Lettres de Paris #15

‘Be not inhospitable to strangers/ Lest they be angels in disguise’

Este slideshow necessita de JavaScript.

É uma frase de W. B. Yeats que há décadas recebe os visitantes da livraria Shakespeare and Company, que sobem ao primeiro andar. É uma frase que se adequa a Paris e ao dia de hoje. A cidade não é pouco hospitaleira a estranhos, recebe-os bem, com simpatia, já o escrevi aqui em quase todos os postais. O André que chegou ontem a uma Paris chuvosa concorda comigo nisto da simpatia extrema dos franceses. Hoje quando acordámos na Rue Suger não chovia, o céu estava mesmo azul, embora houvesse nuvens que o tornavam ainda mais bonito. Depois do pequeno almoço, bebemos café no Cafe Saint-André, onde um rapaz se ofereceu, sem mais nem menos para nos tirar uma fotografia.
 
Na impossibilidade de escolher onde levar uma pessoa que visita Paris pela primeira vez, decidi pelo óbvio: um passeio de barco no rio Sena. O mesmo que havia eu mesma feito há poucos dias. Como então escrevi, não há maneira mais bonita de ver Paris. Antes de embarcarmos no BateauBus no Quai Montebello, parámos – claro – na Shakespeare and Company. Gostando ele de livros e livrarias, era impossível estar em Paris e não ver esta. Há muitas outras, muitas, livrarias em Paris, muitas encantadoras, mas nenhuma das que conheço já tem este encanto. Tirámos a típica fotografia no banco da entrada, passeámos entre os livros colocados nos sítios e recantos mais espantosos e depois apanhámos o barco. Gostava de saber – de me lembrar, melhor dizendo – da primeira vez que vi Paris. Gostava de sentir, com o André, hoje, essa sensação primeira. Mas não consigo, claro. Perguntei ao André o que sentiu a ver Paris pela primeira vez, suspirou fundo. Está tudo dito, penso. E é isso, Paris é um suspiro de espanto e admiração sem fim, em cada canto, a cada ponte, a cada pessoa, a cada bonjour, a cada bonne soirée.

[Read more…]

Pão Nosso

pao-nosso

Fotografia © Bruno Santos

Bilhete do Canadá – Atrás duma grande mulher

Todos sabemos, geralmente de ouvido, que atrás dum grande homem está sempre uma grande mulher. Foi assim com Bill Clinton e com Barak Obama. E aqui chegamos a esta coisa gira: Hillary já foi primeira dama e agora, não havendo azar, passa a ser presidente da República. Jornalistas bem dispostos do Canadá resolveram reinar com a situação e perguntam, deslavados, se Bill Clinton vai ser primeiro cavalheiro.  Mas reconhecem que, sendo ele muito macho, não vai conseguir encher o tempo com chás de caridade, hortinhas orgânicas, galinhas de campo com ovos cheios de saúde (a fazer inveja à Senhora Maria do Salazar, se ela ainda por cá andasse).  Ninguém está a ver o Bill, dizem, na tv a cantar louvores ao mel orgânico e à dieta vegetariana. Para isso, Michelle Obama é que é uma artista, garantem os ditos jornalistas. E solícitos, sugeram que a Hillary deixe o Bill à solta e contrate a Michelle como primeira dama.

Dirão: mas, num momento tão sério, põem-se com estas graçolas?  Bom, é mesmo o momento de as inventar e dizer, assim como quem canta pela estrada deserta ou assobia no escuro.  Para espantar o medo.

Ou sim ou sopas

gulle

Foto: dpa

Diz um ditado alemão que “até uma galinha cega acaba por encontrar um grão”; pois foi o que aconteceu, a Comissão Europeia encontrou um saboroso grão: a insuficiente protecção dos lençóis freáticos e consequente contaminação da água potável com níveis demasiado elevados de nitrato. Depois de vários avisos, a Comissão instaurou agora junto do Tribunal Europeu uma acção judicial contra a Alemanha.

A principal causa dos elevados valores de nitrato é a prática agrícola de fertilização da terra com chorume e estrume. Em exagero, o nitrato polui a água doce, sendo tóxico tanto para plantas como para animais. Estudos indicam que a substância pode ser cancerígena. No ecossistema marinho, o excesso de nitrato contribui para a proliferação de algas e consequente aumento de bactérias aeróbicas, rarefazendo o oxigénio na água e provocando a morte de outros seres vivos (por exemplo peixes).

Enfim, já não falando no “pequenino defeito” resultante deste uso e abuso que é aspirar o cheiro nauseabundo quando se passeia pelos campos, pensando nisso, até beber água da torneira se pode tornar ligeiramente desconfortável.

Em caso de condenação, a multa poderá ser da ordem dos milhões de euros por dia. A França já foi condenada por idênticas razões, podendo a multa ascender a 3 mil milhões de euros.

Só é pena a falta de coerência entre os diversos ressorts da UE: distribuir multas a prevaricadores ambientais é uma óptima ideia, mas enquanto se continuar com uma política agrícola comum que privilegia totalmente a agricultura e pecuária intensivas, não é possível ter mão nos problemas e prejuízos ecológicos – degradação da paisagem, perda da biodiversidade dos ecossistemas, erosão do solo e poluição. Talvez começando por aí…

«Factos? Quem quer saber de factos?», pergunta o João Mendes

[F]or any philosopher who is willing to work out the implications of his philosophical position, there is an answer to the question, “What, if anything, is that in terms of which everything else has to be explained, but which does not itself have to be explained in terms of something else?”.

— John R. Searle, “Seeing Things as They Are: A Theory of Perception

***

Efectivamente, o Diário da República, por mais esta amostra, não quer saber de factos. Desejei, há uns tempos, que não houvesse mais “fatos ofensivos do direito ao repouso”. Infelizmente, o desejo não se concretizou.

dre7112016

E hoje? [Read more…]

E a tua declaração de rendimentos de 1999, Passos? Já apareceu?

ppc

Bem sabemos que, de esquemas para ocultar declarações de rendimentos, está o Parlamento cheio. E se o exemplo que vem de cima é este, não nos podemos admirar que outros tentem fazer pela vida. Que o diga o líder da oposição, Pedro Passos Coelho, que por estes dias, moralista como só ele sabe ser, tem insistido na obrigação que o governo tem de exigir à nova administração da CGD a apresentação das suas declarações de rendimentos. O que me leva à dúvida existencial do dia: a declaração de rendimentos que Passos Coelho estava obrigado a entregar em 1999, já apareceu? Da última vez que fui ver, continuava em paradeiro incerto.

LOL!

Foi apresentada/inaugurada, com pompa e circunstância (à parte a falta de pilhas no comando que ligaria a luz), a nova peça de Joana de Vasconcelos. Um galo de Barcelos à beira-Tejo.

Ao longe ouviam-se as grandes gargalhadas de dois Antónios, o Oliveira Salazar e o Ferro!

Bilhete do Canadá – Pois

A história, velhíssima, foi assim: um soldador, empoleirado num andaime, soldava uma janela de alumínio. Vários metros abaixo, o seu ajudante olhava para cima, de nariz no ar. De repente, um pingo de solda caíu-lhe num olho e as dores violentas abiram-lhe a boca em todas as injúrias que cabem na língua portuguesa. Estomagado, o soldador processou o ajudante, sob a acusação de lhe ter chamado os nomes mais obscenos. Quando foi presente a tribunal, o soldador ouviu o juiz acusá-lo de ter chamado ao seu patrão os palavrões mais escabrosos. O ajudante explicou com grande aprumo: Palavrões? Eu? Nunca, senhor doutor juiz. Quando o pingo de solda me entrou no olho, eu só disse oh Manel toma cuidado.

Foi mais ou menos isto que eu percebi da briga entre os presidentes do Arouca e do Sporting, ao ouvir o adido de imprensa dos leões: O presidente do Sporting não chamou nome nenhum nem empurrou o responsável do Arouca. Este é que estava a brigar e Bruno de Carvalho só lhe perguntou o que se passava. Nuno Saraiva disse isto com as bochechas como um pudim flan. Está visto que não nasceu para estas baldrocas.

Vemos, ouvimos e lemos. Não podemos ignorar.

galo

Antes pudéssemos.

Carrrrrrrrros em movimento

12823326_1002114216521289_4486616446841678581_o

Sabem que porra é esta? É uma feira. Para além de cavalos, vacas e chouriços que se emborracham à noite para troca de fluídos, são transaccionados circuitos e aplicações seminais (e não me estou a repetir) entre megawatts sukarnoputris de luz e toneladas messiânicas de graves. O pessoal anda todo numa cloud muito marada de ideias vendidas como jogos de lençóis de flanela e infalíveis elixires da juventude. Anuncia-se a next big thing e… zás!, up with the cock from Barcelos da Joana Vasconcelos, seguido de um sonzinho lounge. A insofismável cultura da era techie não pode faltar. Vhils, Kalaf e a Lisbon Fado Sin. O turismo esfrega-se todo por summits, e para todos os gostos que os há: o sunset summit, o surf summit, o farturas summit, o crunchie’s dog summit, o caralho que os foda summit, tudo pináculos da excitação mediática e da diarreia comunicacional: as televisões rapidamente se afeiçoam a este evento e os écrans enchem-se dos Caras de cú habituais. Ir ao Web Summit é, em termos de gente, como ir ao Dragão ver o Benfica fazer o Porto descer à terra ou como encher um concerto da Lady Gagabyte. Mas a um nível superlativo e expialidoso. Os bilhetes, qrido, para os pobres ficam a € 1000, os remediados arrotam € 3000 e os Premium, Platinium e Uranium entre €4.245 e € 5.245, mas estão todos sold out. Ou isso ou 3 fichas para os carrinhos de choque. Não será preciso dares uma de penetra porque estamos nos idílicos domínios do marketing. Especulação a bem da nação, com os putos MC Costa e Funky Cold Medina na área. Alguém me arranja um bilhete para ir ouvir o investidor e empreendedor Ronaldinho Gaúcho falar da sua fantastic new internet venture? É que há uma nerd activista curda que eu queria deglutir que vai lá estar…

Deixem-se de merdas e cumpram a lei

acmc

Poucos debates espelham tão bem o país em que vivemos. Discutir se um gestor público, tal como qualquer governante, deve ou não apresentar a sua declaração de rendimentos é triste, acima de tudo, porque não deveria sequer gerar qualquer tipo de discussão. É óbvio que deve. Melhor: é obrigado a fazê-lo. Se existe uma lei que a isso mesmo obriga, qual é a dúvida? Se António Domingues e a sua equipa são tão fantasticamente espectaculares, como podem supor que estão acima da lei? Será que lhes foi prometida uma excepção à regra, que obviamente violaria a lei portuguesa, e eles, tão fabulosos, não perceberam que tal não era possível? Esperava-se mais de um indivíduo que vai auferir um salário astronómico sem mostrar serviço.  [Read more…]

Quo vadis USA 

Escolher entre tragédia e catástrofe…

Escolhas

Desafiado por voz amiga a comentar a posição de Susan Sarandon em relação às eleições no seu país – “Eu não voto com a minha vagina!”, declarou ela, querendo dizer que não se justifica o voto em Hillary Clinton pelo simples facto de ser mulher -, tenho a dizer que, com todo o respeito pela actriz e sua postura, não a sigo – nem aos que como ela pensam – nesta opinião. Não me sendo indiferente o significado de ser eleita, pela 1ª vez, uma mulher para a Casa Branca, tal está longe de ser a questão central. Ensinaram-me as voltas da vida e a reflexão que elas impõem, que, sendo espiritualmente confortável a ideia de uma abstenção por razões de princípio, ela sempre me pareceu uma via sem saída. Na verdade, a abstenção é, na vida como na política, as mais das vezes, uma ilusão. Ela tem efeitos, e tem efeitos na direcção que tomam as escolhas com que, verdadeiramente, nos deparamos. Penso, por isso, que há sempre, em condições normais, uma opção preferível. Digo-o sem qualquer laivo de cinismo, já que abomino a via do “quanto pior melhor” com que alguns parecem comprazer-se. A liberdade é a nossa mais bela condenação. E porque é condenação, não há modo de a evitar. Quer dizer: as nossas escolhas são inevitáveis, mesmo quando parece que lhes conseguimos fugir. A evasão não tem, aqui, lugar. Nunca.