O que ERA a Ongoing?

SCAB

Foto@Sol

Em 2010, durante uma sessão da Comissão de Ética na Assembleia da República, o então deputado Agostinho Branquinho levantou uma célebre questão:

O que é que é a Ongoing?

Meses depois, o então vice-presidente da bancada parlamentar do PSD despedia-se do hemiciclo e rumava ao Brasil, para dirigir uma empresa do grupo. Para trás ficava um Agostinho Branquinho visivelmente indignado, que questionava a opacidade da informação disponível sobre o grupo e a proximidade entre o governo Sócrates e o Diário Económico, controlado pela Ongoing, mas que não hesitou em dar largas ao seu lado mais empreendedor juntando-se ao negócio. Nunca mais lhe ouvimos uma palavra sobre o assunto. [Read more…]

Quem é ZON está onde?

O Expresso conta hoje mais um episódio da saga Ongoing/espionagem privada. Uma irmã de Nuno Vasconcellos terá visto devassada a sua conta bancária. Pode acontecer a qualquer um de nós, participa-se à Judiciária. Mas neste caso faz-se queixa ao irmão, que chama um empregado que descobre o IP suspeito de tal ataque e move as suas influências para obter junto da ZON a sua identificação, aparentemente através de um “espião” do SIED.

Isto é de uma enorme gravidade: chama-se fazer justiça com as próprias patas, é completamente ilegal e uma porta aberta para qualquer um destes crápulas devassar a vida online de qualquer cliente da ZON (onde me incluo) ou provavelmente de qualquer outra empresa do ramo.

O Ministério Público lavou as mãos do caso (só merece vir um destes dias a descobrir que está a sofrer a mesma devassa).

Estamos a viver no faroeste, e não nos tinham dito nada.

Isto dava um filme americano

De série C, é claro:

Balsemão processa a Ongoing

Já vos ocorreu…

…que todo este banzé maçónico seja apenas isso mesmo, ou por outras palavras, uma altercação entre regateiras? É que o hermeticismo da coisa já tem duzentos anos e os resultados, de tão ofuscantes para o bem estar de Portugal, estão à vista de todos. Já liquidaram o seu regime da Monarquia Constitucional, já dissolveram o seu regime da iª República, já fizeram cair o também mais que seu regime da 2ª República – até o venerando Carmona era irmão, assim como o Presidente da Assembleia Nacional – e pelos vistos, preparam-se para mais um “render da guarda”.

As canastronas são agora os senhores Balsemão/Bilderberg e Vasconcelos/lojinha Ongoing, pois o que está mesmo em causa, mais não é senão o mesmo móbil de sempre: d-i-n-h-e-i-r-o.

Quais “trilogias”, quais “grandes princípios”, qual carapuça…

A vidinha à portuguesa ‘on-line’

Um homem chega à casa. Janta em paz e conversa com a família, sem ligar a noticiários ou entrevistas televisivas. Acaba a pitança,  senta-se diante do computador, acede ao ‘Público’ on-line e dá de caras com estas notícias:

  1. Um funcionário e dois ex-trabalhadores das Finanças suspeitos de corrupção
  2. Holanda dá mais garantias às iniciativas privadas, diz Alexandre Soares dos Santos
  3. Escritório de Júdice condenado a pagar 2,5 milhões de euros a antigo cliente
  4. Líder parlamentar do PSD e quadros da Ongoing juntos em encontro maçónico

Bolas, o que é isto? Interroguei-me. De uma rajada, quatro notícias perfiladas segundo o actual ‘design’ nacional. Há funcionários anónimos suspeitos de corrupção – já não bastavam os mediáticos!;  temos a ingrata Holanda, para onde no passado encaminhámos judeus aos montes, a fazer  concorrência desleal em garantias às iniciativas privadas; ficámos informados de que há um escritório condenado a pagar 2,5 milhões de euros – sim o título diz que é um escritório! – e, no fim, revelam-nos uma frustrada jantarada maçónica entre o líder parlamentar ‘laranja’, o pessoal da Ongoing e mais uns quantos notáveis. Para o ramalhete jornalístico ficar completo, faltou uma noticiazinha, pequena que fosse, a anunciar eleições para a Direcção Espiritual da ‘Opus Dei’.

Vendo bem, a minha estupefacção é injustificada. Como dizia o Eça, este País sempre foi e será assim; ou visto através de outra lente literária, a tese da clivagem social entre os vulgares e os invulgares, defendida por Raskólnikov em “Crime e Castigo”, tem neste recanto e nas suas terras pingadas no Atlântico o laboratório experimental que a personagem de Dostoiévski imaginou.

Servindo-se de feios, porcos, maus, lindos, partidos e inteiros, os jornais limitam-se a narrar ‘on-line’ a  vidinha à portuguesa. E dela não sairemos tão depressa, a menos que… alguém quebre o galho.

A base da teoria da conspiração foi-se…

Em artigo de opinião sobre a intenção de o Governo privatizar algumas empresas, nomeadamente a RTP, o CEO da Ongoing afirma que “há privados que, não sabendo gerir as suas empresas, querem que seja o Estado a assegurar-lhes a sobrevivência”. Nuno Vasconcelos esclarece que “a Ongoing não vai à privatização da RTP – porque a televisão da Ongoing é a SIC”.

in Diário de Notícias – 06-09-2011

 

Pois é, a teoria dos corredores das más-línguas era tão simples e simplista como isto: O Nuno Vasconcelos da Ongoing queria um canal de televisão. O Ministro Miguel Relvas queria privatizar a RTP. Estavam feitos um com o outro.  É muito português falar do que se não sabe…

A Ongoing já está na televisão e quer, quando muito, ser maioritária na empresa que é, também, sua: a Impresa. Sendo a Ongoing uma das principais accionistas da Impresa, a privatização da RTP é um pau de dois bicos. A privatização da RTP terá como consequência natural (é o mercado) uma desvalorização do valor da Impresa e da Media Capital. Sobretudo, tendo em conta as audiências dos últimos 12 meses, sofre a Impresa.

Sendo Nuno Vasconcelos accionista da Impresa, se fosse à privatização da RTP teria de vender a sua quota e ninguém gosta de vender em perda…Mais, é mais fácil e barato recuperar a SIC para níveis de audiência do passado do que colocar a RTP financeiramente viável.

Obviamente, para quem conhece o mercado e as personagens em causa (Impresa/Balsemão vs Ongoing/Vasconcelos) a tentação de acreditar que a Ongoing quer a RTP até podia colher: Balsemão e Vasconcelos não se vão entender e seria mais simples a este último vender a sua participação (22,8%) e partir para a aventura RTP. Errado.

Enquanto as virgens (ofendidas ou suicidas) andam entretidas a tentar fazer a cama a Miguel Relvas com a desculpa, falsa, da guerra Ongoing-Impresa, temos dois players internacionais e um nacional interessados, esses sim, na privatização da RTP a rir às escondidas.

Pelo andar da carruagem e com tanta gente a continuar a desempenhar o papel de idiota útil, sobretudo certa esquerda e imprensa, temo que chegou a hora das hienas. Como sempre, no fim elas vão continuar a rir e os idiotas vão chorar e muito…

Agostinho Branquinho não sabia o que era a Ongoing, agora já sabe

Fevereiro de 2010: Numa comissão parlamentar, o deputado do PSD Agostinho Branquinho tinha dúvidas sobre a atividade de um grupo económico. Não sabia o que era a Ongoing.

Outubro de 2010: Já sem sem dúvidas do que é a Ongoing, o agora ex-deputado Agostinho Branquinho vai trabalhar para a Ongoing.

agostinho_branquinho_23102010

Faz bem. Vai ganhar mais dinheiro e foge às dificuldades daqueles que, na Assembleia da República, necessitam de apoio solidário. É mais um emigrante luso nas terras de Vera Cruz. Como costumam dizer alguns jogadores de futebol que deixam de ganhar bem para passar a ganhar muito bem, ‘há que olhar pela família’.

Manuela Ferreira Leite confirma mentira de Sócrates

Com a confirmação por Manuela Ferreira Leite de que sabia do negócio PT/TVI, fica confirmado que Sócrates mentiu ao parlamento quando disse desconhecer  o negócio. Se a chefe da oposição sabia porque foi informada pelos seus boys, o que levaria os boys de Sócrates a não informarem o chefe?

Protegê-lo? Mas a única maneira de proteger um primeiro ministro é informá-lo antes do que a qualquer outra pessoa! Ou já estamos naquela fase em que mergulhou Salazar que já não mandava nada ( o presidente do Concelho era Marcelo Caetano) e os íntimos faziam-lhe crer que sim, que continuava a ser o chefe da nação?

Do que não há dúvida nenhuma é que o negócio só não se fez porque alguem deu com a língua nos dentes antes de tempo e porque havia outras hipóteses como se viu com a entrada da Ongoing. E no que não há mesmo dúvidas nenhumas é que a Manuela Moura Guedes foi calada ( o tal jornalismo travestido de que falava Sócrates) e Moniz, bem indemnizado, saiu da TVI!

Contra factos não há argumentos salvo se o assunto for com Sócrates!

Pedro Lomba afastado do «Diário Económico» depois de denunciar o Governo

Então é assim: no dia 12 de Novembro, Pedro Lomba escreveu no «Público» um texto que começava assim: «Acto I. Estamos a 3 de Outubro de 2004 e José Sócrates é eleito líder do PS. A 9 de Outubro, Armando Vara regressa à direcção do partido pela mão de Sócrates. A 20 de Fevereiro de 2005, o PS vence as legislativas com maioria absoluta. A 2 de Agosto de 2005, há mudanças na Caixa Geral de Depósitos: Teixeira dos Santos afasta Vítor Martins e Vara integra o "novo" conselho de administração. A maioria dos membros desse conselho é afecta ao PS.»

No dia 16 de Novembro, no próprio dia em que iria entregar o seu texto semanal ao «Diário Económico», foi dispensado sem qualquer explicação.

O «Díário Económico» pertence à OnGoing.

A OnGoing está a negociar a compra de parte do grupo do «amigo» Joaquim Oliveira.

 

Vaca Leiteira

O Estado tem uma golden share na PT o que lhe permite ter uma influência nas decisões na empresa pública, ou empresa com capitais públicos, ou o que quer que seja, como se viu na OPA lançada pela SONAE, muito para além do capital que controla.

Os accionistas  que têm assento na administração são os há muito conhecidos, que para além das elevadas remunerações do capital que lá têm investido, têm acesso a negócios milionários, feitos com a própria PT de que são accionistas.

O BES ganha milhões com estudos e consultorias e com os prémios de seguros das suas empresas associadas.

A Visabeira ganha milhões com as obras de implementação das redes de cabo .

A Caixa Geral de Depósitos ganha milhões com os empréstimos bancários.

E agora sabemos que a Ongoing, que não passa sem a suspeita de se tratar de uma criação do BES, recebe 75 milhões de euros num dos seus Fundos de gestão, dinheiro pertencente aos fundos de pensões dos trabalhadores da PT.

 

Ora, por curiosidade e por pura coincidência esta Ongoing é a mesma que comprou uma participação relevante na Média capital ( a tal que a PT queria comprar e que o nosso Primeiro não deixou) e que detem ,tambem, uma participação relevante na Impresa que por sua vez, detem a SIC, do Balsemão.  Isto é, a PT nossa, que não sai das mãos do estado por razões de segurança nacional ( em caso de ataque exterior, temos que controlar os telemóveis) paga milhões, a vários títulos, aos accionistas, que controlam, cada um deles, não mais que 5/6% do capital e agora reforça "o cash " de uma delas para apoiar os negócios bombásticos que nos tem embasbacados nos últimos tempos.

Tudo a bem da Nação, do emprego, da criação de riqueza, da justiça social.

Esta é a visão do Partido socialista das empresas controladas pelo Estado!