O grande argumento

João Miguel Tavares explicou no Governo Sombra, de forma alterada, que Teodora Cardoso falhou as previsões pessimistas sobre o défice porque o governo não fez o que prometeu na campanha eleitoral. É capaz de ter alguma razão – não a tem toda, mas adiante. Podia, no entanto, lembrar-se do que fez, em termos de promessas e execuções, aquele que ele já adjectivou, em tempos, como um bom primeiro-ministro. Lembrando-se ele disso, talvez pudesse dissertar sobre que circunstâncias se podem evocar para optar ente polegar para cima ou para baixo quanto a governantes.

O sexismo da Porto Editora já vem de longe

Dicionário da Língua Portuguesa, editado em 1986, Porto Editora

O João Mendes trouxe o texto do Ricardo Araújo Pereira (RAP) no qual se demonstra que, afinal, os cadernos não eram assim tão sexistas como se apregoou. E que o trabalho jornalístico à volta da questão deixou muito a desejar. Na verdade, os meios de comunicação social pegaram numa montagem de duas páginas para, a partir delas, tecerem ilações. E, por fim, a Comissão para a Igualdade de Género (CIG) laureou-se de poderes censórios e, “por orientação do Ministro Adjunto”, Eduardo Cabrita, recomendou à Porto Editora, que “retire[retirasse] estas duas publicações dos pontos de venda”.

RAP desmontou a questão, no programa Governo Sombra, implacavelmente e com graça, conforme se pode visualizar no vídeo seguinte. [Read more…]

Governo Sombra Geringonçado

E sobre o “governo sombra” de hoje, guardemos um piedoso silêncio.Disse(ou ‘da-se).

Confirma-se

 
Confirma-se que o Governo Sombra é, de facto, o melhor programa de actualidade política do momento e que, por acaso, até tem graça. Um caso de extremo bom gosto, com temas pertinentes e referências de elevado gabarito – onde por acaso o Francisco e o Aventar são mencionados, mas não é por isso, de forma alguma, que aqui se faz esta nota. Já referi que é um momento semanal marcante na agenda mediática?

PS: Arriscando destoar, aproveito para deixar duas notas:

  1. Acordo Ortográfico chega ao Supremo. Na net segue a petição por um referendo
  2. Assine a Iniciativa de Referendo

Lunaticidade em Portugal e na Venezuela

Temos rido algo sobranceiramente daquelas manias Venezuelanas de antecipar o Natal. Ora, o que se passa aqui é que o FMI vai prolongar a Quaresma. É mais ou menos a mesma coisa, [mas] em vez de [se] antecipar [, perpétua-se]. A época dos jejuns (…), dos sacrifícios, …» RAP, no Governo Sombra.

É de ouvir.

O país que vive acima das suas possibilidades

No Governo Sombra, o melhor programa de actualidade política do momento, que por acaso até tem graça, é sublinhado que 50% dos trabalhadores portugueses ganham até pouco mais de 700€ e 75% ganha até pouco mais de 1100 €.

Atendendo a que é um facto que o país vive acima das suas possibilidades (estamos falidos) e olhando para estes números vergonhosos, será pedir de mais que nesta campanha eleitoral isto seja um assunto a esclarecer? Pode o engenheiro explicar onde está o seu estado social, fora da recorrente propaganda? Podem os partidos da oposição apontar para onde vão os impostos? Desde já agradecem os que vos pagam os salários.