O seu pai era duas pessoas

O seu pai era duas pessoas —

Um velho chamado José, que era carpinteiro,

E que não era pai dele;

E o outro pai era uma pomba estúpida,

A única pomba feia do mundo

Porque não era do mundo nem era pomba.

E a sua mãe não tinha amado antes de o ter.

                                                     Alberto Caeiro

Confesso que não tenho problemas com humor. Quando se trata de rir, não tenho nada sagrado. Consigo rir até daquilo que me revolta: acho imensa piada a Sócrates, a Passos Coelho e até a Cavaco Silva, por exemplo, mesmo sabendo que são três dos grandes problemas do país.

O cartaz do Bloco de Esquerda está a dar que falar e ainda bem, que a vida não pode ser só foras-de-jogo mal assinalados ou penalties por marcar. A piada sobre a dupla paternidade de Jesus não é das piores, mas já vi melhores. No que respeita a humor sobre Cristo ou sobre religião, é difícil sequer alguém aproximar-se de  A Vida de Brian ou do poema de Caeiro de que retirei um excerto para servir de epígrafe a este texto.

Felizmente, vivemos num país em que a liberdade de expressão ainda vai reinando, o que permitiu a muitos comentar o cartaz. Bom sinal. [Read more…]

José Rodrigues dos Santos e o lobo

Entre o episódio dos paralíticos gregos e o da possível brincadeira à volta da sexualidade de Alexandre Quintanilha, há uma diferença: desta vez, José Rodrigues dos Santos (JRS) pediu desculpa. Justiça lhe seja feita.

Convém, de qualquer modo, lembrar a persistência das dúvidas de Alexandre Quintanilha e ler o texto de Ferreira Fernandes. Além disso, se é certo que este problema não se colocaria se Quintanilha não fosse homossexual, é igualmente certo, na minha opinião, que, com outro jornalista, a polémica dificilmente atingiria as proporções que atingiu.

Basta ver, mesmo fazendo justiça a JRS, que, no meio das desculpas, não consegue deixar de enviar alguns remoques: que está tudo louco e que as críticas resultam de invejas. Nada que espante em alguém que está demasiado cheio de si. Junte-se a este caldo que é, no mínimo, estranho que um jornalista não saiba nem queira saber que Alexandre Quintanilha é homossexual ou a por que partido foi eleito, não por pura coscuvilhice, mas pelo eventual interesse jornalístico que isso possa ter.

Digamos, portanto, que, tendo em conta as pantominices e os disparates que JRS tem produzido ao longo dos anos, não ficaria admirado que lhe passasse pela cabeça fazer uma piada sobre a homossexualidade de uma figura pública. Acrescento, a propósito, que não tenho nada contra piadas sobre qualquer assunto, mas deixaria isso para humoristas ou, na pior das hipóteses, para gente que escreve em blogues. [Read more…]

Afinal quem foi engrolado?

A extrema-direita insurgente e blasfema acha que lhe caiu no sapatinho um Artur Baptista da Silva. Vai-lhes custar a entender como o presente estava envenenado.

Não querem contra-argumentar em relação ao que o homem disse (e que é de senso comum), tal como Pires de Lima comeu e calou num frente-a-frente televisivo  A festa surge porque podem atacar ad hominen, com razão, convenhamos, embora não tão extensível como pensei inicialmente em relação ao jornalista Nicolau Santos (um homem, que soube admitir o seu erro, coisa que nem sequer entendem, os fanáticos desconhecem a remota possibilidade de perderem a razão): a responsabilidade principal cabe a um desses clubes lisboetas onde se janta numa anglo-tradição de snobs, e pelos vistos um cartão de visita chega perfeitamente como credencial. Curiosamente não enrolou a Associação Abril, horror dos horrores, podia ao menos ser uma colectividade de Novembro,

Eu levo com o clássico argumento insurgente: faltam-me “uns rudimentos de economia”, e isto vindo de uma casa onde se confunde diariamente finanças e gestão com economia política e a ignorância sobre e História Económica e Social é crassa, esgotado o catecismo de Viena. De caminho levo com uma inovação vocabular, “engrupido“, seja lá o que isso for na língua em que foi imaginado. Nada de novo onde já me foi explicado que como professor de História do secundário não estava à altura dos doutos, por sinal ignorantes. [Read more…]

Manuel Loff responde a Rui Ramos

No Público de hoje,

O debate de ideias não é fácil. E menos ainda quando se o procura evitar arrastando-o para um terreno que se pretende descrever como moral, quase judicial. Rui Ramos (RR), coordenador da História de Portugal que o Expresso que o decidiu oferecer aos seus leitores e que eu critiquei, na parte que lhe cabe, nas minhas duas últimas crónicas no PÚBLICO (2 e 16 de agosto), queixava-se há dois anos de que “vivemos num mundo muito diferente do que eu vivi em Inglaterra ou em Espanha, onde nos mesmos seminários, congressos e departamentos convivem pessoas com ideias muito diferentes, discutindo acalorada ou friamente, mas debatendo ou divergindo” (PÚBLICO, 31.5.2010). Ramos reagira assim quando, no PÚBLICO, São José Almeida o confrontou com as opiniões de vários historiadores (F. Rosas, A. Costa Pinto, M. de Lucena, I. Pimentel, eu próprio, com quem ele, mal ou bem, tem convivido em congressos, júris, comités), entre as quais se formularam críticas mais duras do que aquelas que eu agora dirigi ao seu trabalho. [Read more…]

Fuck You, Januário!

Nunca gostei do Januário e o que soube dele, pedante, bruto e aristocrático em privado como Soares, piorou-me o conceito. Se ele é bispo castrense, eu, que sou católico com todo o meu ser e desde o âmago das minhas convicções, quero ser hindu. Januário é feio. Januário veste-se mal. Januário cheira mal da boca. Januário especula e inocula os concubinos. O Januário nu é horroroso. Quando o devoto coro canta de mais, o Januário, enquanto ministra beatamente a comunhão, manda dizer ao maestro: «Mande parar essa merda!»

O que me chateia não são as hipérboles de mau gosto com que vem homologar Pedro Passos Coelho e o seu Governo pacientólogo ao velho e avaro Regime salvador de Salazar. Isso é estilo e diarreia. O que me chateia é que Januário meta nojo selectivamente, tendo-o eu visto e ouvido, ao Torgal, com estes olhos e orelhas que serão absorvidos pela Terra da Promissão na Sua Gloriosa Catábase, indiferente e taciturno perante a espessa obscenidade masturbatória dos média em que consistiu o grande assalto ao Estado pelo Filho da Puta que agora se locupleta em Paris: o Filho da Puta promoveu e chantageou todo um eleitorado pelo aborto contraceptivo. Torgal assobiou para o lado. O Filho da Puta pariu e mandou parir obscenidades grosseiras como a do Tua. Torgal assobiou para cima. O Filho da Puta é responsável pelo monstruoso crime sem castigo das últimas PPP político-comissionistas, altamente onerosas dos contribuintes, mas vantajosas para os decisores e a parecerística outsourcing sorna do Regime, com a agravante de o País tomar o rumo que tomava. Torgal mijou para fora do testo. [Read more…]

Educação: a diferença entre PS e PSD está sobretudo no D (parte 2)

Santana Castilho: programa do PSD é “continuação do programa de má memória do PS”

 

Várias vozes tornaram nítido o excesso de parecenças entre os programas do PS e do PSD no âmbito da Educação, sendo de analisar, a propósito, a entrevista dada por José Manuel Canavarro e o comentário feito pelo Paulo Guinote a essa mesma entrevista.

Santana Castilho, recentemente, emitiu, desiludido, uma opinião semelhante. Note-se que o fez durante o lançamento do seu mais recente livro, na presença do autor do prefácio, Pedro Passos Coelho. Note-se, ainda, que Santana Castilho tem colaborado com o PSD no campo da Educação, sendo que o partido terá ignorado algumas das suas sugestões.

Não está em causa, evidentemente, o direito de seleccionar as propostas. O problema é que será difícil manter, no essencial, o pior da governação PS e querer ser melhor do que o PS. O outro problema é a tendência, eventualmente diplomática, de Passos Coelho para querer estar de bem com Deus e com o Diabo: ora, muito do que afirma José Manuel Canavarro contraria o que defende Santana Castilho. 

Ou é indefinição a mais ou o objectivo  é falar em mudança, no presente, para que tudo fique na mesma, no futuro.

 

A finura e a delicadeza de um Bastonário

Manuel António Pina, que por acaso é um dos maiores portugueses vivos, acusou o Bastonário da Ordem dos Advogados , na sua habitual coluna de opinião do JN, de ter sede de protagonismo, ainda a propósito da «greve» às eleições de 5 de Junho.
Marinho e Pinto, respondendo ao nível a que nos habituou, chamou-lhe cretino (8 vezes), medíocre, megalómano, desonesto, canino (mais as variantes caniche e mastim), ocioso, parolo, frustrado, desesperado, senil, rancoroso, complexado e cobarde. Termina por dizer que ele precisa é de uma boa dose de iodo, recorrendo a um trocadilho especialmente inspirado: «Vá para uma boa praia e… ioda-se!». Calcula-se que o imperativo do verbo ioder.
Com a sua habitual fleuma, Manuel António Pina lá teve de responder à caricata personagem que «tenho um princípio de sobrevivência na estrada que consiste em dar sempre prioridade a um camião destravado (ainda por cima, este vê-se bem que faltou a alguma inspecção). Meto, pois, travões e ele que passe. É certo que, na sua fúria em contramão, o camionista atropelou repetidamente, provocando-lhe traumatismos vários, a pobre gramática da língua portuguesa. Mas gramática e ele que se entendam. Eu não me queixo. Podia ser pior, sei lá se o homem tem tomado a medicação.»
Li algures que Marinho e Pinto desta vez ultrapassou todos os limites. Não, não concordo. O decoro e a educação de Marinho e Pinto não conhecem limites. Digo eu, que sou um cretino…
Mas como a crónica de Marinho Pinto no JN, «Um cretino é um cretino», é absolutamente imperdível, aqui fica na sua totalidade:

«Comecemos por onde estas coisas devem começar: o escriba que diariamente bolça sentenças nesta página e que dá pelo nome de Manuel António Pina é um refinado cretino. Posto isto, assim, que é a forma honesta de pôr este tipo de coisas, nada mais haveria a dizer. Citando um treinador de futebol dado a elucubrações epistemológicas, «um vintém é um vintém e um cretino é um cretino». E… Pronto! Estaria tudo dito. Além disso, só se MAP não fosse tão cretino é que valeria a pena mostrar-lhe por que é que ele é tão cretino.

Não costumo responder a cretinos. Mas, correndo o risco de este, como todos os outros, se tornar ainda mais agressivo, vou abrir uma excepção e descer ao seu terreno para lhe responder com as mesmas armas que ele tem usado contra mim, até porque este é um cretino especial, do tipo intelectual de esquerda. [Read more…]

Acordo ortográfico: um desacordo

Segundo esta notícia, o Acordo Ortográfico irá ser aplicado nas escolas, a partir do próximo ano lectivo. O tema merece ser debatido, mesmo sabendo que se trata de uma discussão tantas vezes obscurecida pela contínua referência à circunstância de ser um facto consumado.

Deixo, para já, algumas notas breves, pondo absolutamente de lado qualquer obsessão nacionalista, que não é para aqui chamada.

Em primeiro lugar, é importante que nos informemos. Nada melhor do que começar por consultar, por exemplo, o texto do Acordo.

Para além disso, também não é má ideia ler as opiniões de especialistas que colocam reservas ao acordo, como são os casos de João Andrade Peres e de Francisco Miguel Valada.

Finalmente, um exemplo: será que se pode chamar acordo ortográfico a um acordo que se baseia, por exemplo, em desacordos fonéticos? Para que serve um acordo que poderá manter, por exemplo, “recepção” no Brasil e cria “receção” em Portugal, ou, pior, que admita a opção individual entre as duas alternativas, tendo em conta a pronúncia do falante? Para que serve um acordo ortográfico?

Dois comentários polémicos na semana que decorreu

Comecemos pelas polémicas da semana.
1-O jornal C.M colocou na pag 23, da sua edição de dia 17 Jan., como frase do dia, algo que afirmei – A Camara de Lisboa tem de encontrar uma soluçao para que os homossexuais se possam casar nas festas da cidade.ANTES OU DEPOIS do S.Antonio.
.
Acho isto do Santo António um fait divers , e uma provocaçao de lobys camários , que anunciaram algo, que nao podiam cumprir, sem consultar antes os protocolos com o Patriarcado, dando -lhe margem para mais uma chantagem, de assim , nao haver casamentos para ninguém .O objectivo pareceu me claro: por em choque convicçoes religiosas, contra os lgbt,que surgem como provocadores .Enfim…
De resto, nao creio que houvesse candidatos homos ao casamento para tal dia do Santo, apesar de uma das razoes da sua popularidade, ser fundamentalmente, os inúmeros presentes que chegam, de varias empresas, por razões de publicidade, o que obviamente, vem aumentar o enxoval, e facilitar o começo da vida dos nubentes.
De facto , estas marchas e arraias de índole pagã, foram inventadas pelo antigo SNI, como forma publicitária do antigo regime . Tiveram aceitação popular,e ainda bem, e depois, tem sido recuperadas pelas vereações eleitas democraticamente, post 25 de ABRIL.Nesse sentido, a sua formula tem evoluído.Recordo que antigamente as noivas tinham de fazer prova de virgindade para casar , como nos países árabes,mas tal prova não era pedida aos respectivos maridos.Hoje, seria um risco muito grande exigir tal prova…. pelo que caíu em desuso, total . [Read more…]

De bem com Deus e com o Saramago

 

 

     Naquele dia, Jesus  invadiu os aposentos do Pai, gritando, com a pressa de trazer a Má Nova:

     – Ó pai, ó pai, trago más notícias!

     – Irra! Já ando há mais de dois mil anos a dizer-te a mesma coisa! Quando chamares por Mim, usas maiúsculas. Fazes favor, sais, e voltas a entrar como deve ser. Só não te fulmino, porque sei que ressuscitas ao terceiro dia.

     Jesus encolheu os ombros e saiu. Com o mesmo entusiasmo, reentrou, clamando:

     – Ó Pai, ó Pai, trago más notícias!

     – Vês como és capaz? Diz lá, Meu filho.

     – O Saramago anda outra vez a criticar a Igreja e a Bíblia.

     – Saramago? Quem é esse?

     – Aquele escritor que até escreveu um livro sobre mim.

     – Com essa descrição, havemos de ir longe.

     – É aquele português que, por causa de um senhor que disse mal desse livro, resolveu dizer que se exilava em Lanzarote.

     – Ui, já Me lembro! Na altura, até pensei que se todos os portugueses com razões de queixa do governo fossem para Lanzarote, aquilo já tinha ido ao fundo. Mas, então, o homem disse mal da Igreja e da Bíblia? Mesmo que dissesse mal de Mim, qual era o problema? Até parece que não sou omnipotente. Mas, afinal, quais são as más notícias?

     – É que o pessoal da Igreja e afins ficou logo todo encrespado.

     – Pronto, já estou mesmo a ver! O rapaz Saramago comete o erro básico de falar de literatura como se fosse a realidade e o pessoal da sotaina cai-lhe em cima porque pensam que não se pode dizer mal do livro preferido deles.

     – É um bocado isso, é.

     – É o costume: têm a mania que falam em Meu nome. Se estivessem mais preocupados em dar a outra face em vez de se comportarem como membros de uma claque de futebol…! Mas tu, deixa-te estar, com aquela cena macaca de andares a bater nos vendilhões também lhes deste um rico exemplo.

     – Ó pai, outra vez essa história? Até parece que não te fartaste de fulminar gente!

     – Olha as maiúsculas, rapaz!

    

 

Aguenta-te Saramago

Há milhões de gajos que estão contigo, admirando a tua coragem. A igreja já não tem puto de credibilidade, no seio de todos aqueles que pensam e consideram a razão a sua maior riqueza. As vozes que da igreja se levantam contra ti, na lenga-lenga do costume, já não chegam ao céu. Ficam pelo caminho, caiem de “estelo” como costuma dizer-se. Os argumentos da igreja, de tão corriqueiros, de tão frágeis quanto absurdos, não se aguentam nas canetas. Classificar, entretanto, as tuas palavras como “operação de publicidade” para aumentar a venda de livros, é baixo e soes, e é uma maneira muito reles de denegrir e diabolizar a mente de um homem que pensa muito a sério pela sua própria cabeça. “Um escritor da craveira de Saramago deveria ir por caminhos mais sérios”, argumentam. Isto é, devia ser politica e religiosamente correcto, dizer amém as todas as patranhas e perversidades da igreja e cantar o Avé. 

Perante tudo o que se vê e tudo o que se sabe, a igreja devia fechar a boca e estar caladinha. Que respeito pode merecer uma comunidade religiosa, que na véspera do julgamento sobre abusos sexuais, decide declarar a falência da diocese de Wilmington, para impedir o julgamento e o pagamento das indemnizações e evitar as escandalosas páginas dos jornais? É a sétima (?!) diocese dos Estados Unidos a recorrer a este expediente. Havia receio de que as indemnizações a dar a oito vítimas fossem tão grandes que inviabilizassem as compensações a mais 133 vítimas (?!). Segundo Thomas Neuberger, advogado de 88 vítimas, a falência é “um esforço desesperado para encobrir a verdade e impedir que milhares de páginas de documentos escandalosos” se tornem públicos. E continua dizendo “este pedido é o mais recente e triste capítulo na história de décadas de encobrimento destes crimes condenáveis, para manter em segredo a responsabilidade e cumplicidade do abuso de centenas de crianças católicas”. Muitos milhares, se incluirmos a irlanda, austrália etc. etc.

 

Outras dioceses já evitaram as indemnizações, declarando falência (a primeira foi a arquidiocese de Boston, em 2002). A diocese de Wilmington, até agora, pagou 6,2 milhões de dólares e a arquidiocese de Los Angeles desembolsou em 2007 a quantia de 660 milhões de dólares, para “compensar” 508 (?!) vítimas. É caso para perguntar o que anda a igreja a fazer neste mundo. E todos sabemos que em matéria de crime aquilo que se vê e se sabe é a pontinha do iceberg. Mais uma vez nos perguntamos se a igreja católica não será a instituição que alberga mais pedófilos e pervertidos sexuais, no mundo. Porque é que ninguém fala disto, (isto sim, que cobre de vergonha a face da igreja) e todos caiem em cima de Saramago, que não faz mal a ninguém, e apenas transmite aquilo que pensa ser a sua verdade?

 

E vêm agora estes senhores dizer que Saramago é um malandreco, que deveria ir por um caminho mais sério (!), que não deveria entrar no caminho da ofensa (!) que Saramago é confrangedoramente ingénuo e incapaz de reconhecer o valor das obras que estão entre os grandes textos do património literário da humanidade. Saramago pode não reconhecer o valor dos grandes textos literários da humanidade, mas reconhece com certeza o valor da dignidade do ser humano. Não me gozem meus senhores. Deixem o Saramago em paz, que sabe muito bem o que está a dizer, e que, apesar da idade, tem uma lucidez e uma dignidade que faz muita falta à mentalidade esclerosada e anquilosada da hierarquia da igreja.