Imobiliária Cacique

Fotografia: Rui Duarte Silva@Expresso

Paulo Morais, antigo vereador de Rui Rio e candidato presidencial, defendeu recentemente, num artigo publicado no jornal Público, que as directas do PSD deviam ser invalidadas por estarem viciadas:

O novo presidente do PSD será escolhido por dois tipos de militantes: os genuínos, que aderiram livremente ao PSD e se preocupam com o seu destino; e um imenso grupo de milhares de cidadãos que foram artificialmente inscritos no PSD por caciques. Estes, de forma organizada e sistemática, pagam convenientemente as quotas e controlam as listas como quem tutela um rebanho. No dia das eleições, em grupo, em manada, milhares serão transportados em carrinhas e camionetas até às sedes, votando em Rio ou Santana, dependendo de quem os arrebanhou. Esta prática ilegítima, que envergonha a democracia, assenta numa ilegalidade maior e que só é possível através da violação da informação confidencial dos dados dos militantes constantes da base de dados do PSD.

[Read more…]

Paulo Morais trata já do assunto

Corrupção no ténis

Um favor aos corruptos

Será que Paulo Morais não entende que ao fazer as suas inverosímeis generalizações sobre o tema da corrupção ( “o Parlamento é uma central de negócios e corrupção” em que “todos os grupos parlamentares estão envolvidos”) está, não só a enunciar um juízo grosseiramente falso como, ao misturar tudo no mesmo granel, a fazer um favor aos corruptos? Ou sabe? – o que é pior.

Paulo Morais, “Janela do Futuro-Portugal 2016”

Paulo Pereira

No lançamento do livro “Janela do Futuro-Portugal 2016”, de Paulo de Morais.

“Vivemos num país em que políticos corruptos nos impedem a nós, Portugueses, de usufruir de tudo aquilo que por direito nos pertence.”

“Porque razão temos todas as condições para viver bem em Portugal e muitos de nós vivem no Inferno.”

(actualizado)
[Read more…]

Diz que é preciso despedir funcionários públicos (3)

A crise foi provocada pela corrupção e não pelos excessos dos portugueses

Alguém que, antes das 20h, dê ao Passos uma cópia do DN

Crise foi provocada pela corrupção, não pelos excessos

Da série ai aguenta, aguenta (16)

Água privatizada é mais cara

Contra a corrupção

musica+para+acordarNo próximo dia 9, celebra-se o Dia Internacional contra a Corrupção. A Transparência e Integridade, Associação Cívica (TIAC) irá assinalar a data com a iniciativa “Música para acordar”, que inclui um concerto do Quinteto de Cordas do Norte, na Alfândega do Porto, às 17h. Os responsáveis pela organização anunciam que este evento “marca o lançamento em Portugal de uma grande campanha de sensibilização contra a corrupção. Vamos mostrar em primeira mão as ações e eventos que estamos a preparar para os próximos meses!” Acrescente-se que a entrada é livre.

O programa do concerto pode ler-se a seguir ao corte. [Read more…]

A Europa e a Publicidade Infanto-Juvenil

Maçãs podres

Paulo Morais, ex-vice-presidente da Câmara do Porto e coordenador da Transparência e Integridade que luta contra a corrupção e pela maior transparência na vida pública, disse à revista Visão (19/7): o Parlamento é o “maior antro de tráfico de influências do País».

Conflitos de interesses, promiscuidades, indecências, etc. Paulo Morais nomeia os deputados acusados deste tipo de situações.

“O cidadão comum não consegue escrutinar todo um conjunto de informações formalmente públicas, mas que não são de fácil acesso (…)”, palavras de Paulo Morais.

Somos tomados por lorpas! Até quando?

 

O Começo do Fim do Governo Passos

Pode ser isto. Ora, não foi na base da covardia e da cumplicidade com o crime das PPP que confiamos ao Governo Passos/Portas o resgate do nosso destino. Se nos não defendem com unhas e dentes, se o povo pode ser esbulhado mas os Ladrões não podem reestruturar as rendas abusivas nem os políticos facilitadores desse Roubo podem ser processados, então rua!

Até um chimpanzé, mesmo recompensado com os amendoins de Merkel, governar-nos-á com mais zelo. Não precisamos de um mero submisso amanuense pau mandado, apavorado com papões.

A regionalização não vai custar nem mais um tostão…

Um dos argumentos apresentados para justificar a não reorganização administrativa e política do estado é o custo que isso iria ter.

Esta verdade absoluta é postulada inclusive por aqueles que tiveream responsabilidade directa na criação do estado que temos actualmente que, tenho ouvido dizer, não é assim tão sustentável quanto isso.

Para perceber porque não pode a regionalização custar nem mais um tostão e apresentar ideias sobre como o fazer, o Movimento Partido do Norte vai realizar no próximo sábado, 18 de dezembro, no Ateneu Comercial do Porto, ás 16.30, uma sessão sobre este tema com a participação de Eng. Carlos Brito, Dr. Pedro Froufe Madeira e Dr. Paulo Morais.

Estamos na altura de construir novas opções e pensar de forma diferente na resolução dos nossos problemas, se quiserem fazer parte dessa discussão apareçam.

A destruição das cidades

Dizia Paulo Morais há cerca de um ano que “é evidente que as pessoas vão para os shoppings porque eles têm hoje as condições de urbanidade que as cidades já não lhes dão, onde há manutenção, onde há limpeza, onde há segurança, onde há parqueamente, etc., onde há vivencialidade urbana“.

Os excelentes trabalhos de Nuno Castelo-Branco aqui no Aventar e de Rui Valente no As Casas do Porto (de onde “roubei” a imagem que ilustra este post) são dois exemplos concretos do que se passa em Lisboa e no Porto, e de certeza que podiamos acrescentar exemplos de (quase) todas as outras cidades do país.

Os motivos que levaram a esta degradação que são habitualmente referidos são, por um lado a legislação que não apoia a renovação e incentiva a compra de casas novas e por outro a lei das rendas que continua a permitir que haja quem pague uns 5 euros por mês por uma casa.

Convém no entanto referir em relação ao segundo ponto que nem essa lei foi caso único no mundo já que outros países europeus a praticaram, nem ela se aplicou no país todo (só no Porto e em Lisboa) e não é por isso que os centros historicos de Gaia, Matosinhos, para dar dois exemplos que conheço, estão muito melhor que o do Porto.

Também o argumento da legislação, esse entrave que emperra toda a nossa sociedade e que aparentemente só se resolve com mais legislação, fica um pouco fragilizado quando olhamos por exemplo para Guimarães. Que lei especial conseguiram eles para a sua cidade que lhes permitiu uma renovação urbana elogiada por todos?

Acho que nenhuma, o segredo, segundo Souto Moura é que a reabilitação só se consegue com bons técnicos e com uma fortíssima vontade política, como houve por exemplo com a reconstrução do Chiado.