Impunidade

m

A Moody’s pronunciou-se sobre o rating da República. Meses após a última avaliação, o rating da dívida portuguesa mantém-se no nível Ba1. Lixo, portanto. Significa isto que continuamos a não ser dignos da confiança da notável agência de notação. E tudo isto é dramático, não tanto pela decisão, mas antes pela dependência umbilical em que nos encontramos face a este poder privado e não escrutinado que continua a decidir por nós. [Read more…]

O crime que compensa

gs2

Cartoon via NBCnews

Em Janeiro, o Goldman Sachs pagou mais de cinco mil milhões de dólares para encerrar um processo instaurado pelas autoridades norte-americanas, por ter burlado milhares de investidores com produtos financeiros tóxicos, que estiveram na origem da crise financeira de 2008, a tal que afundou a economia mundial, Portugal incluído, e que geraram lucros incomparavelmente superiores para o banco de investimento. Moral da história: se fores um banco, daqueles mesmo grandes, o crime compensa. No limite pagas uns trocos para serenar a justiça, que é tua amiga mas tem que manter as aparências, e não se fala mais no assunto. Ou não andasses tu a financiar presidentes e políticos por esse Ocidente fora. [Read more…]

Aquele raro momento em que a crise financeira serve de pretexto para alguém se safar

cl

Portugal foi assolado por uma violenta crise que, tendo tido a sua origem num cocktail de especulação financeira, terrorismo de mercado e décadas de governação criminosa, criou as condições perfeitas para um processo de sequestro democrático que o bloco central amavelmente aceitou, ou não fosse Portugal um protectorado pobre da burocratocracia de Bruxelas.

Tomados por um poderoso surto de síndrome de Estocolmo, os dirigentes do PS e, posteriormente, os de PSD e CDS-PP, comportaram-se como bons alunos, o equivalente moral, neste tipo de cenário, a dizer que se comportaram como um cão com um dono violento, que por muito que apanhe continua a abanar o rabo e a pedir festas. Seguiram-se meses de venda de património estatal ao desbarato, cortes salariais, em pensões e em prestações sociais, desinvestimento no Estado Social, desregulamentação laboral, brutais aumentos de impostos e milhares de portugueses em fuga para o estrangeiro. Os ricos ficaram mais ricos, os pobres ficaram mais pobres, a classe média entrou em vias de extinção e o fosso transformou-se num buraco negro. [Read more…]

Manipular a economia é desígnio divino e não merece castigo.

db

O Departamento de Justiça dos EUA pretende multar o Deutsche Bank em 14 mil milhões de dólares pelo seu envolvimento numa série de atentados terroristas que culminaram na crise financeira que afundou a economia mundial, levando países como Portugal e a Grécia na enxurrada. A jihad neoliberal arrasou tudo à sua volta, exceptuando, claro, as elites que tão bem souberam aproveitar o sangue nas ruas para comprar propriedade, como aconselhava em tempos um famoso terrorista venerado pela seita. [Read more…]

Irlanda prende três banqueiros responsáveis pela crise de 2008

Notícia da Reuters. Para quando o mesmo em Portugal?

Passos admite que crise financeira não foi paga por quem a originou

image
A crise financeira de 2008

“E seriam mais uma vez os portugueses, os mais desprotegidos e mais vulneráveis, seria uma vez mais a classe média a pagar o preço, como foi pago no passado”, reconheceu Passos Coelho, o primeiro-ministro que aplicou os sofrimentos em causa, ao mesmo tempo que poupava o sector financeiro.

Economists offer numerous reasons for the crisis. The immediate cause was the burst of the housing bubble. However, there are several causes that led to this point. Some proposed causes are risky lending and investments by banks, the rapid growth of the housing bubble, and government deregulation.
From the Economist, the causes of the Financial Crisis

Cantar para surdos

Angela Merkel explica a Passos Coelho:

Deve ter sido esquisito para quem está habituado a culpar “o Sócrates” ter ouvido a todo-poderosa Angela explicar que, por causa da crise financeira desencadeada nos Estados Unidos, e da sua propagação à Europa, os governos europeus desataram a apostar no investimento público para conter o descalabro das suas economias. Só que entretanto os investidores começaram a desconfiar de algumas economias (as mais frágeis) e a duvidar da fiabilidade de alguns para pagar as respectivas dívidas.

Dilma explica a Angela Merkel:

Questionada sobre se já manifestou a sua opinião à chanceler alemã Angela Merkel, com quem disputa a posição de mulher mais influente do mundo, Dilma respondeu que “tenho-lhe dito isto em todas as reuniões do G-20 (…). As receitas que estão a aplicar levarão a uma recessão brutal. Sem investimento é impossível sair da crise. Aceito que é preciso pagar as dívidas e levar a cabo a consolidação orçamental, mas é preciso tempo para que os países o façam em condições sociais menos graves. Não só por questões éticas, mas também por exigências económicas. [Read more…]