Web Summit, feira mundial do “bater punho”

Casaco com manga que é ecrã de um smartphone.

Os tocadores dos tambores do empreendedorismo

Santana Castilho

Pelo Expresso de 22 de Outubro, fiquei a saber que está criada uma “fábrica de líderes” (sic) em Cascais. A matéria-prima para a fabricação são 10 mil alunos de 50 escolas de Cascais. Diz a notícia que se trata do “maior programa municipal de empreendedorismo nas escolas” e afirma o obreiro mor, vereador Nuno Piteira Lopes, que quer “despertar o espírito empreendedor dos mais novos, dando-lhes ferramentas para encararem a criação de negócio próprio”. A iniciativa é da DNA Cascais, dita pelos costumes como associação sem fins lucrativos, mas verificada, de facto, como uma emanação da Câmara Municipal de Cascais. Com efeito, os associados fundadores são empresas municipais e a própria câmara e os órgãos sociais confundem-se, ora com políticos do PSD, ora com elementos da autarquia. Tudo em casa, pois, com a municipalização da Educação a passar de fininho, sob a égide da geringonça.

Softkills” (é talvez um acto falhado, mas é assim que está escrito no texto que cito) e “coaching”, são dois instrumentos pedagógicos com que o despertador de espíritos, Piteira Lopes, conta para catequisar 10 mil indígenas. O presidente da Câmara Municipal de Óbidos, o primeiro que se chegou à frente logo que a municipalização deu os primeiros passos, aquele que anunciou filosofia para os alunos do 1º ciclo do básico, yoga para os do jardim-de-infância e golf e eco design para os do secundário, não está mais só em matéria de arrojo. Já só faltam 306 contributos das restantes câmaras do país, no prometedor caminho da municipalização da Educação, para termos o curriculum nacional transformado numa empreendedora nave de loucos. [Read more…]

O predador que fala

Se eu fosse um desempregado a morrer de fome, tenho a certeza absoluta de que preferiria um emprego mal pago à morte por inanição, porque o mau, como é evidente, será sempre melhor do que o péssimo.

Não se pode condenar, portanto, o indivíduo que, diante das circunstâncias, opta por uma vida um pouco menos miserável, se é isso que a vida ou o país ou os dois têm para lhe oferecer.

Contudo, enquanto, num país, houver um único cidadão que esteja limitado a escolher entre a frigideira e o fogo, é o país que está a falhar. Se essa situação se multiplica, estamos a falar de um país falhado.

Há uns anos, escrevi sobre enfermeiras que trabalharam a troco de comida (houve quem chamasse a isso empreendedorismo); mais recentemente, espantei-me com o empreendedorismo da exploração de outros enfermeiros; pelo meio, comentei os elogios dirigidos a um menino muito empreendedor.

António Saraiva, ao defender que é preferível a precariedade ao desemprego, confirma o seu papel de macho alfa no bando de bestas quadradas que chamarão empreendedorismo ao acto de tentar encontrar comida no meio do lixo.

Um território dominado por predadores desta estirpe será sempre uma selva. Sociedade e civilização são conceitos diferentes.

Emprenhadorismo

Uma organização privada, da iniciativa de grandes empresas, ocupa uma parte do currículo da escola pública e obriga as crianças a frequentar sessões de doutrinação.

Emprenhadorismo

conamae
Aguardemos por um congresso internacional, lusófono, do Conamãe.

E por outros cursos. Empreendedorismo para bebés, empreendedorismo na adolescência, empreendedorismo em férias, empreendedorismo para casais, empreendedorismo para solteiros, para viúvas, para órfãos, para sem-abrigo, para intelectuais, para virgens, para capricórnios, para meninos-que-fazem-xixi-na-cama, para a puta que os pariu.

Assim nos emprenham, e não é apenas pelos ouvidos.

Gastando cera com ruim defunto

A semana passada tropecei nos dois trabalhos jornalísticos que aqui vos deixo. Não conhecia Manuel Forjaz, evito lixo televisivo e o empreendedorismo é ideologia a cujas missas não assisto.

Manuel Forjaz faleceu ontem, e todos somos solidários com quem apanha um cancro, muito mais quando é da nossa geração, como é o caso. Se a semana passada não tive tempo de vos apresentar a face oculta de um empreendedor para quem já há muito que tudo valia, a ética quando nasce não é para todos, sei que não o deveria fazer hoje. Mas a minha ética, por sua vez, também tem um limite: uma comunicação social hipócrita, vendida, repelente, que vomita elogios fúnebres a quem agora partiu omitindo há anos quem realmente foi, está para lá dele.

E também é para isso que os blogues existem, para relembrar os dois perdidos trabalhos jornalísticos  que nenhuma doença apaga:

artigo crime

Empresa de sucesso deixa centenas a “arder”

A Ideiateca era uma das empresas de consultoria de maior sucesso no mercado português. Com um volume de negócios de 1,5 milhões de euros em 2011, era o maior prestador de serviços de “cliente-mistério” no país. Em Setembro fechou as portas, sem avisar qualquer um dos milhares de colaboradores que tinha.

[Read more…]

Maria e o país das maravilhas: A primeira semana em S. Tomé e Príncipe

Praia de Água Izé - as roupas espalhadas pelo areal são de pessoas que não têm água canalizada em casa

Praia de Água Izé – as roupas espalhadas pelo areal são de pessoas que não têm água canalizada em casa

Maria Gomes Moreira*

Todas as pessoas novas que conhecemos, todas as pessoas de Portugal com quem falo, todas perguntam “e então as primeiras impressões de São Tomé”? A primeira memória é quando o avião começa a aterrar, e se começa a ver no meio do mar uma mancha verde. E depois, ao sair do avião, respirar pela primeira vez este ar, pesado, quente e com cheiro a terra molhada. Só o caminho do aeroporto até casa, sempre com o mar ao lado, já vale a pena uma visita a São Tomé.

O dia começou logo com uma ida ao centro da cidade. Se à primeira vista parece que estamos a aterrar em qualquer ilha deserta e paradisíaca, na cidade a agitação é mais que muita. Já não basta todas as motas, todas as bancas a vender comida na rua ou recargas para telemóvel (sim, é mais fácil carregar o telemóvel aqui do que em qualquer sítio em Portugal – em todas as esquinas há uma banquinha onde se pode comprar “saldo”), mas para além disso a presença de um branco não passa indiferente. Todas as pessoas nos chamam, mandam beijinhos, gritam “ééé brancaéé”. [Read more…]