Conversas Vadias 42

A quadragésima segunda edição das Conversas Vadias contou com os vadios António de Almeida, Orlando Sousa, José Mário Teixeira, Fernando Moreira de Sá, Carlos Araújo Alves, João Mendes e Francisco Miguel Valada. As eleições legislativas foram o tema dominante, numa semana marcada por dois debates: o radiofónico com ausências e o televisivo com elefantes na sala, beijinhos à sogra e agradáveis surpresas. Houve ainda tempo para falar da Carochinha e de quem com ela quer casar. Além disso, tivemos sondagens, energia nuclear, impasses, maiorias absolutas, borrasca, abandonos, touradas e caça, presidências do Conselho Europeu e do Parlamento Europeu, boletins de voto e mais um par de botas. No fim, como sempre, as sugestões: [Read more…]

Aventar Podcast
Aventar Podcast
Conversas Vadias 42
/

Legislativas 2022 e Acordo Ortográfico de 1990: as respostas dos partidos com assento parlamentar

Alertado pelo João Maio, acabo de saber que a Antena 1, a TSF e a Renascença conduziram o último debate das Legislativas 2022 entre representantes dos partidos com assento parlamentar. Chega e PSD não se fizeram representar, mas há uma nótula no final deste pequeno texto.

No fim do debate, a pergunta:

Revisão do acordo ortográfico: sim ou não?

Convido os leitores do Aventar a ouvir as respostas de PAN (Inês Sousa Real), CDS (Francisco Rodrigues dos Santos), IL (João Cotrim de Figueiredo), Livre (Rui Tavares), CDU (João Oliveira), BE (Catarina Martins) e PS (António Costa).a partir de 02:01:18.

Não ouso escrever aqui o que os candidatos disseram, uma vez que alguns deles preferiram embrulhar a resposta com paleio, em vez de pura e simplemente responderem SIM ou NÃO. No entanto, há quem tenha sido claríssimo como água.

Nótula: O PSD e o Chega não se fizeram representar no debate. Todavia, graças aos Tradutores Contra o Acordo Ortográfico, sabemos qual a posição do PSD e, graças ao Público, sabemos qual a posição do Chega.

O OE2022

é péssimo.
Por esse motivo, isto

era perfeitamente escusado.

 

O debate do verdadeiro sistema

Vi meia hora do debate entre Costa e Rio e fui interrompido por motivos de força maior: o meu filho não queria ver. E eu sou um tipo que respeita a hierarquia cá de casa, de maneira que mudei a TV para o Panda e nem arrebitei cabelo. Lá voltarei.

No entanto, não posso deixar de constatar o seguinte: este debate é a maior demonstração daquilo que é o sistema. Não o sistema fantasioso da extrema-direita, dos beneficiários de RSI com Mercedes à porta, mas do verdadeiro sistema, aquele que se ocupa de eternizar PS e PSD no poder.

Todos os debates tiveram 25 minutos. Este teve mais de uma hora. Porque é que Costa e Rio têm direito a este tratamento especial? Porque as suas propostas são melhores? Porque são necessariamente melhores governantes? Nada disso. Porque as cadeias televisivas assim o decidiram. E porque o sistema não permite sequer que qualquer outro partido seja considerado alternativa. Porque a sua sobrevivência depende desse status quo.

[Read more…]

No debate com Ventura, Chicão deu uma lição… a Rui Rio

O frente a frente entre Francisco Rodrigues dos Santos e André Ventura foi, pessoalmente, a maior surpresa desta bateria de debates. O presidente do CDS apareceu com tudo, em modo metralhadora, atirando várias coisas ao líder do Chega, falando de Luís Filipe Vieira, apresentando dados concretos sobre o RSI, reduzindo os argumentos de Ventura a populismo puro, dizendo-lhe que o Chega é um partido unipessoal, falando ainda de que o deputado de extrema-direita parece líder de uma seita religiosa, pelas “figuras” que faz nos congressos.

[Read more…]

Luta na lama

Ninguém ganha um debate contra André Ventura. Nem perde. Porque, na realidade, ninguém debate com André Ventura. Não é possível. Ventura não quer debater com ninguém. Ventura é o Gajo de Alfama antes de se levantar para andar à porrada. É uma criatura bannonizada que deseja o caos para emergir dele. É um incendiário que quer enervar os opositores, com vista a puxá-los para baixo, para o seu lamaçal ideológico, onde serão derrotados, todos sem excepção, pela experiência de quem chafurda como nunca neste país alguém chafurdou.

[Read more…]

Tavares VS Ventura: atropelamento sem fuga

A forma como Rui Tavares destruiu André Ventura no debate de ontem foi épica. Acusou-o, com substância, de ser do sistema que diz combater, expôs o vazio que é o programa do CH, esfregou-lhe Luís Filipe Vieira na cara a propósito do RSI, enumerou os financiadores e membros do CH ligados à banca, à evasão fiscal e a outros esquemas do verdadeiro sistema, e ainda puxou de Calouste Gulbenkian, a propósito dos passaportes humanitários. E tudo isto com serenidade e segurança, sem nunca se deixar irritar pela lama que o pequeno Ventura lhe tentava arremessar. Uma tareão à moda antiga. E Ventura, nervoso é visivelmente irritado, nunca se levantou. Não recebeu réplica às provocações demagógicas, soltou uns Sócrates e Salgados desesperados e de nada lhe valeram as interrupções constantes. Foi dizimado. E foi bonito de ser ver.

O PCP tem razão

O PCP tem razão: o modelo de debates é discriminatório e beneficia PS e PSD, cujos líderes são apresentados como candidatos a primeiro-ministro (algo que, formalmente, nem sequer existe), quando, na verdade, são candidatos a deputados, que é precisamente isso que está em jogo em eleições Legislativas. Primeiro-ministro será aquele que a correlação de forças na Assembleia da República conseguir aprovar. Ninguém vota para primeiro-ministro porque não se elegem primeiros-ministros. Acresce a isto que todos os debates de PS e PSD passam nas generalistas. Todos. Aliás, não há um único debate nas generalistas que não inclua PS ou PSD.

Este modelo de debates peca ainda por outra razão: com a curta duração de 25 minutos (suspeito que o debate entre Costa e Rio será mais longo, o que só virá aprofundar ainda mais a discriminação), é impossível aprofundar uma ideia. Se o debate incluir André Ventura, a perda de tempo é total, na medida em que o candidato da extrema-direita subverte e destrói o debate, por vezes com a conivência do moderador de serviço. Com isto contrasta o tempo dedicado pelos mesmos canais à opinião dos comentadores de serviço. Nada contra que o façam, mas custa-me a perceber como é que um debate é feito a correr, sem tempo para explanar ideias, para depois ficarmos uma hora a ouvir as opiniões dos comentadores sobre o debate.

Não faria mais sentido termos debates mais longos, eventualmente cortando algum do tempo de antena dos comentadores?

Faria, mas o dinheiro que paga a indústria do manufacturing consent não cresce nas árvores.

Rui Rio prestou um péssimo serviço ao regime democrático português

Rui Rio prestou um péssimo serviço ao regime democrático português, ao não ter tido a vontade, a coragem e a determinação de se demarcar categoricamente de André Ventura e do discurso desonesto, manipulador e de ódio da extrema-direita. Para quem tanto gosta de aludir à Alemanha, e elogiar o seu sistema político, Rio deveria estar mais atento ao exemplo de Angela Merkel, que sempre defendeu o cordão sanitário em torno da AfD, mesmo quando isso significou entregar o poder ao Die Linke, o homólogo alemão do BE, na Turíngia.

Rio falhou quando se enterrou em ambiguidades para se esquivar a dizer aos portugueses se conta ou não com a extrema-direita, deixando a porta aberta a entendimentos. Falhou ao ser incapaz de enumerar as características extremistas do Chega, que são inúmeras e evidentes, situação que vem reforçar a ideia de que a porta está e estará aberta a entendimentos. Falhou quando se deixou enredar na teia de Ventura, permitindo-lhe marcar o passo do debate, fazendo o seu jogo e respondendo às suas perguntas. Falhou quando gastou tempo precioso, que nestes debates é escasso, para responder a vacuidades como a questão da prisão perpétua. Quem não consegue debater com Ventura sem ser capturado por ele não tem condições para liderar o país. Vice-primeiro-ministro de António Costa é o máximo que poderá aspirar. E mesmo assim…

Rui Tavares ARRASA André Ventura

que tareão! Juro que vi um dente saltar da boca do candidato da extrema-direita.

Bernardo Ferrão e Ângela Silva…

…são consultores de campanha de Rui Rio. No comentário do debate entre Rui Rio e Catarina Martins, limitaram-se a explicar quais foram os erros de Rio e o que deverá fazer a seguir. Espero que o PSD lhe pague bem.

Isto/Aquilo

Não sou a favor da prisão perpétua, mas sou a favor do Chega.

uma frase que poderia ser de Rui Rio

Rui Rio, porta-voz do Chega

No debate com Catarina Martins, Rio esteve a explicar a posição do Chega sobre prisão perpétua.