Lettres de Paris #10

‘Faites de chaque sortie une aventure’…

Este slideshow necessita de JavaScript.

está escrito num anúncio de uma das lojas Au Vieux Campeur, do Boulevard Saint Germain. Eu esforço-me, mesmo porque e fácil fazer de cada saída uma aventura, nesta cidade cheia de coisas para ver. Não é que hoje sea tenha passado grande coisa, além de ter ido trabalhar, de o Ladyss estar vazio, como tem sido hábito e de ter voltado para casa, para mudar de estúdio.
Mas de manhã em vez de ir pelo boulevard Saint Germain, resolvi ir pela Rue de l’École de Médecine e ainda bem que o fiz. Dei com a Université René Descartes, bem bonita e com a Université de Paris III – Sorbonne Nouvelle. Muitas universidades e ‘ramos’ há nesta cidade. Sobretudo no ‘meu’ bairro. O bairro latino ou Quartier Latin. Universidades, cinemas, bares, livrarias, restaurantezinhos simpáticos como aquele em que jantei ontem, La Fourmi Ailée, que é como quem diz, a Formiga Alada, ou com asas, como quiserem,

CDS defende renegociação da Dívida

Minuto 3:33

Lol!

O Diário da República está em baixo

2016-11-03-22_28_33-dre-pt

Merece a nossa compreensão. Não podemos esperar que algo que apenas tenha custado 600 mil euros esteja sempre operacional.

Eis o que há a dizer sobre o deputado da “Peste Grisalha”

A heteronormatividade do virgem ofendido
Luís Aguiar-Conraria
Os tribunais são useiros e vezeiros em sentenças que limitam a liberdade de expressão e são repetidamente contrariados pelo TEDH. Se precisar, recorra a crowdfunding. Muitos, como eu, contribuirão.

Os deputados deviam sempre primar pela instrução e nortear-se pelo princípio da elevação. Não espanta que ao insulto digam não: sim à liberdade de expressão, mas sempre com educação. Não precisam de acreditar em mim, basta verem este vídeo até ao fim:

[Read more…]

A Ordem do Discurso

Ilustração: Bruno Santos

Ilustração: Bruno Santos

Admite-se que o contra-fogo diário à propaganda anti-governo seja um mal necessário. Mas necessário é também avaliar se fogo e contra-fogo não são, eles próprios, instrumentos oclusivos que, objectivamente, impedem que o pensamento sobre Portugal e o seu futuro se expanda para novas zonas, novas perguntas, novos mundos. A constante criação de epifenómenos, a reinvenção diária de “casos”, a manipulação permanente da verdade, visam tão só impedir que mudemos o ciclo e a ordem do discurso.

Poucas declarações de apoio fazem tanto sentido como esta

Ku Klux Klan declara o seu apoio a Donald Trump. Ele diz que não quer, enquanto pisca o olho e se prepara para mais um grabbing

O Grito do Ipiranga social-democrata em Vila Nova de Gaia

cmgaia

Sou social-democrata, não sou um neo-liberal

Foi assim que o vereador do PSD na CM de Gaia, Elísio Pinto, reagiu às críticas de Cancela de Moura, presidente do PSD Gaia, a propósito de ter votado favoravelmente ao orçamento para 2017 da câmara presidida pelo socialista Eduardo Vítor Rodrigues. Independentemente do orçamento ser bom ou mau – desconheço-o por completo – crucificar alguém que alega votar em consciência e no interesse daquilo que entende ser melhor para a população  que o elegeu, é sempre muito triste em democracia. Mais triste ainda é notar que, em pleno século XXI, a esmagadora maioria dos políticos eleitos continua a servir o partido, subalternizando os eleitores. [Read more…]

Rio de Janeiro tomado de assalto por um entertainer do fanatismo religioso

mc

Já foi apoiado por Lula da Silva, ministro de Dilma Rousseff e agora assume-se alinhado com Michel Temer. Sobrinho do líder espiritual da IURD, Marcelo Crivella é o mais recente prefeito do Rio de Janeiro. Criacionista, Crivella é bispo da IURD e um crítico feroz da homossexualidade, que no passado classificou de “conduta maligna“, tendo posteriormente aconselhado o seu rebanho a perdoar os homossexuais por serem “fruto de um aborto malsucedido“. Existe também o Crivella da esquerda-evangélica, que no passado, a propósito de um elogio ao Partido Comunista Brasileiro, afirmou que “não há cartilha mais comunista que o Evangelho“, e ainda a versão cantor gospel, com 14 álbuns gravados, 3 milhões de cópias vendidas e um invejado Disco de Diamante com Mensageiro da Solidariedade, que pelos vistos é um prémio. O verdadeiro entertainer do fanatismo religioso. A Cidade Maravilhosa é dele.

 

Foto@Veja

Um dia, a vida será propriedade de uma multinacional

Pimento passa a ser propriedade privada da multinacional suíça Syngenta

Aguarda-se o oportuno comentário de Schäuble e da respectiva delegação nacional Passos-Albuquerque

Segundo os relatos, as promessas à União Europeia de manter o défice abaixo dos 3% do PIB, tal como é exigido pelas instituições europeias, foi “uma mentira pura e simples, aceite por todas as partes”, afirmou Hollande citado no livro.image

Segundo os autores, este acordo foi estabelecido em 2012, ano em que Hollande foi eleito, e seria válido até 2017. Ou seja, abrangeu a presidência de Durão Barroso e de Jean-Claude Juncker. (P)

Europa, austeridade e compromissos? Tretas. Depois da regra dos 3%, uma invenção francesa para encher chouriços, eis que em causa não está um qualquer enchido, mas apenas chouriço de PIGS. E também se compreende a vantagem de ter um português, este português, num alto cargo. Mantendo o garrote apertado, assim se assegura a ordem natural das coisas, onde uns mandam e outros obedecem.

E o Sérgio Monteiro, pá?

O primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho (E), acompanhado pelo secretário de Estado das Infraestruturas, Transportes e Comunicações, Sérgio Monteiro, durante a visita à Associação Empresarial do Baixo Ave na Trofa, 31 Janeiro 2015. ESTELA SILVA / LUSA

Os media, António Domingues e Sérgio Monteiro, por Daniel Oliveira

António Domingues foi nomeado para presidente da CGD por um novo governo para dirigir o maior banco português. Não há suspeitas de favorecimento político, tem uma longa experiência de gestão bancária e ninguém, dos que criticam o seu salário, põe em causa a sua competência técnica e profissional. Vai receber por funções muitíssimo claras 30 mil euros mensais. Sérgio Monteiro foi nomeado “vendedor” do Novo Banco por um governo demissionário de que era secretário de Estado e quase todos põem em causa as suas habilitações curriculares para a tarefa. Está a receber, para fazer ninguém sabe muito bem o quê, quase 30 mil euros mensais. Nos sites do “Público” e do “Diário de Notícias” as referências ao salário de António Domingues foram cinco vezes superiores às do salário de Sérgio Monteiro. Nos do “Expresso” e da TSF foram três vezes mais. No do “Correio da Manhã” seis. Não é possível fazer estas contas nos canais de televisão, mas arrisco uma proporção ainda mais favorável a Domingues. Criticar esta parcialidade não é assumir que a polémica é inadequada. O que se critica é a desproporção. Sobretudo quando o caso menos tratado é objetivamente mais difícil de justificar do que aquele que alimentou maior polémica mediática. Estas coisas não acontecem naturalmente. É a agenda política de quem marca a agenda mediática.

Foto: Estela Silva/Lusa@Esquerda.net

Não admira que Trump goste tanto de Putin

Rússia fecha escritório da Amnistia Internacional em Moscovo [Expresso]

A sério que há quem acredite nisto?

loucura

À beira de cavalheiros como aqueles que seguram esta bizarra faixa, os profetas da desgraça que por cá temos são autênticos meninos de coro. Existirem pessoas mentalmente sãs que acreditam que Vladimir Putin e Donald Trump podem fazer do mundo um lugar melhor, é extraordinariamente mais assustador do que a possibilidade de Trump chegar à Casa Branca, considerando que Putin ficará no Kremlin enquanto lhe apetecer e lhe for possível manter o poder. Não quero imaginar o que será viver num mundo em que as duas maiores potências militares são governadas por estes tipos. Não é que Hillary Clinton me inspire grande confiança. Mas entre uma potencial má presidente e um lunático, a escolha torna-se fácil. Resta saber se o mundo está a salvo de pessoas que acreditam em barbaridades como esta. Para maluquinhos já nos chegam os fanáticos religiosos.

Foto: Vittorio Zunino Celotto@Expresso

Juridicamente não chega, Marcelo

A CPLP não pode pactuar com mais ditaduras. O regime Dos Santos chega e sobra.