Cretinices do dia

O ministro que tem a pasta da educação, Tiago Brandão Rodrigues de sua graça, afirmou hoje de manhã que as negociações informais tinham falhado e que, assim, não valia a pena ir para negociações formais. Aqui está um conceito novo: negociações informais. Mas, mesmo assim, são a valer. Só que não contam porque são informais. Mas contam porque não houve cedências (formais) e, portanto, nada muda do que poderia mudar nas negociações formais. Enfim, está atribuído metade do troféu da cretinice.

António Costa andou estes anos todos a falar em reposições mas agora o que tem para oferecer são 2 anos e uns meses de recuperação de tempo de serviço dos professores, em vez dos 9 anos. Deverá ter havido um mal entendido do lado dos professores, pois estes não perceberam que as reposições eram ao nível dos balanços dos bancos. Nestes sim, houve reposição e da boa.

[Read more…]

António Costa e a natalidade

A chegada de António Costa à função de Primeiro-Ministro teve reflexo na Natalidade. Este é um feito extraordinário. Muito mais do que o défice.

Quantos professores são necessários?

daviddinisDavid Dinis dá, hoje, professoralmente, as suas notas a agentes políticos, classificando com nota negativa o ministro da Educação, abaixo ainda de Passos Coelho.

Se Nuno Crato foi uma enorme desilusão, Tiago Rodrigues é apenas uma grande ilusão, sobretudo para muitos que são de esquerda. O facto de não estar a pensar rever medidas verdadeiramente danosas para a Educação é prova disso, mas o meu objectivo, agora, é escrever sobre  outros ilusionistas.

David Dinis, como qualquer neoliberóide-ignorante-atrevido, usa o seu desconhecimento e o fascínio pelas médias, para insinuar que não serão necessários mais professores. A linhagem a que pertence o actual director do Público gosta de dizer que o Ministério da Educação não tem de ser uma agência de empregos que garanta a contratação de todos os que possam e queiram ser professores.

Sendo isso um truísmo, a verdade é que o Ministério da Educação, com destaque para Nuno Crato, tem sido uma agência de desemprego ou, na melhor das hipóteses, um centro de ocupação para professores precários. Os últimos ministros que ocuparam a pasta não foram da Educação e sim do orçamento ou, mais propriamente, foram (e continuam a ser) agentes liquidatários de um sistema público fundamental num país civilizado. [Read more…]

Rui Vitória alcança o tetra e garante colinho

Rui Vitória foi pai pela quarta vez.

Não voto Nuno Crato (II)

IMG_20140926_110431Nuno Crato foi um dos mais competentes Ministros de Pedro Passos Coelho e Paulo Portas. E, tal apreciação, é de fácil validação –  que Ministro despediu mais gente?

Quem foi o Ministro que conseguiu ser mais eficaz a exterminar trabalhadores da Função Pública? Acertou!

Nuno Crato.

O primeiro ano lectivo preparado pelo sr. do plano inclinado foi o de 2011/2012. Ora, nas Escolas Públicas portuguesas no ano anterior tinham trabalhado 162625 docentes (os números são do próprio MEC). Em 2013/2014, o último ano com número conhecidos estiveram a leccionar 141850. Em dois anos 20775 trabalhadores despedidos. Conhecem alguma empresa em que isto fosse possível?

A esta hora, estará a pensar na profunda demagogia deste texto porque não estou a considerar a descida no número de alunos. No mesmo período o número de alunos nas Escolas Públicas desceu 6,24 % enquanto o despedimento atingiu 12, 77%.

Não foi a natalidade que despediu professores. Foram duas convicções:

  • para Nuno Crato,  menos escola pública é suficiente para formar os portugueses, porque isso de ser Doutor é apenas para alguns;
  • a Escola Privada deve ser apoiada e receber mais dinheiro porque os patrões dos privados são nossos amigos.

Nunca, como nesta legislatura se assistiu ao desinvestimento na Escola Pública.

Nunca, como com Nuno Crato, o dinheiro passou da Escola Pública, de todos nós, para a Escola Privada, que é, apenas de alguns.

Pela Escola Pública, dia 4 não voto em Nuno Crato.

#naovotonunocrato

Estou-me nas tintas para as eleições (dos outros)

natalidade

Emigrem, trabalhem mais 4 dias por ano, recebam menos dinheiro, trabalhem mais horas por semana e paguem mais impostos.

Mas vai ser a porcaria do meio dia que não se trabalhe (e recebendo menos 40% de salário – antes ou depois dos cortes?), desde que se seja funcionário público, que vai fazer com que apareçam crianças.

Eis o plano dos partidos “Portugal não é um paraíso de mão-de-obra barata”  e do “ai o dinheiro dos contribuintes e dos reformados”.

Os portugueses devem ser muito diferentes dos povos dos outros países, só pode. É o sol, contrário à agitação, que estraga tudo. Lá no norte está frio e é preciso aquecer.

Badamerda mais as vossas mentiras da treta.

Infografia: Público

Um cretino é um cretino e é um cretino

“Querem incentivar a natalidade? Permitam o consumo livre de álcool por adolescentes.” – professor Vítor Cunha.

Cratilinárias

CatilináriasRecentemente, Passos Coelho, licenciado em Economia, descobriu que as pessoas, por ganharem menos, gastam menos. Já Vilaça, personagem de Os Maias, comentava a formatura de Carlos, dizendo a si mesmo: “Grande coisa, ter um curso!” Grande coisa Passos Coelho ser economista, que, mais tarde ou mais cedo, chega quase a perceber o que se passa com os cidadãos. [Read more…]

Mente, Coelho, mente

coelhoRepetir mentiras até convencer a opinião pública de que são verdades é uma técnica há muito enraizada nos perigosos inúteis que nos governam.

Com o objectivo de despedir muitos e tornar precários outros tantos, o governo tem explorado a ideia de que é necessário dispensar professores, porque há menos alunos. Aí está o Coelho a falar sobre a escola pública sobredimensionada, que há professores a mais para as crianças que temos.

É claro que a opinião pública anestesiada cai na esparrela e este é um tema recorrente, fácil de explorar num país com políticos que não informam e com cidadãos que não querem ser informados.

Um leitor menos crédulo, ainda assim, poderá perguntar: “Mas não é verdade que houve uma quebra da natalidade?” Claro que houve e a tendência será para continuar, graças, também, às políticas de empobrecimento em vigor. A questão é que não há nenhuma relação entre essa quebra e a necessidade de prescindir abruptamente de milhares de professores, por uma razão muito simples: a eventual diminuição do número de alunos, nos últimos dois anos, por exemplo, não justifica o despedimento maciço de professores no mesmo período. [Read more…]

Desempregado oferece-se: ao serviço da natalidade

Konigvs

Não é este governo que diz que é preciso ocupar os malandros dos desempregados?

Eu estou desempregado tenho muito tempo livre, o governo que mande umas quantas gaijas aqui para minha casa todas as semanas, com as análises em dia, que eu prontifico-me a trabalhar pela natalidade nacional a troco de um salário mínimo + subsídio de alimentação.

Bem, agora até fiquei a pensar, na volta até vou ao IEFP pedir apoio e abrir um negócio por conta própria, porque isto pode ser uma profissão com futuro:

“-Não tem tempo para pinar?

-Chega a casa cansado e não tem tesão?

-Está farto de olhar sempre para as mesmas mamas e a mesma rata?

Entregue desde já a obrigação das tarefas matrimoniais a um profissional devidamente credenciado para o efeito e livre-se do tédio que é a sua vida sexual.”

Governo quer portugueses em party time

Governo quer criar part-times para que haja tempo de ‘fazer filhos’

Peste parlamentar

No mural do Rui Zink, descobri, em boa hora, uma ligação para mais um texto que ilustra as qualidades da classe política. Carlos Peixoto, deputado do PSD, resolveu brindar o povo com a sua opinião sobre o envelhecimento do país.

Usando de uma imagética elegantíssima, produz esta frase lapidar, mesmo ferida pelo uso deficiente da regência: “A nossa pátria foi contaminada com a já conhecida peste grisalha.”

Depois de debitar alguns números sobre o decréscimo da natalidade, mostra-se preocupado, quase revoltado, com a emigração, o que lhe poderá valer um processo disciplinar, uma vez que foi o próprio primeiro-ministro a aconselhar os portugueses a emigrarem.

É então que, poeticamente, passa a repetir, assustadoramente, o adjectivo “assustador”, recitando a ladainha das inevitabilidades, como bom vigário da igreja dos últimos dias do Estado Social, essa mentira inventada por quem não quer assumir a verdadeira origem da dívida pública. Como qualquer membro de uma seita fundamentalista, descobre hereges combustíveis nos funcionários públicos e nos portadores de cabelos brancos. [Read more…]

E se for preciso, vai fazer um ou dois ao domicílio

Putin quer pelo menos três filhos por cada família russa

 

Uma verdade repetida muitas vezes

Poderá um dia ser vista como A verdade.

A vontade salazarista de cortar e destruir tudo o que é público, tudo o que se possa assemelhar a algum tipo de redistribuição da riqueza do país tem feito algum caminho, com os resultados que estão à vista – de PEC em PEC, cortando mais do que nos exigia a TROIKA e eis o resultado: o abismo.

Já se fala em novos cortes, especialmente na Educação onde Nuno Crato tem defendido a natalidade como a Mãe de todos os problemas.

Mas são os documentos do próprio Ministério que desmentem o sr. Ministro.

Os números são claros: de 2004 a 2011 o número total de alunos passou de 1683008 para 1822153, enquanto o número de docentes desceu de 180483 para 177251 – nestes números estão considerados todos os sub-sistemas, públicos e privados.

Caros leitores, a verdade é esta: o número de alunos no sistema educativo aumentou! [Read more…]

É preciso contratar mais cem mil professores

A afirmação que serve de título a este texto é tão leviana como as afirmações proferidas por José Manuel Fernandes, habitual produtor de leviandades, sobretudo quando escreve sobre funcionários públicos, essa subespécie do gorgulho. [Read more…]

Vamos poupar 12 Euros?

                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                            -Qual será a opinião de Paulo Portas, sobre este colossal incentivo à natalidade, tema que constitui desde sempre uma das bandeiras do CDS/PP?