Porque pagamos tanto por combustíveis?

Combustiveis

Em Janeiro de 2014, o preço barril de Brent, referência para Portugal, rondava os 102€. Por cá, um litro de gasolina sem chumbo 95 custava em média 1,37€ ao passo que um litro gasóleo se situava nos 1,20€. Dois anos volvidos, com o barril de Brent a ser negociado por 29,18€, o valor mais baixo desde Dezembro de 2003, o litro de gasolina sem chumbo 95 custa em média 1,36€ e o de gasóleo 1,07€. Temos portanto uma descida superior a 70% no preço do barril por comparação a uma descida inferior a 1% na gasolina e de cerca de 11% no gasóleo. Apesar da esmagadora carga fiscal associada ao preço dos combustíveis, serei eu o único a achar que algo aqui não bate certo?

TMN, Vodafone e Optimus: será que dá para ver este vídeo?

Louca por figos

Para mim, um verão sem figos frescos não é bem bem a mesma coisa, pronto! Sejam eles do Algarve, sejam eles aqui do meu mercado!! E têm que ser bem maduros, já abertos. E é comê-los logo ali, segundos depois de comprá-los. E não vale a pena gastar dinheiro nos hiper. Dificilmente são bons e por certo não arranja mais caro! No mercado arranjei-os eu, hoje, a metade do preço. A mais pura das verdades e verdadeiramente maravilhosos. E acompanham tão bem com nozes… ou simplesmente sós!

Vantagens de se comer figos:

1- energia; ajudam ossos e músculos (fibra, minerais, vitaminas);

2-alto teor em agentes antioxidantes protectores do organismo;

3-valor nutritivo;

4- etc.

Figos frescos: uma deliciosa e saudável tentação.

Cada um tem a sua mania…

ACOP propõe o regresso a um regime de preços máximos para os combustíveis

Com o petróleo a atingir o limiar psicológico dos $US 100, impõe-se, em situação emergencial, que o regime de preços livres, estabelecido há anos, cesse transitoriamente, já que o País vive uma crise sem precedentes por razões que se não ignoram…

Para tanto, a ACOP propõe se retorne ao regime de preços máximos, calculado segundo critérios rigorosos e que escapem a uma “pseudo-concorrência”, como a que ora se observa, sendo que no intervalo de preços poderá haver sempre uma salutar concorrência se as empresas do sector petrolífero honrarem o seu respeito pelo mercado e pelos consumidores, o que parece não se haver verificado desde a abertura do mercado à liberalização estatuída. Basta atentar no que sucede com os elevadíssimos preços praticados nas auto-estradas, cuja “concertação” os painéis não escondem… e no mais, onde a similitude preços poderá não ser mera coincidência! [Read more…]

Parecer gratuito a Sócrates e a Mexia

Excelências,

O problema que as remunerações do Dr. Mexia estão a levantar ao Engº Sócrates é grave. Desde logo porque a inveja cá no nosso país faz sempre caminho, depois porque o Dr. Mexia, ao defender o que é seu, embora legitimamente, colocou em dificuldades o Primeiro Ministro de Portugal ao não aceitar a redução do vencimento, traduzindo a questão a um problema interno da empresa.

Ora a EDP é uma empresa que tem um accionista de referência que é o Estado, pois é este que lhe permite estar sozinha no mercado da electicidade e praticar um preço duas vezes superior ao que é praticado no resto da Europa. Sem isso, o Dr. Mexia jamais  (não é piada…) conseguiria ter os resultados (lucros) que apresenta, ano após ano. Mas tambem seria injusto negar ao Dr. Mexia a possibilidade de ganhar um vencimento ao nível do que está habituado (sempre em empresas públicas…estão a ver, o teclado a fugir para a verdade)

Nunca na minha vida de consultor,  estive perante um problema que não tem saída, como parece ser o caso,  mas após muito porfiar encontrei a solução.

O sr Engº Sócrates muda o sr. Dr. Mexia para uma das empresas que dão enormes prejuízos ao Estado ( aquelas que estão debaixo do tapete…) pode ser a CP, e continua a pagar-lhe o mesmo, ou mesmo mais, do que ganha na EDP se o Dr Mexia atingir um de dois objectivos ( não estou aqui para enterrar ninguem…)

1 – diminui em 50% o prejuízo anual

2 – os comboios passam a andar no horário previamente combinado com os clientes, no acto da compra do bilhete.

Aí têm como numa só jogada (digna de um mestre de xadrez) resolvemos todas as questões. O sr. Primeiro Ministro não torna a ser enxovalhado pelo Dr. Mexia que continua a ganhar o mesmo, o país começa a resolver um problema (o da CP) que de tão grave, ninguem fala dele, calam-se os invejosos e, este vosso criado, com a riqueza de curriculum que esta solução demonstra, é colocado na próxima lista para a  administração da EDP!

Afinal, ganhamos todos, até a EDP, pois eu compreendo bem que não preciso de ganhar tanto como o Dr Mexia, ao ponto de me chamarem “obsceno”. Ficamos pelos três milhões/ano!

Atentamente, e ansiosamente à espera de ver V. Exªas respirarem de alívio, sou

Luis Moreira

Economista, Gestor e Consultor*

PS:* só para que V.Exªas fiquem descansados quanto à possibilidade de o meu curriculum (ou a falta dele…) possa ser soezmente atacado como foi o do Dr. Rui Pedro Soares .

A Galp às bombas

A Galp abastece todos os postos de abastecimento porque é a única petrolífera que tem refinação. Já aumentou, este ano, em dez ocasiões o preço dos combustíveis e vai continuar a aumentar a não ser que os camionistas façam novo bloqueio. Para já ,temos aí uma greve de três dias dos trabalhadores  que querem aumentos salariais de 2.8% e a empresa só quer dar 1.5%.

Para além disso, exigem participação nos lucros, mas segundo o porta voz da empresa os últimos anos foram particularmente maus, o lucro foi de apenas 200 milhões e ficando abaixo dos 300 milhões não há participação. Estas exigências põem em causa a solidariedade devida para com o futuro da empresa, diz o engº da “pronúncia” esquisita, devida aos muitos anos de trabalho nos petróleos da Venezuela.

As razões da greve são “injustas e ímpossiveis de satisfazer” refere o Presidente, e afirma “que os trabalhadores nos dois últimos anos tiveram ganhos reais de poder de compra”. Acresce que a greve vai ter consequências nefastas no andamento dos investimentos em curso nas refinarias e às paragens técnicas, a que os representantes dos trabalhadores respondem com um “insulto ao conhecimento e inteligência” dos trabalhadores.

É melhor testar o depósito, o presidente da empresa já ameaçou “ir às bombas” isto é, encerrá-las! Quanto ao pagarmos a um preço elevadíssimo os combustíveis, é preciso ter em conta “que antes do imposto somos muito competitivos…”

É um alívio para quem compra!