Praxado com vodka

9580fb38c055t

Crato acha que na URSS os sindicatos eram oposição. Segue-se uma grande ressaca.

No aniversário do Facebook

O filme da vida de 99% dos portugueses, realizado por João Pico.

Crato e os Sindicatos

Para Ministro da Educação os Sindicatos fazem “uma oposição sindical quase soviética”
Imagem

Cavaco Silva não adopta o Acordo Ortográfico de 1990

sampaio guterres durao cavaco

© ACNUR/ S.Hopper (http://bit.ly/1na93XN)
© ENRIC VIVE-RUBIO (http://bit.ly/1na9cdV)

É verdade, já sabíamos. Contudo, no prefácio deste livro de Xanana Gusmão, ficam dissipadas aquelas dúvidas que pudessem ainda subsistir: tudo continua como dantes.

Aliás, através de uma leitura atenta dos quatro prefácios, não se detecta qualquer vestígio de adopção do AO90.

Sampaio, Guterres, Cavaco Silva e Durão Barroso não vêem qualquer necessidade de adoptar o AO90, num livro promovido pela CPLP (sim, pela CPLP) — permitam-me que volte a perguntar: para quê?

Foi ainda durante o mandato de Xanana Gusmão como Primeiro-Ministro que a economia timorense registou quatro anos sucessivos de forte crescimento, que o país foi objecto, pela primeira vez na sua História, de um plano sistemático de electrificação e se procedeu ao lançamento dos alicerces de uma rede de protecção  social em larga escala.

Aníbal Cavaco Silva

***

A mesma visão e a mesma liderança são expressas nos discursos compilados neste livro, documentando um projecto que em vários aspectos foi tão difícil como a conquista da independência: a construção de um novo país democrático e com unidade nacional, por via da reconciliação e do desenvolvimento.

António Guterres

***

20 de Maio de 2002 ficará para sempre gravado na minha memória.

José Manuel Durão Barroso

***

No dia seguinte, em mais um acto excepcional, apresentei, pessoalmente, ao Presidente Xanana Gusmão o primeiro Embaixador de Portugal em Timor-Leste.

Jorge Sampaio

Já toda a gente sabe

Sim, a história já chegou ao Financial Times e ao Wall Street Journal. Até no MIT já devem saber.

A ex-ministra amnésica e o secretário da estado burro

gabriela-canavilhas-7d30
O Jorge já se referiu à questão das obras de Joan Miró.
Tal como a ele, faz-me confusão a amnésia selectiva da ex-ministra Gabriela Canavilhas. Uma das maiores terroristas culturais do nosso país, uma das principais responsáveis pela destruição do Vale do Tua e da sua linha ferroviária única, tem o desplante de vir agora clamar contra a venda de algumas dezenas de quadros de um pintor espanhol. Minha senhora, sou contra essa venda, mas não me esqueço do que fez quando passou pelo Governo com um património mil vezes mais importante do que aquele que está agora em causa.
Quanto ao actual secretário de estado, é de uma demagogia incrível ao perguntar se os portugueses querem que se vá buscar dinheiro à Saúde ou à Educação para pagar aquelas obras. É que as pinturas de Miró já pertencem ao Estado, não é preciso ir buscar dinheiro a lado nenhum porque elas já cá estão. Para injectar mais 510 milhões no BPN (nunca vai parar?), sim, é preciso ir buscar dinheiro à Educação ou à Saúde. Para as pinturas não.
Para além de demagógico, é burro. Ao falar como fala, no fundo está a dizer que a Cultura não serve para nada porque os tempos são de austeridade. Ele próprio não está lá a fazer a ponta de um corno. Ele próprio não tem razão de existir enquanto secretário de estado, nem o assessor que contratou a ganhar 3 mil euros por mês, nem o seu «motorista especial», nem o raio que os parta.

Just Kidding

Fotografia de Egídio Santos

Fotografia de Egídio Santos

Reforço de Meios do INEM

nova-ambulancia-inemO Ministério da Saúde não quer que vos falte nada, nada! (©?)

Desabafo de uma pessoa com deficiência

Não a conheço pessoalmente, mas por um daqueles acasos da vida muito intermediados por uma rede social cujo nome não referirei e que acaba de completar dez anos de idade, encontrei a Manuela Ralha.
É uma entre muitas vítimas de acidentes que ficam amarradas a uma cadeira de rodas.
Pois bem, esta Mulher, esta Senhora, que eu não conheço pessoalmente, decidiu que a cadeira de rodas não seria o fim. Que o seu mundo não acabaria ali. [Read more…]

Sou sensível à cultura mas aprecio ainda mais a soberania

Onde é que estava a PGR, o Ministério Público e a deputada Canavilhas e o PS quando a infraestrutura de distribuição de energia eléctrica (REN) passou para o controlo de outro estado (China)? E onde está a habitual justiça caracol que ainda não conseguiu julgar as pessoas que faliram o BPN, passados cinco anos? Dois exemplos, apenas.

Tudo tem o seu lugar e a cultura não deve passar a parente pobre em tempos de crise. Este post não é sobre isso mas sim sobre os que vêm a oportunidade mediática para vir para os holofotes, tendo ficado calados perante situações da maior gravidade.