Chamusca

A PJ descobriu as armas roubadas de Tancos. Lá se vai metade do património político do CDS.

Um gesto vergonhoso

O Tondela anunciou hoje que o pedido que dirigiu à Belenenses SAD para adiar o jogo marcado para o próximo domingo num dos concelhos mais fustigados pelos incêndios foi recusado. Fico a torcer por uma vitória não apenas moral do Tondela, mas com muitos golos na baliza adversária.

Crónicas do Rochedo XXV – E é isto que o PSD tem para apresentar?

rio e santana

Depois do resultado do PSD no Porto e em Lisboa, Pedro Passos Coelho apresentou a demissão e foram marcadas eleições directas para escolher um novo líder. Na lógica própria destas coisas, Rui Rio apresentou-se como candidato. Cumpre a lógica da coisa. Foram vários anos em que uma parte do PSD espreitou através do nevoeiro a ver se vinha Rio, qual D. Sebastião, para resgatar a virtude e os bons costumes. Finalmente, o homem enfrenta os seus medos e avança.

Perante esta candidatura, seria normal que a outra parte do PSD fosse a jogo com um candidato. Ou mais do que um. Seria lógico o avançar de Montenegro cobrindo a ala passista. Seria lógico o avançar de Rangel, cobrindo a parte mais “centro-direita/direita” do PSD, assim como a elite “intelectual”. Seria lógico o avanço de Marco António Costa como expoente máximo do aparelho (ler: distritais, principais concelhias e os grandes caciques locais). Seria lógico avançar alguém diferente no papel de renovação do partido (e aqui renovação não significa, necessariamente e apenas, uma questão de idade/geração, mas ideias e projecto). Tudo isto seria lógico. Não fosse o PSD um partido onde, muitas vezes, a lógica é uma batata. Tal como o seu irmão gémeo, o PS.

[Read more…]

O Expresso e a recaída

Efectivamente, depois da óptima, o projecto. Enquanto houver projecto e Egipto, há esperança.

A Câmara de Gaia e a Maçonaria

Uma longa história que, certamente, valerá a pena revisitar um dia. Com calma.

Os portugueses e o fogo

Excerto de um livro do holandês Gerrit Komrij (que viveu em Portugal). Em 1996, escreveu: “A cada Verão que passa, os políticos prometem fazer finalmente alguma coisa e, cada Verão, a coisa arde com violência acrescida.” 1996!

E a Espanha ali ao lado


E entanto, Espanha, mais quente do Portugal, arde menos.
Adenda: parece que a informação divulgada pelo jornal i, aqui citado, não está correcta.