Do parlamentar insulto

O grupo parlamentar do PSD ficou numa exaltada indignação, que provocou a interrupção dos trabalhos parlamentares. Eles não perceberam bem o que disse o secretário de estado que discursava, mas intuíram que, naquela elegante disjunção, estava contido um insulto. Não tinham a certeza. É que o grupo parlamentar laranja, na AR e Madeira – então ali…- quando insulta, insulta a valer e toda a gente percebe. “Puta que o pariu”, “burro”, “anormal”, “filho da puta”, “dou-te um tiro nos cornos”, são mimos que, da parte dos grupos parlamentares do PSD estão registados nas Actas dos Parlamentos da República e insular. Ora, quem está habituado a produzir tão franca e assertiva linguagem, forçoso é que fique indignado com o gongorismo da elegante alternativa “o senhor deputado ou é profundamente ignorante do regime ou sofre de uma disfuncionalidade cognitiva temporária” – temporária, imaginem! Assim, justifica-se a indignação dos passistas. Na verdade, com insultos tão rebuscados, como podem eles partilhar grupal e irmãmente a sua indignação, uma vez que, obviamente, a maioria dos seus companheiros de bancada ficou com cara de “o que foi isto”, isto é, com cara de disfuncionalidade cognitiva momentânea?
Compreende-se, pois, a indignação da direita parlamentar. Portanto, a próxima vez que quiserem insultá-los, bradem, à moda antiga: “V. Exa. é uma besta! Salta uma garrafa de Colares!”. E toda a gente, em parlamentar comunhão, percebe perfeitamente.

O regresso da Rosa

A Rosa reapareceu na Informação da RTP3.
É o 18 e são falsos. É o PSD de dentro, de dentro do PS.

Mesquita Machado e Marco António Costa: duas medalhas, dois destinos

conjunto

Ricardo Rio, presidente da Câmara de Braga e destacado militante do PSD, produziu críticas muito duras ao anterior executivo da autarquia e ao seu ex-Presidente em particular, o socialista Mesquita Machado. Agora recusa atribuir-lhe a Medalha Municipal “Grau Honra”, sugerida pelos vereadores do PS em reunião do Executivo.

Pode discordar-se da posição de Ricardo Rio, mas não se lhe pode negar coerência política. O Presidente da Câmara de Braga, tem, como é óbvio, o poder de decidir quem condecora ou deixa de condecorar, e dadas as críticas que dirigiu ao seu antecessor, é natural que se recuse agora a atribuir-lhe uma Medalha, sendo coerente com as posições antes assumidas.

[Read more…]

Bilhete do Canadá – O que eles dizem

aventar news

ANTÓNIO BARRETO: “O mais impressionante é como tanta gente se acovarda hoje”.  Grande exemplo de valentia e coerência dá esta pantera que se esconde atrás do merceeiro que, por sua vez, se esconde atrás duma fundação. Haja dinheiro e paraísos holandeses.

MOURINHO FÉLIX: “O deputado Leitão Amaro  ou tem um profundo desconhecimento do RGIC (Regulamento Geral das Instituições de Crédito) ou uma disfuncionalidade cognitiva temporária”.  Tanto floreado para dizer uma coisa que o país inteiro sabe: aquele deputado sustentado pelo dinheiro do povo, ou é um ignorante ou tem surtos de estupidez.

NUNO MAGALHÃES: “Se o CDS acreditasse em sondagens não estávamos aqui há muitos anos”.  Não é um problema de crença, deputado que sustentamos, é uma questão de descaramento e falta de coluna vertebral. Toda a gente sabe, e os membros do CDS melhor do que ninguém, que esse partido é uma sopa de restos do salazarismo que outros partidos, por falta de coragem, aceitam como capacho quando é preciso fazer mais votos.

JOÃO AMARAL: gritou contra a “esquerda envergonhada”.  Pois devia estar caladinho porque, para o país não se estatelar graças à direita desavergonhada, tem a esquerda que fazer alguns fretes.

Disfuncionalidade cognitiva temporária

O mais provável é terem ficado zangados por não terem percebido o que o governante quis dizer.

Deram-nos cabo da saúde

ot

Truques à parte, que isto da engenharia informativa político-partidária é já um fenómeno descontrolado, quero focar-me na parte verdadeiramente preocupante desta peça do Expresso. Na sequência da onda de terrorismo financeiro que culminou com o crash de 2008, a que se seguiu o advento da austeridade fundamentalista e contraproducente, o número de portugueses sem recursos para pagar consultas médicas triplicou. Os dados são da Comissão Europeia e confirmam o agravamento da desigualdade, num país onde a mesma não parou de crescer durante os anos do fundamentalismo além-Troika, sendo que os mais afectados, como não poderia deixar de ser, foram e continuam a ser os mais pobres.  [Read more…]

Lettres de Paris #30

Jusqu’ ici tout va bien

Este slideshow necessita de JavaScript.

Parece então que faz hoje um mês, 30 dias portanto, que estou em Paris. Apesar de algumas breves contrariedades, coisas sem relevância, só posso dizer que ‘jusqu’ici tout va bien’, ou melhor, ‘jusqu’ici tout va très bien’. Paris tem-me, já o disse outras vezes, tratado bem. Tenho um sítio para dormir em pleno Quartier Latin, um sítio para trabalhar em pleno quartier de la Sorbonne, todos os cinemas, todas as ruas, todos os cafés, todos os museus, todas as torres, todos os jardins, de Paris. Penso que não podia querer mais neste momento. E efetivamente não quero. Nem sequer, como já sabemos, na maior parte do tempo pelo menos, companhia. ‘Jusqu’ici tout va bien’ exatamente ‘comme il est’.
 
Apesar disso, ‘je me suis pas levée du bon pied’, quer dizer, não me levantei com muito bom humor, mesmo porque já era tarde. Estava escuro lá fora, e chovia, como choveu todo o dia, aliás. Entrava pouca luz pela janela que dá para a rua estreita. Ainda para mais puseram andaimes no prédio mesmo em frente e isso escureceu ainda mais a rua e a luz que tinha pela janela. Lá me fui animando, tentando por-me como se me tivesse levantado ‘du bon pied’… quando saí de casa e entrei no Saint-André, a Julie deu-me os bons dias, lamentou-se do tempo ‘clássico’ de Paris e explicou a uma senhora que estava ao balcão (e que já vi de outras vezes por lá) quem eu era. Deu-lhe a ficha completa, digamos, tal como eu lhe a tinha dado antes a ela. Suponho que isto queira dizer que já sou do quartier, bem entendido. Gostei disso. Outro dia, quando jantei lá, o dono levou-me o café à esplanada (não chovia) e trouxe a conta com ele e disse-me:’ o café eu ofereço’. Coisas simples, coisas muito simpáticas, de pessoas que quase não me conhecem. Há sítios em Aveiro onde vou desde sempre e nem um copo de água me ofereceram nunca! Paris trata-me bem, é como vêem.
 

[Read more…]