros de otários. Que haja, aqui em Portugal, uma série de imbecis e Marias Vieiras, uns mais envergonhados que outros, a fazer deste grunho um herói, já é algo que me ultrapassa. Já me ultrapassou mais, claro, que num país onde ainda tantos fachos vestidos de conservadores, social-democratas e liberais suspiram por Salazar e pelo respeitinho a toque de cassetete, e onde qualquer vómito televisivo com 10 ratinhos de laboratório fechados numa casa repleta de câmaras, com os personagens mais acéfalos e parolos, bate recordes de audiências, já nada disto pode surpreender. [Read more…]

Surma – O Silêncio como Inspiração

Francisco Sousa Barros

Cruzei-me com a Surma pela primeira vez no Walk&Dance 2017. Pelos ouvidos já me tinham passado alguns temas e fui até Freamunde com o propósito de confirmar em palco os atributos.

No fundo de uma serena e distinta viela estava montado o palco. O público foi-se sentando no chão, entre paralelos e carpetes. O ambiente, quente, de fim de tarde primaveril, com o sol a diluir-se entre as paredes das casas, começava a parecer perfeito aos primeiros sons vindos do palco. Ao fim de pouco tempo já estava completamente conquistado e passei o resto do concerto apenas a apreciar as abstratas pinceladas sonoras que aquela mulher, sozinha com a sua voz singular, no meio de guitarra, baixo, teclados, pedais, samples, ou seja lá mais o que for, ia traçando. [Read more…]

O Benfica e a mentalidade de gangue da favela

A propósito do escândalo dos emails, e em reacção às mais recentes declarações de Francisco J. Marques, o Benfica reagiu, lamentando a “mentalidade de gangue de favela”. Falamos do mesmo Benfica cujas claques são ilegais, claques ilegais essas que, recentemente, após um Benfica-Sporting, mostraram ter gente capaz de montar emboscadas e assassinar um adepto da equipa adversária. Como os gangues das favelas. [Read more…]