Pelo fim da subsídio-dependência

Pais assumem custos de funcionamento de 70 turmas em colégios privados que perderam contrato de associação. Mais vale tarde do que nunca.

Custos

O telejornal da RTP1 interessou-se muito pelos custos da manifestação de hoje da CGTP. Com elaborados gráficos fez cálculos e mais cálculos. Comovente preocupação!

Não precisam de tanto trabalho, cambada de sabujos. Eu resumo: custou metade da conta de maquilhagem que a RTP pagou este ano à empresa que tem a ingente tarefa de vos embelezar o focinho. E deixem que vos lembre: os trabalhadores pagaram a sua manifestação. Como deve ser. Mas o mais extraordinário é que pagaram também a vossa conta de beleza.

Porque não fazem também estes cálculos, corja?

Monárquicos, mentirosos e repetitivos

A peta de os Borbons ficaram mais baratos aos nossos vizinhos que nos custa o Palácio de Belém foi uma das bases da propaganda do senhor que se sonha herdeiro da “coroa” portuguesa. Baseavam-se numa velha fraude jornalística, reduzida a 30 segundos  e publicada em 2009 no youtube.

Quanto custa uma monarquia, neste caso a espanhola, foi mito entretanto mais que desmontado. Na realidade o estado espanhol suporta através de diversos ministérios os diversos gastos do inúteis que mantêm na chefia do estado, sendo a renda directa que recebem apenas uma parcela do custo total. Viagens, pessoal, palácios, segurança, automóveis e os 1500 efectivos da Guardia Real são pagos à parte, não se conseguindo ainda hoje saber exactamente quanto custam.

A ver se passa, alguém republicou o mesmo vídeo e anda a circular por aí.  São séculos de prática, e bem vistas as coisas a defesa da inutilidade régia não podia passar por outra coisa que não fosse a mentira. A menos que um Hitler e outro Mussolini voltem do túmulo, não passarão.

no pasaran

A lógica do Henrique Raposo é tendencialmente insustentável

A descoberta do dia do menino Henrique é esta: o SNS é tendencialmente insustentável. Porquê? porque lhe apetece, é claro, e porque a subida da despesa em saúde tem sido muitíssimo superior à criação de riqueza. 

Arranja uns números, sem fonte, umas projecções (já não há pachorra para a demografia de tarot), e alucina com esta brilhante conclusão:

Pouca gente sabe que o SNS português é a negação do sistema de saúde da Alemanha, Holanda, Áustria, França, etc

Que horror, ora vamos à OCDE, e vejamos como se anda de gastos, custos, coisas insustentáveis, nestes países, e já agora também nos EUA: [Read more…]

Fala um funcionário da Católica

Mentir já não é pecado, Roberto Carneiro?

Por falar em idiotas

Considera-se perfeitamente normal um quilo de alface que custa ao consumidor 1,8€ ter sido comprado ao produtor por 0,4€. São os custos de:

transporte, refrigeração, armazenamento, mais os salários das pessoas envolvidas, mais os custos do supermercado, rendas ou amortizações, salários dos funcionários, bem como provisões para as várias alfaces que vão se estragar e ter de ser deitadas fora, mais a quota parte dos salários dos empregados nos serviços centrais, mais a publicidade na TV, os folhetos e sabe-se lá que mais

O sabe-se lá que mais deve incluir o lucro, cuidadosamente escamoteado nesta descrição toda, feita por um Absolutista dito Liberal.

A alface não foi semeada, regada, adubada nem colhida e a terra (provavelmente a estufa) também não deve ter tido os seus custos a precisarem de amortização. O agricultor não correu o risco, durante semanas, de uma geada lhe destruir todas as alfaces. O agricultor trabalha generosa e graciosamente para a malta comer alfaces.

A lógica das cadeias de distribuição (que substituíram os velhos intermediários precisamente porque têm uma estrutura que lhes permite baixar os custos, e que têm feito mais pela destruiçãoo da agricultura portuguesa que a própria CE) não é nada idiota, nem é uma batata, é uma alface. Idiotas, nós é que somos.

Quanto custa uma monarquia?

Nunca acreditei na muitas vezes vendida teoria de que os Bourbons castelhanos ficam mais baratos aos nossos vizinho que o Palácio de Belém. E um dia o azeite viria à tona de água. No orçamento de 2010 tivemos “como despesas orçamentadas da Presidência da República: 17.464.000,00 €”, cito um blogue de propaganda monárquica.

Hoje o Público apresenta-nos os custos no ano transacto da família real:  8.434.280 euros,

Pero los 8,43 millones son sólo una parte mínima del coste real de la Corona. Hay que sumar las partidas que el Gobierno reserva para Juan Carlos y su familia –viajes oficiales, recepciones, salarios del personal de la Zarzuela…– y para la conservación de los palacios y jardines, y que figuran en otras partidas de los Presupuestos. Escondidas, pero ahí están. Ello haría un total de 59,28 millones. Aún habría que añadir los gastos de seguridad, de coches y chóferes, o de la Guardia Real. Estos costes los asumen los ministerios del Interior, de Defensa y de Hacienda, pero el importe se mantiene en secreto.

A mentira, as monarquias e os seus gastos ocultos sempre andaram de mãos dadas. Esta semana teremos números mais exactos.

Ensino privado e de como o barato sai caro

O João Miranda veio aqui ler umas coisas (é sempre um prazer receber um liberal nesta casa) e tirou as suas conclusões. Por exemplo a de que o privado é mais barato que o público, constatação acertada tendo em conta os números que aqui publiquei.

É verdade, pelos vistos conseguem ser mais baratos e também, por isso têm lucro. Verdade se diga são números que acima de tudo denunciam como o estado tem sido assaltado através dos contratos de associação e dos favores de algumas direcções regionais, que pagam muito acima do custo do serviço prestado, em concorrência directa com o estado.

Como é possível fazer tão barato? Pagando menos (embora as carreiras docentes sejam vagamente equiparadas, há truques para isso), mas sobretudo fazendo trabalhar mais. Ora se a carga lectiva (não confundir com horário de trabalho) dos professores portugueses em geral já é superior às médias europeias, 27 ou 28 tempos lectivos não abona nada à qualidade de ensino. Como tenho dito não é uma questão de direitos do trabalhador (embora também seja), é um direito dos alunos terem professores com um máximo de 22 horas lectivas por semana. Quem experimentou (já me calharam 25h em tempos muito idos), sabe bem que é humanamente impossível trabalhar com qualidade nessas condições, a que acrescem turmas no limite máximo legal da sua lotação. [Read more…]

Outra vez os custos do ensino, privado vs público

Mais umas achas para a fogueira, no blogue do Paulo Guinote. Eu sei que os dogmas de fé não se discutem, como o temos feito nesta casa, mas não custa nada tentar.

Um aroma reitoral

Brindou-me o Reitor com análise detalhada das minhas últimas flatulências sobre o ensino privado. Agradeço e retribuo. Afirmas:

Os custos com o pessoal são muito inferiores no privado.

Acredito, se o dizes, tem de ser verdade. Tu sabes tudo. Mas pela análise das tabelas salariais contratadas não percebo. Será que as escolas privadas usam e abusam dos contratados? Despedem sem justa causa mal começam a ganhar muito? Ou, como se queixam os sindicatos, não as cumprem?

Será que as turmas têm todas 28 alunos? Os professores 26 aulas por semana? Eu pergunto todos, porque tenho uns amigos num colégio afamado cá do burgo que se queixam disso mesmo. [Read more…]

Desastre ambiental – 60 000 barris de crude/dia

https://i2.wp.com/magblog.audubon.org/files/magazine/u8/OliviaBouler_pelican.png?resize=334%2C268

O desastre continua, imparável, sem solução à vista. Agora a BP estima que o poço possa derramar 100 000 barris/dia o que contraria as previsões mais optimistas do passado, após as medidas já tomadas!

Entretanto, o Presidente do Concelho de Administração da BP foi a uma regata em que competia o seu iate, Bob, na ilha Whight no sul de Inglaterra, facto aproveitado para uma ataque cerrado da administração Obama. E, a isto ,juntam-se as declarações de um funcionário da estrutura de extração que veio declarar que a Gestão foi informada a tempo e horas que uma das unidades de proteção havia cedido, e não foi substituída como se impunha.

Tudo indica que o desastre foi o resultado da pressa em obter resultados e cortar nos custos, o que dá em desastres e, no caso, no pagamento de 50 mil milhões de dólares de indemnizações, ao longo dos próximos anos. Foi criado um fundo de 20 mil milhões para pagamento imediato às pessaos afectadas pelo desastre. Por estes números  podemos calcular a dimensão do desastre mas tambem a potencialidade destes negócios cuja dimensão coloca em perigo muitos milhares de vidas.

A BP, longe de casa, a destruir o ambiente do Golfo do México!

Nuclear/ Renováveis – vantagens e desvantagens

O lobby do nuclear não desiste e o lobby das renováveis tambem não. O secretário de estado, Carlos Zorrinho, já recebeu o documento de quem defende o nuclear e ataca os apoios estatais à eólica, a solar e às barragens. A Associação das Empresas das Energias Renováveis diz que vai desmontar os argumentos apresentados.

É uma bela peleja, importante para o país, para sabermos se o nosso desenvolvimento energético tem as necessidades do país como objectivo ou se resulta de interesses públicos e privados, estimáveis, mas que não temos que pagar.

Os custos das contas, o Conselho de Estado e o cantando e rindo

Depois das eleições e das manobras do Orçamento do Estado, começam a aparecer as facturas de sucessivas incompetências e mentiras: a bolsa portuguesa caiu a pique por reacção às contas públicas.

Por cá há quem esqueça que se pode enganar muita gente ao mesmo tempo, mas não se engana toda a gente. E enganar os de fora é mais complicado, e os custos sobem, tal como os juros, e nem os parceiros perdoam.

Por cá temos teatro institucional, representado em nobres palcos, como o do Conselho de Estado. A preocupação da elite da República não está na dívida pública e nos seus asfixiantes custos, nas quedas de encomendas ou nos perigosos sinais de asfixia da liberdade de expressão. Nada disso. É  antes com uma crise de ameaças provocada por quem não parece querer governar aquilo que ajudou a criar.

Podiam, já agora, debater o estado do tempo, que, também, merece cuidados, a pôr o país em alerta.

Certo é que o melodrama vai continuar, por outros palcos, qual trupe itinerante, porque é necessário reforçar o circo quando escasseia o pão. Ainda que se dê ares que dinheiro não é problema.