Não, não há vergonha na cara

Francois Fillon, former French prime minister, member of The Republicans political party and 2017 presidential candidate of the French centre-right, attends a political rally as he campaigns in Charleville-Mezieres, France, February 2, 2017. REUTERS/Christian Hartmann

Admitir um erro destes não o apaga, assusta. Assusta porque um dia a coisa banaliza-se e forrobodó instala-se definitivamente. E parece que já faltou mais.

– Pá, eu sei que dei uns tachos a minha mulher e aos meus filhos, tachitos bons, tachitos que eram para uma coisa e serviram para outra, tudo isto à conta do contribuinte, mas estou muito arrependido e gostaria de agradecer a vossa compreensão tornando-me no vosso próximo presidente. Mas não se preocupem que a minha credibilidade não está em causa. Foi tudo legal e transparente. Tão transparente como me apresento hoje aqui perante vós, cidadãs e cidadãos (colocar nacionalidade), colocando a nu todos os meus podres.

Desculpas destas não se pedem, evitam-se.  [Read more…]

Os ajustes directos do ex-patrão amigalhaço de Passos Coelho

Passos e Rogério

Foto: Dário Cruz@Diário de Notícias

Ontem falei aqui sobre Rogério Gomes, ex-patrão e amigalhaço do primeiro-ministro que, coincidência das coincidências, Pedro Passos Coelho levou consigo para Comissão Política Nacional do PSD em 2010 e que agora está responsável pelo programa eleitoral para as Legislativas deste ano. Já dizia o Freddie Mercury, friends will be friends.

O problema é que alguns amigalhaços do primeiro-ministro são bastante dispendiosos e, em muitos casos, verdadeiramente inúteis. Ele nem queria dar emprego aos amigos mas nisto da política de inspiração siciliana, parafraseando Ricardo Araújo Pereira, “quem tem rabo tem medo e quem tem rabo de palha tem ainda mais“. E não fosse a Urbe transformar-se noutra Tecnoforma, há que por a especialidade de Passos em prática e abrir uma porta ao ex-patrão.

Acontece que, para além dos ajustes directos feitos à custa do erário público pela ONG que Rogério Gomes criou, e que têm beneficiado algumas associações às quais está ou esteve ligado conforme noticiou ontem o DN, este amigalhaço do primeiro-ministro recebeu também um ajuste directo do IPDJ, tutelado pela Presidência do Conselho de Ministros que, como sabem, é chefiado pelo amigalhaço Pedro Passos Coelho, no valor de cerca de 61 mil euros para que a sua ONG prestasse serviços de assessoria e consultadoria ao instituto público. Passos não se cansa de abrir portas para os amigos. E que bem que se vive na corte do contador de histórias para crianças.

O homem que não queria ser eleito para dar emprego aos amigos

Boys

Fotomontagem@Uma Página Numa Rede Social

À imagem do proprietário, o Twitter de Pedro Passos Coelho é um hino à arte de aldrabar e iludir eleitores. Dos impostos que não iam ser aumentados aos anéis que não iam ser vendidos, há lá matéria para envergonhar uma pessoa de bem ao ponto de pré-depressão com tendências suicidas.

Hoje descobri este simpático lembrete n’Uma Página Numa Rede Social que costumo visitar e que aconselho vivamente a que consultem também. Dizia Passos que não queria “ser eleito para dar emprego aos amigos“. Que queria “libertar o Estado e a sociedade civil dos poderes partidários“. Mas como a palavra do primeiro-ministro vale tanto como as profecias de um qualquer messias de uma daquelas seitas ultra-radicais que antecipa o Apocalipse, os boys continuam a crescer e a multiplicar-seSegundo o Jornal de Negócios, a Segurança Social está “enxameada” deles. Há um ano e meio eram cerca de 4400, hoje já devem andar nos 6 ou 7 mil. Adorava conhecer os números do desemprego jovem nas direcções concelhias, distritais e nacional da JSD e JP. Devem estar ao nível da Alemanha. Não admira o papel servil e as figuras ridículas que vão fazendo para defender o indefensável.

Octaphraudócrates

«… é objectivamente mais grave prejudicar o interesse público, em nome de interesses particulares adoptados por influência de amigalhaços do que prejudicar interesses particulares por influências particulares.» josé

Pois é, josé. Segue-se que, curiosamente, não se passa nada num País de merda.