A ler

Bombardeamento preventivo, com target look nas soluções não autorizadas.

O melhor mordomo do mundo

DB

Foto: lainformacion.com

Já tínhamos o melhor jogador de futebol do mundo, o melhor treinador de futebol do mundo (e, se não estou em erro, o segundo melhor também), o melhor agente de futebol do mundo, o melhor corredor de maratonas BTT do mundo, o melhor praticante de jiu-jitsu do mundo (nem no Japão, toma!), o melhor lagar do mundo, o melhor peixe do mundo e, claro está, faltava-nos o melhor mordomo do mundo. Confesso que já acreditava nele antes mesmo do anúncio da mudança de bandeja e pano para o Financial District, mas o convite – chamemos-lhes assim – do Goldman Sachs é a grande confirmação que Portugal esperava. Nem sei como se deu tanta importância ao jogo da bola. [Read more…]

Fascismo húngaro

Conservadorismo, proteccionismo e regulação do mercado nunca produzem crescimento nem defendem o consumidor. Apenas servem corporativismo e protegem interesses instalados. Os extremos tocam-se…

Quando Deus é o mercado e a inspiração é o dinheiro

Santana Castilho

Carl Levin Milton, advogado e ex-senador pelo Michigan, foi curto e grosso sobre o Goldman Sachs, quando o identificou como “um ninho financeiro de cobras, repleto de ganância, conflitos de interesses e delitos”. O Libération foi fino quando opinou que Durão Barroso fez um simples manguito à Europa.
Eu parafraseio ambos para acrescentar que tudo converge. Se há talento que Durão Barroso sempre teve foi para aproveitar as oportunidades e fazer manguitos à ética e à moral. Foi assim quando desertou do Governo; foi assim quando cooperou com o crime do Iraque; é assim, agora, quando regressa aonde sempre esteve, isto é, para junto dos que promovem fortunas obscenas e calcam os mais fracos. A sua ignóbil conduta faz-me pensar nos valores que a educação instila nos jovens.
A educação é pautada pela doutrina da sociedade de consumo. Os alunos são orientados para os desejos que a orgia da publicidade fomenta. Paulatinamente, muitos professores foram-se transformando em peões de um sistema sem humanidade. Paulatinamente, aceitaram desincentivar os seus alunos de questionar e discutir causas e razões.
Teoricamente livres, usamos a nossa liberdade para permitirmos que nos condicionem. Tudo é mercadoria, educação inclusa. Preferimos estar sujeitos a mecanismos de controlo social a criar mecanismos de oposição ao sistema e de desenvolvimento de outro tipo de desejos: o desejo de visitar a vida, de cooperar com os outros.
Os sistemas de educação deixam as nossas crianças sem tempo para serem crianças. Porque lhes definimos rotinas e obrigações segundo um modelo de adestramento que ignora funções vitais de crescimento. O ritmo de vida das crianças é brutalmente acelerado segundo o figurino errado de vida que a sociedade utilitarista projecta para elas. Queremos que elas cresçam depressa. [Read more…]

A inspiração socrática da direita radical portuguesa

JSPPC

Enquanto os porcos triunfam, a direita radical portuguesa e o seu ministério da propaganda vivem um momento histórico. Uma vez mais inspirados pelo percurso ímpar de José Sócrates, milhares de fanáticos procuram provar ao país que um delírio mental e a realidade dos factos são uma e a mesma coisa. Tal como os socráticos, passistas e marcoantonistas criaram uma narrativa que iliba a sua governação de responsabilidades relativamente à ameaça de sanções pelo incumprimento das metas do défice no período 2013-2015. A única diferença é que os socráticos enfrentaram uma crise financeira sem paralelo desde 1929, o que de resto não apaga ou sequer minimiza os estragos causados por anos de despesismo e má gestão socialista. Mas não deixa de ser enternecedor ver a forma como a casta passista recorre e copia os piores métodos do seu antecessor. É o que dá virem todos da mesma escola e serem liderados (oficialmente) por alguém tão básico e em permanente estado de negação. Não existem coincidências.

Filhadaputice é isto

EU defict wall of shame

Seis países não cumpriram as regras do pacto de estabilidade em 2015

Disse-se que houve unanimidade entre os ministros das finanças europeus, que formam o Ecofin, na aplicação de sanções a Portugal. O que é falso, logo em primeiro lugar.

Durante a reunião não houve votação. Portugal e Espanha manifestaram-se contra as sanções, mas os restantes países não levantaram objeções dando luz verde à decisão. [Expresso]

Nem houve votação. Assim se confirma, novamente, que a “europa” é o projecto de um país, capaz de impor aos restantes o seu domínio.

Mas quem cala consente. Seis países ficaram em procedimento de défice excessivo em 2015. Croácia, França, Grécia, Reino Unido (se ainda conta), Portugal e Espanha.

A Croácia calou-se. A França calou-se. A Grécia calou-se. Filhadaputice é assobiar para o lado enquanto as chamas do vizinho não chegam ao palheiro. Mas lembrando Brecht

Actualização: a Grécia opôs-se às sanções.
Vivemos um tempo em que a contra-informação domina a informação. Neste caso, passámos de unanimidade para vários protestos. Mesmo assim, não chegou a haver votação. Grande europa.

Euro 2016

transferir (1)Não é bonito apontar para os erros dos outros, quando nos chamam a atenção para os nossos. Não há cantilena mais embirrante do que a lamúria do pois toda a gente faz o mesmo e eu é que sou condenado.

Em princípio, portanto, estaria pronto a criticar o facto de Portugal ser um desses queixinhas que apontam para os défices alheios com o fito de desculpar o próprio.

A verdade, no entanto, é que há números que dão que pensar e que podem facilmente transformar um queixinhas num queixoso com razão.

De acordo com o Institute for Economic Research, já houve 114 violações das metas estabelecidas e, neste momento, apenas Portugal e Espanha estão sujeitos a possíveis sanções. Essas 114 (por extenso: cento e catorze) violações não foram levadas a cabo apenas por Portugal e Espanha: o país que mais vezes falhou neste campeonato foi a França, mas Juncker já explicou por que razão a França não pode ser castigada.

Note-se, ainda, que as possíveis sanções são consequência do défice deixado por Passos Coelho e por Maria Luís Albuquerque. Relembre-se, também, que os vários falhanços das metas estabelecidas foram sempre considerados sucessos pelas mesmas instituições que hoje ameaçam um governo que ainda não falhou as previsões. Percebe-se: com Passos, o país continuaria a retirar direitos e dinheiro aos trabalhadores, que os PIIGS querem-se pobrezinhos e prontos a pegar nas bandejas com bebidas exóticas.

O verdadeiro Euro 2016 é este, o campeonato em que há jogadores que são árbitros e que, por isso, podem distribuir porrada à vontade, porque são os donos do apito. Todos sabem que as metas do défice não são alcançáveis, mas usam-nas como instrumento de pressão, para ajudar multinacionais e bancos, à espera do prémio.

Isto já está a dar maus resultados e a União Europeia não é união e nem sequer se pode dizer que seja europeia, porque a ideia de Europa deveria ser outra, especialmente depois de tanta História.