Sinistra

O discurso político de combate a este Governo está contaminado por um preconceito antigo que repousa silenciosamente no seu sub-texto.
[Read more…]

A estabilidade do governo de esquerda explicada por Paulo Portas

Portas

Muitos são os que ainda duvidam da estabilidade do governo minoritário do PS, apoiado no Parlamento pelo BE, PCP e PEV. É legítimo. Eu que estou, até ver, satisfeito com a solução, tenho as minhas reservas. E é aqui que entra Paulo Portas.

Como o caro leitor estará certamente recordado, a 2 de Julho de 2013, Paulo Portas apresentou a sua demissão ao então chefe de governo, Pedro Passos Coelho (por SMS ou carta, dúvida nunca dissipada). Num comunicado emitido pelo próprio, obedecendo à sua consciência, Portas elencava os motivos por trás da sua famosa decisão irrevogável. Destaco alguns pontos, que me parecem legitimar a esperança de ver o actual governo cumprir o seu mandato, aos quais acrescentarei alguns comentários: [Read more…]

A carta que António Costa podia muito bem ter enviado ao senhor Aníbal

Cavaco

Por último, quero sossegar V. Exa. acerca das medidas que o meu governo vai tomar no sentido de garantir a estabilidade do sistema financeiro. São elas: impedir que qualquer amigo de V. Exa. funde ou administre bancos; propor um aditamento à Constituição que impeça V. Exa. de fazer considerações acerca dos bancos nos quais os portugueses podem ou não confiar.

O resto está aqui. Do genial Ricardo Araújo Pereira.

Afinal ainda se cumprem promessas eleitorais

Salário mínimo sobe para os 530€ a partir de 1 de Janeiro. Qualquer dia temos os contribuintes de alto rendimento a pagar impostos a sério e ainda nos arriscamos e ser um país menos desigual.

Ao cuidado das senhoras e senhores que lideram PS, BE, PCP e PEV

yes

Estimadas senhoras e senhores,

Antes de mais gostaria de vos saudar por aparentemente terem conseguido colocar o interesse nacional à frente das diferenças que vos separam. Enquanto cidadão que se identifica com uma matriz ideológica de esquerda, é com grande satisfação que encaro o vosso empenho na procura de um entendimento que permita a criação de uma alternativa à austeridade extremista que coloca o poder financeiro à frente das reais necessidades de uma sociedade empobrecida e massacrada pelo radicalismo financeiro que comanda a Europa. [Read more…]

A culpa é do acordo de esquerda X

Depois de um pico de 2,51% na quinta-feira passada fruto do desencanto com o pacote de estímulos do BCE, os juros das Obrigações do Tesouro português (OT) a 10 anos abriram a semana a descer para 2,47%” [Expresso]

A farsa da social-democracia

PPC MAC

Apeados de forma legítima, o desespero de Passos Coelho e companhia em regressar ao poder começa a causar vergonha alheia. Mas não há outro caminho para os radicais. A corte passista sabe bem que, se o novo governo durar até 2017, o destino mais que certo no PSD serão as eleições internas. Desesperada, a direita radicalizada insiste no discurso de negação da democracia representativa e continua, qual cassete encravada, a repetir até à exaustão a narrativa gasta do golpe de Estado que a maioria do país já não leva a sério. Como de resto nunca levou. A isto junta-se a insistência na convocação de eleições antecipadas que esta última não agradou aos rapazes de Passos Coelho que ficaram sem tachos. Eles bem tentaram (e conseguiram) nomear algumas centenas de amigos antes de serem despejados, mas já não dá para enxamear a Administração Pública como o vinham fazendo até aqui.  [Read more…]

PàF contra PàF

PassosPortas

Ora deixa cá ver se entendi bem: quando há umas semanas se discutia o programa da coligação PSD/CDS-PP, que se sabia de antemão que seria chumbado, a direita parlamentar criticou António Costa por não ter participado no primeiro dia de debate e por se ter resguardado para o segundo dia, acusando-o de cobardia e de fugir ao confronto de ideias. Hoje, no primeiro de dois dias em que se discute o programa do PS apoiado pelos partidos de esquerda, Passos Coelho e Paulo Portas remeteram-se, tal como Costa tinha feito, ao silêncio. Para quando as críticas da direita parlamentar a estes dois cobardes que fugiram ao confronto de ideias e se resguardaram para considerações finais no segundo dia?

A culpa é do acordo de esquerda IX

Juros da dívida portuguesa continuam a descer” [Expresso] E o incêndio que tarda

Os cães ladram e a caravana passa

PSD e CDS avançam com moção de rejeição ao governo de Costa” [Expresso]

A culpa é do acordo de esquerda VIII

INE confirma estagnação da economia no 3º trimestre” [DN] Ainda o governo de esquerda não existia e já causava estragos. Esta esquerdalhada…

Cavaco Silva, o rancoroso líder da oposição

Cavaco Sistino

O dispendioso monarca de Belém relembrou ontem os portugueses que mais do que um indivíduo a brincar aos presidentes da República, Cavaco Silva é uma espécie de presidente do conselho que ainda recebe visitas apesar de já não mandar nada. Aterrado pelo afastamento do delfim Coelho, Cavaco regressou aos discursos marcados pelo ressentimento e não perdeu a oportunidade de avisar António Costa de que apesar de não poder dissolver o Parlamento, ainda dispõe de alguns poderes, referindo-se obviamente à possibilidade de demitir o governo e vetar, por exemplo, o Orçamento de Estado. Cavaco fará o que estiver ao seu alcance para dificultar a vida do novo governo. O rancor, que como sempre se sobrepõe ao interesse nacional, a isso o obriga. [Read more…]

A culpa é do acordo de esquerda VII

“Juros da dívida continuam em queda”. [Expresso]  Malditos juros que não colaboram com a propaganda do PàF!

A culpa é do acordo de esquerda VI

Juros da dívida fecham abaixo do nível pré-eleitoral” [Expresso]

A única maioria absoluta que resultou das Legislativas

AR

No jogo de tronos que se sucedeu ao acto eleitoral de 4 de Outubro, vários cenários hipotéticos foram sendo traçados, com vista a servir os interesses momentâneos das várias forças políticas em confronto. Desta forma traçaram-se várias maiorias de ocasião, da maioria europeísta que agregava PS, PSD e CDS-PP até à maioria de que rejeitava o PS e que colocava no mesmo saco BE, PCP, PSD e CDS-PP. A determinada altura havia maiorias para todos os gostos, bastava mudar a variável que melhor servisse um determinado interesse num determinado momento.

No entanto, a única maioria que efectivamente conta no que a governar e a legislar diz respeito é a maioria parlamentar. E apesar de nenhum partido ou coligação a ter conseguido, um conjunto de partidos decidiu envidar esforços no sentido de estabelecer entre si um conjunto de acordos parlamentares que levou ao chumbo do governo minoritário Passos/Portas e à indigitação de um novo governo, liderado pelo PS, com o suporte parlamentar de todas as forças à esquerda. [Read more…]

A insaciável sede de poder de Pedro Passos Coelho

PPC

A sede de poder de Pedro Passos Coelho não conhece limites. Ressabiado pelo seu afastamento legítimo e legal da governação, o primeiro-ministro cessante não olha a meios para regressar ao poder e pede agora uma revisão constitucional que permita a convocação de novas eleições.

O pedido de eleições antecipadas não é uma novidade por cá. Aliás, justiça seja feita, quase qualquer motivo serve para o invocar e os partidos usam e abusam dele. Em 2013, pelo menos por duas vezes a oposição pediu eleições. A primeira, logo no início do ano, ocorreu quando um relatório do FMI tentou impor medidas de austeridade adicionais, entendendo a oposição que o governo não estava mandatado para tal. A segunda decorre da demissão de Paulo Portas, cuja sede de poder custou ao país no próprio dia uma subida dos juros da dívida para 8% e perdas no valor de 2,3 mil milhões de euros para o PSI-20, e que Passos Coelho resolveu cedendo à chantagem dos centristas, promovendo Portas e entregando o ministério da Economia a Pires de Lima. Um dos vários golpes políticos promovidos pela direita “teapartizada” de quem aparentemente nos livramos na passada Terça-feira. [Read more…]

O dia em que o PSD tentou apresentar uma moção rejeição ao governo PS e falhou

Moçao de Rejeição PSD

Estamos a 3 de Novembro de 1999, passavam 24 dias desde as Legislativas que haviam reconduzido o governo de António Guterres ao poder e, 9 dias após a tomada de posse do governo minoritário do PS, o grupo parlamentar do PSD dava entrada de uma moção de rejeição do novo governo que, por falta dos deputados necessários para a sua aprovação, acabou por não surtir qualquer efeito.

A moção dos sociais-democratas, submetida pelo então Presidente do Grupo Parlamentar do PSD António Capucho, hoje persona non grata na São Caetano à Lapa, afirmava que o conteúdo do programa do PS era “em tudo idêntico àquilo contra o que o PSD, democrática e convictamente, se bateu durante a campanha eleitoral e que afinal não merece a adesão dos portugueses” apesar de, tal como afirma hoje a furiosa propaganda do PàF, o PS ter ganho a votação. Acrescenta ainda a moção do PSD que o partido havia disputado a eleição “combatendo os propósitos socialistas e apresentando propostas diferentes” e que a moção de rejeição apresentada decorria da alternativa apresentada pelo PSD e do compromisso assumido perante os eleitores, e remata afirmando que “o programa socialista não era bom para Portugal antes das eleições” e que continuou a ser mau com a subida do PS ao poder. Em suma, o PSD concluia que a sua intenção de rejeitar o governo PS, que tinha conseguido 115 deputados e não 107 em coligação com um CDS-PP qualquer, expressava o entendimento da maioria dos eleitores. [Read more…]

Rede Bombista? Foste tu?

Sede do PS Porto alvo de vandalismo. Nunca mais dou ideias

Professor de História para a próxima universidade de Verão da JSD precisa-se!

JSD

A JSD, um dos “braços armados” do PàF nas redes sociais, decidiu fazer uma montagem para instigar ainda mais medo nos portugueses. Pegou nas fotos de Catarina Martins, António Costa e Jerónimo de Sousa, usou o chavão-fetiche da propaganda da direita radicalizada, acrescentou Lenine num fundo vermelho e concluiu arruinando o panfleto. E porquê? Porque entre milhares de fotografias disponíveis na internet capazes de denegrir o comunismo das mais variadas formas, dos gulags à repressão, os adoráveis jotas decidiram escolher uma imagem que, independentemente da repulsa que qualquer pessoa possa sentir pelo comunismo, nos traz à memória uma boa recordação, visto retratar a tomada de Berlim pelas tropas soviéticas, no final da Segunda Guerra Mundial, quando a malta do Ocidente até tinha uma aliança militar com os soviéticos para derrotar os nazis. Ou será que a derrota dos nazis é uma má recordação para a JSD? Quero mesmo acreditar que não mas, nestes tempos de radicalização à direita, who knows?

Não nos desiludam

yes

Nem nos venham dizer daqui a uns meses que não sabiam o que vos esperava. Dessa história já Portugal se fartou. Arregacem as mangas, coloquem o interesse nacional acima dos vossos partidos e façam o que vos compete. Sim, vocês podem. Mas é preciso querer.

via Luís Vargas@Twitter

A luta dos camaradas da direita

manif 22

Foto: Tiago Miranda@Expresso

Hoje viveu-se um dia histórico. Pela primeira vez, um acordo entre os partidos de esquerda com representação parlamentar derrubou um governo minoritário, dando expressão à maioria dos portugueses que no dia 4 de Outubro se deslocaram às urnas e rejeitaram a coligação PSD/CDS-PP.

Vivem-se dias de mudança em Portugal, dias verdadeiramente singulares. E se o inesperado acordo entre PS, BE, PCP e Verdes não fosse, por si só, extraordinário, as mudanças na nossa sociedade não ficam por aqui. E o discurso da direita nunca mais será o mesmo.

Quem nunca ouviu amigos, conhecidos ou mesmo responsáveis políticos dos partidos de direita falar em manifestações como uma perda de tempo, uma demonstração do esquerdismo caviar, uma desculpa para quem não querer trabalhar? Pois bem, hoje tivemos a segunda de duas manifestações desse novo sector da direita que faz manifestações e que empunha palavras de ordem como aquela que podemos ver na foto que abre estas linhas, e que nos remete para um universo “gato fedorentiano”: “A necessidade de consolidação das contas públicas não é uma questão ideológica“. Experimentem entoar tipo palavra de ordem. Soa mesmo bem. [Read more…]

Governo de esquerda em Portugal, uma oportunidade para a Europa

Um artigo de opinião de Romaric Godin, no La Tribune.

Outono Vermelho

Vermelho

Eles estão impacientes. A máquina de propaganda era uma das mais fortes e bem oleadas de que havia memória, a estratégia de se fingirem de mortos resultava a ponto de haver quem não soubesse que o PàF era afinal uma coligação entre o PSD e o CDS-PP, os trambolhões da campanha do PS faziam a sua parte e algumas sondagens chegavam mesmo a atribuir maioria absoluta às tropas de além-Troika. A coisa não correu como esperado mas nem tudo estava perdido. Não seriam os primeiros a governar com maioria relativa. [Read more…]

À sueca

Márcio Alves Candoso

baralho_1

Assim ‘no escuro’, como se diz em alguns jogos de cartas, aposto que Cavaco Silva vai dar posse, com mais ou menos reacções vagais, ao Governo liderado por António Costa. Eu confesso que ‘pago para ver’ – hoje estou numa de jogo -, mas não poderá ser de outra maneira. E porquê?

Porque o Governo NÃO integra membros daqueles dois-partidos-que-a-gente-não-o-diz-o-nome. Essa terá sido a condição de Cavaco Silva para não pôr entraves à coisa – sem ‘virar a mesa’, portanto. Até porque, das forças que apoiam o Governo, quem mais perde com a ausência de PCP e BE é o PS. O que será uma pequena consolação para o refugiado de Belém, na altura de ter de engolir o sapo inovador, que é alcandorar ao poder um Governo de…. enfim, de esquerda. [Read more…]

E que tal reactivar a Rede Bombista?

RB

Cónego Melo e Ramiro Moreira: o líder espiritual e o terrorista

Isto não está nada fácil para o recém-formado Tea Party português. O investimento financeiro é brutal, dos jornais de campanha às redes de clones no espaço virtual – aproveito para deixar as minhas condolências à família e amigos babões de Maria Luz, o mundo da prostituição política ficou por estes dias mais pobre, uma verdadeira tragédia – os comentadores de serviço têm sido incansáveis a espalhar a mensagem de medo e a demonizar a possibilidade de uma alternativa de esquerda, a narrativa atingiu níveis inimagináveis, onde a obscenidade e o absurdo andam de mãos dadas, até o Assis fez o frete deu o ar da sua graça e o melhor que conseguem é subir 2% numa sondagem que apenas vem comprovar que, se as eleições fossem hoje, PS, BE e CDU continuariam com maioria parlamentar. Deve doer. [Read more…]

Gaffe do dia: Luís Marques Guedes confunde acordo à esquerda com a propaganda do seu próprio partido

LMG

Em entrevista ao Expresso, o ministro Luís Marques Guedes afirmou que o potencial acordo à esquerda “parece mais um albergue espanhol do que um projeto de sociedade em conjunto”.

Chavões imbecis e propaganda barata à parte, que hoje é um dia negro para ambas após a trágica notícia que deu conta do falecimento desse ícone maior da manipulação de massas, Maria Luz, é interessante verificar que os múltiplos canais usados pela estratégia subterrânea do universo pafista consigam provocar a confusão nos mais altos oficiais do regime. Talvez Marques Guedes não saiba, talvez o ministro seja uma daquelas figuras com ar de senador impoluto que se destacam para estas estruturas de modo a credibilizar organizações opacas onde se movimentam personagens sinistras com nome de imperador, traficantes de influências e outros criminosos imunes. Talvez seja apenas ingénuo. [Read more…]

Investimento a fugir do país com medo de um governo de esquerda?

Estes investidores não parecem concordar com a premissa. Devem estar a soldo do papão comunista.

Um cordão humano de propaganda?

manif

Alguns jornais deram ontem destaque a um cordão humano que apela a uma espécie de consenso cavaquista entre os partidos: entendam-se desde que o entendimento não inclua CDU e BE. Deve ser mais uma dessas iniciativas da sociedade civil cozinhadas entre a São Caetano e o Caldas.

A manifestação, que conseguiu reunir 1000 pessoas – todos independentes, claro está – teve como mote “Unir o que está dividido”. Como se alguma vez PS, PSD e CDS-PP tivessem sido um só. Como se tivessem feito uma campanha eleitoral de apelo à convergência. É possível que estas pessoas não tenham estado muito atentas às narrativas do PàF e do Partido Socialista. Depois de tudo o que foi dito, depois de todas as acusações e práticas subterrâneas, um entendimento entre ambas as partes seria verdadeiramente surreal. [Read more…]

D. Banca

A banca portuguesa não aprende. Depois de todos os desvarios e crimes cuja conta fica a ser paga pelos contribuintes, os bancos restantes mostram as mesmas arrogância e pesporrência com que sempre nos fustigaram o juízo, a paciência e os parcos recursos. E eis que Faria de Oliveira ousa anunciar, num alarde de humor chunga, que um governo de esquerda pode transformar Portugal em Cuba, enquanto o presidente daquele bando de parasitas do erário público que se chama BCP ousa ameaçar-nos com as mais funestas consequências se ousarmos tal solução política. Quer dizer: esta corte de carraças dos recursos públicos – sem os quais já há muito teriam falido – em vez de se recolher em discreto e silencioso recato, como seria razoável, levantam a crista e cacarejam ameaças. Estão a pedi-las. Oxalá um dia lhas dêem.

Pode a esquerda romper com a austeridade?

um artigo de Alexandre Abreu no Expresso, essencial em tempos de propaganda radical da direita “teapartizada“.