É tão simples quanto isto: “Comércio livre ou ecologia!”

A casta de políticos mainstream e os adstritos comentadores andam a vender a tese de que o comércio livre é a resposta ao proteccionismo ceguinho de Trump. O que não gostam nada de enfrentar e empurram energicamente para debaixo do tapete, é a questão crucial da contradição intrínseca entre, por um lado, a promoção de um modelo de desenvolvimento que, à custa de ignorar as externalidades negativas, rodopia os produtos pelo globo, os vende ao preço “mais barato” e fomenta o descarte e, por outro lado, o combate ao descalabro climático.

Conforme sintetiza Serge Halimi: Doravante, todos sabem que o elogio, que se tornou consensual, dos produtores locais, dos circuitos curtos ou do tratamento in loco dos resíduos é incompatível com um modo de produção e de troca que multiplica as «cadeias de valor», isto é, que organiza a engrenagem dos porta-contentores nos quais as componentes de um mesmo produto «atravessarão três ou quatro vezes o Pacífico antes que ele chegue às prateleiras de um estabelecimento comercial».

Com o poderoso leque de acordos de livre comércio que a EU quer fazer passar à pressão, os Verdes, tão em moda, têm agora óptimas oportunidades de demonstrar quão verdes realmente são, seja no Parlamento Europeu, seja (em alguns casos em que a UE não conseguiu evitar que os acordos tivessem que “descer” ao nível nacional) nos respectivos parlamentos.

Não confio nada e parece que tenho razão: O parlamento do Luxemburgo está em vias de ratificar o CETA (acordo UE/Canadá), com o voto favorável dos Verdes.

Pensar o conceito de crescimento

«A esquerda pode e deve ser pioneira na defesa da prosperidade em lugar do crescimento económico. Este conceito prova ser tão mais necessário quanto as desigualdades não param de aumentar, em Portugal e no planeta.»
[«Esquerda e Ecologia», Jorge Pinto, n’O Irrevogável]

Discurso do Presidente do Uruguai, José Pepe Mujica, na Rio+20

Um dos mais brilhantes e lúcidos discursos sobre o mundo em que estamos e a vida que levamos.

Não podemos continuar indefinidamente sendo governados pelo mercado, e sim, temos de governar o mercado.

10 minutos – Legendado em português, inglês e linguagem gestual.

Algarve, o Paraíso Ecológico

Ou de como a Ria de Faro é um esgoto a céu aberto…

Caminho de Ferro Natureza = Futuro

O Comboio é o Futuro dos Países Modernos.

Viva o Rei

O Rei vai nu!

Hoje dá na net: Surplus – excesso, superprodução, insustentabilidade

Um documentário sobre o excesso de consumo, o excesso de produção, o excesso de exploração de recursos. Um filme sobre falta de sustentabilidade, aspirações e desafios. Legendado em português.

50% dos alimentos na UE vão para o lixo

Tecnocratas, higienistas, grossistas, retalhistas & outros istas andaram anos a construir um “maravilhoso mundo novo” no que toca aos padrões de consumo, distribuição e ao que chamam de segurança alimentar.

O resultado está à vista. Desequilíbrios em toda a linha, da produção ao consumo, excesso de resíduos, abandono progressivo da ideia de reutilização, favorecimento das grandes cadeias de distribuição, normalização de produtos, desaparecimento quase total da venda a granel, criação de mentalidades com níveis absurdos de “exigência”.

Agora, o Parlamento Europeu chega a uma infeliz conclusão: 50% dos alimentos na Europa – onde existem 79 milhões de pobres – acabam desperdiçados, no lixo. Criado este cenário de desbragamento e de falta de respeito pelos recursos e alimentos, nós, consumidores domésticos, somos os que mais desperdiçam.

Trata-se de um paradoxo cultural que atravessa as sociedades contemporâneas e que necessita de ser posto rapidamente em causa: quanto mais civilizados nos julgamos, mais incivilizadamente nos portamos.

Hoje dá na net: Programado para avariar…

…ou OBSOLESCÊNCIA PROGRAMADA. Baterias que deixam de trabalhar ao fim de dezoito meses, lâmpadas que fundem ao fim de mil horas, impressoras que param de repente, veja como a indústria programa os objectos de forma a terem curta duração ou a avariarem propositadamente, com o fim de o fazerem comprar um novo. Perceba porque é mais barato deitar fora do que mandar consertar. Compare o discurso “verde” e “ecológico” das empresas com a sua prática, veja como algumas tecnologias regridem e pioram os desempenhos, e constate o óbvio: é feito estudadamente e com precisão para avariar.

Barragens e idiotas

O duo de governantes – José Sócrates e Pedro Silva Pereira – mais incompetente da democracia portuguesa (junte-se-lhes o Pinho e passa a trio, acrescente-se o Silva, o Lino, a Rodrigues e chame-se-lhe orquestra) deixou no país marcas perenes da sua idiotice e teimosia militantes.

Para além das dificuldades económicas que só agora os portugueses começam a perceber, o legado destes senhores é assombrosamente negro, apesar de todos os avisos vindos de algumas opiniões minoritárias mais esclarecidas, apesar dos estudos, apesar do bom-senso, apesar, finalmente, da crueza dos números. Vândalos e inimputáveis, chamou-lhes justamente  o Dario Silva.

Muita água deixará de correr debaixo das pontes até se avaliarem todas as consequências das decisões e mentiras desta gente.

Mas foram estes os únicos e os verdadeiros idiotas? Só se, paternalisticamente, acharmos que todo o país é apenas vítima passiva de malabaristas que actuaram furtivamente na insondabilidade das sombras.

Os idiotas que mantiveram estes idiotas seis anos no poder, os idiotas que os reconfirmaram na direcção do PS, não lhes ficam atrás em idiotia, muito antes pelo contrário. Foram precisos muitos idiotas úteis para eleger um idiota inútil.

A Ecologia do PPM

“Ribeiro Telles – O PPM começou por ser um pequeno grupo que se reunia na Martinho, no Largo D. José da Câmara, ou na Brasileira, para discutir. Para discutir tudo. Os seus fundadores tinham, como coroa de glória, o serem monárquicos da oposição. Pouco a pouco, a esse núcleo inicial juntaram-se outras pessoas, algumas das quais trouxeram, para o debate, as questões ecológicas.

Passaram-se anos. Em 1979, Sá Carneiro, um homem de grande visão política, compreendeu que, para equilibrar a coligação conservadora que firmara com o CDS precisava de nós. Nós constituiríamos a novidade. E nós lá fomos. Até porque, fora da AD, poucas possibilidades nos restavam de fazer qualquer coisa.

Os objectivos ecologistas que vínhamos defendendo tinham atraído, entretanto, muitas pessoas alheias ao ideal monárquico. Talvez pela vontade de aglutinar mais e mais pessoas à nossa volta, anunciei, então, ingenuamente, ‘Vamos, sem apagar a causa monárquica, relegá-la para segundo plano e transformar isto num partido ecologista. Vamos ser o partido ecologista da AD.’ No fundo, nunca considerara a ideia monárquica como atributo partidário mas como ideia supra partidária. Apenas o comprometimento da Causa Monáquica com o Estado Novo justificara o aparecimento, após o 25 de Abril, num contexto democrático, de um partido expressamente vinculado à monarquia. Só que, para mal da minha proposta, o clubismo tinha aumentado. Houve, por isso, quem, no interior do PPM, exclamasse ‘Não senhor, o que é preciso é reafirmar a monarquia. A monarquia tem que regressar ao primeiro e único lugar das nossas preocupações.’

E aquilo acabou. Por umas razões e por outras, acabou a AD e acabou o PPM ecologista.”

in Ecologia e Ideologia
Domingos Moura, Francisco Ferreira, Francisco Nunes Correia, Gonçalo Ribeiro Telles, Viriato Soromenho-Marques
Livros e Leituras, 1999

Feira da Primavera

O Concelho de Vila Nova de Gaia, pela sua história rural, continua ser um lugar fértil em tradições e marcas culturais que reflectem uma forte ligação à terra, à agricultura e ao artesanato, apesar das suas novas características urbanas. Ainda hoje é possível encontrar exemplos vivos dessa realidade, mas também iniciativas empresariais inovadoras, nomeadamente de Agricultura Biológica Urbana, que contribuem activamente para a valorização do património cultural e paisagístico do Concelho.

Nesse sentido o Cantinho das Aromáticas, como exemplo pioneiro da Agricultura Biológica Urbana, estando sedeado numa das Quintas históricas do Concelho apresenta um conceito inovador de mercado que baptizamos de “Feira da Primavera”. [Read more…]