A Venezuela europeia da direita portuguesa

VO.jpg

Viktor Orban, o fascista que a imprensa controlada pela extrema-esquerda apelida de conservador, não vá a PIDE do politicamente correcto fazer-lhes uma visita, deu mais um passo no sentido de fazer a Hungria Great Again.

A poucos dias do Natal, para que não restassem dúvidas sobre a matriz católica apostólica romana que o norteia esta nova Hungria, onde a extrema-direita assume, sem rodeios ou cosmética, o namoro com neoliberalismo, Orban decidiu aumentar de 250 para 400 o número de horas extraordinárias anuais que o patronato pode exigir aos seus trabalhadores – e aqui a palavra “seus” assume contornos notoriamente esclavagistas – bem como de um para três anos o prazo-limite para proceder ao seu pagamento. [Read more…]

O poder absoluto do parceiro fascista do PSD

Orbán Viktor; VAN ROMPUY, Herman; MERKEL, Angela; DURAO BARROSO, José Manuel

Viktor Orbán, um daqueles fascistas a que a imprensa do costume gosta de chamar conservador, conseguiu a terceira maioria absoluta na Hungria. Viktor Orbán e o seu Fidesz, que lutam pela reintrodução da pena de morte na União Europeia e pelo envio de imigrantes para “campos de internamento” de trabalhos forçados. Que os perseguem e espancam, mulheres e crianças incluídas, porque na Síria e no Afeganistão ainda não sofreram o suficiente. Que são saudados pelos seus pares, apesar de integrados numa família política europeia que se diz democrática e defensora dos princípios basilares sobre os quais a União Europeia foi fundada. Cujos deputados europeus se sentam na mesma bancada que Nuno Melo ou Paulo Rangel, sempre tão disponíveis para nos falar sobre os horrores da era da Geringonça, mas sempre tão cobardemente calados quando o tema é o seu parceiro Orbán. Se bem que, se for para fazer comparações imbecis e desonestas, como as que fez o suprassumo académico Poiares Maduro, mais vale mesmo estarem calados.

VOVP.jpg

 

Antigo vice do partido de Passos Coelho apoia Donald Trump

PPCVO

Pois é caro leitor. Desci ao nível de parte significativa da imprensa nacional e usei um truque para chamar a sua atenção. Por momentos, talvez o tenha convencido de que um dos vices neoliberalóides de Pedro Passos Coelho teria finalmente saído do armário e declarado o seu apoio ao terrorista Trump. Não foi bem assim.

Porém, e apesar de não ter sido bem assim, também não foi muito diferente. É que o PSD, à semelhança de todos os partidos portugueses com assento no Parlamento Europeu, integra um partido europeu, no caso o PPE. Quem também integra o PPE é o Fidesz, o partido de extrema-direita que actualmente governa a Hungria, constantemente nas bocas do mundo pelo discurso violento e fundamentalista. Até há pouco tempo, o fanático que lidera o Fidesz, Viktor Orbán, era vice-presidente do PPE, portanto vice do partido europeu de Pedro Passos Coelho. Foi um truque mas não foi mentira nenhuma. [Read more…]