Do Pontapé na Boca*

Primeiro foi o apoio de Jorge Nuno Pinto da Costa a Ana Gomes (eleições presidenciais). Depois foi o editorial no Porto Canal sobre Adão e Silva. Por fim, o editorial sobre Daniel Oliveira. O FC Porto Institucional é, hoje, a principal oposição a António Costa e ao seu governo. Nem Rio (ainda está vivo?) nem a IL, CDS ou Chega se aproximam. Já o PCP e o BE não podem. E o PR depende dos dias. Sem esquecer as declarações de Jorge Nuno Pinto da Costa sobre António Costa: “Se não os consegue demitir, demita-se”.

O que leva o FC Porto Institucional a seguir este caminho? A crise que se abateu sobre o Futebol por causa da pandemia? A falta de apoio de instituições públicas? Os apoios de Costa a Luís Filipe Vieira? A tripla BES-BPN-LFV? Tudo isto por junto ou atacado? Não sei. O que sei é que, uma vez mais, está o FC Porto Institucional a desempenhar o papel que caberia a outros. Só que “esses outros” estão em hibernação. Para mal da democracia. Já foi assim no momento em que o Porto Canal precisava do apoio das Instituições (privadas) da região e nada. Teve de ser o FC Porto a salvar o canal de uma morte anunciada. O mundo está estranho…

 

*Expressão gentilmente palmada ao João Mendes

Conversas vadias 17

A ementa do dia constou de Medina, Rússia, Câmara Municipal de Lisboa, protecção de dados, bufos, chibos, merdas, República, partidos, Pedro Adão e Silva, História de Portugal, História do 25 de Abril. Nestas conversas vadias pode ter nascido uma iniciativa que rivalizará com a Comissão para a comemoração dos 50 anos do 25 de Abril, sem custos para o país.

A vadiar por todos estes assuntos estiveram o António de Almeida, o António Fernando Nabais, o José Mário Teixeira, o João Mendes, o Orlando Sousa e o Carlos Araújo Alves.

Aventar Podcast
Aventar Podcast
Conversas vadias 17
/

Futebol, o verdadeiro dono disto tudo: o caso Pedro Adão e Silva

Futebol. Um conjunto de instituições de exagerado poder, com tentáculos na política local e nacional, há décadas a viver acima das suas possibilidades e em situação permanente de falência técnica, em particular as suas elites, a quem tudo é permitido, seja corrupção, sejam fraudes fiscais, sejam os mais variados abusos de poder, seja o que for. Vale tudo e está tudo bem.

Até no interior do Parlamento se faz o poder futebolístico representar, através dos poucos fóruns onde o unanimismo reina, que são as associações de deputados-adeptos dos principais clubes, onde podemos encontrar um deputado do CDS a brindar com outro do PCP, e que, não raras vezes, até recebem os seus presidentes e outros dirigentes para almoçar ou jantar.

[Read more…]

Pod do Dia – A embriaguez da tudologia

Entre a bravata e a tristeza, tudo se torna possível quando se abusa do álcool. Os tímidos declaram-se a amores anteriormente impossíveis e uma pedra da calçada no meio de tantas iguais pode ser motivo para um vale de lágrimas. A bebedeira é uma adolescência que faz mal ao fígado. Há quem consiga curar a primeira e há quem nunca saia da segunda.

 

Aventar Podcast
Aventar Podcast
Pod do Dia - A embriaguez da tudologia
/

O gangue de Pedro Adão e Silva quer tomar o poder no Benfica

A cara mais visível é a do cozinheiro João Noronha Lopes, agora secundado pelo seu cunhado Jorge Mattamouros (nem um argumentista para arranjar este nome), mas o verdadeiro ideólogo da tomada de poder no Benfica é Pedro Adão e Silva.
O mesmo que, durante anos, não teve qualquer problema em debitar a cartilha que lhe era entregue por Carlos Janela e que ele seguia sem qualquer pudor.
O que mudou afinal? A descoberta dos emails? Os sucessivos casos na Justiça? As dívidas de Vieira?
Não, não e não. Pedro Adão e Silva continuou a defender Vieira mesmo depois disso tudo. Atacando Rui Pinto e os seus emails, que num dia eram roubados, no dia seguinte inventados e no outro descontextualizados. E atacando quem punha em causa a idoneidade de Vieira.
O que mudou [Read more…]

Já está formada a equipa de Pedro Adão e Silva

As Comemorações do 25 de Abril. O Tempo e o Modo

Rodrigo Sousa e Castro, capitão de Abril

 

Relembremos a propósito as comemorações do 25º aniversário.

O que delas ficou explica-se em poucas palavras. O governo do PS através da TV pública mandou realizar um filme, obra ficcionada sobre factos reais ocorridos em 25 de Abril de 1974, agenciando para o efeito uma actriz ( Maria de Medeiros), tida como próxima dos socialistas. Obra de discutível gosto, de grandes custos financeiros em que por via de amizades profissionais foram desencantar um actor italiano para interpretar o papel que no filme atribuem a Salgueiro Maia.

Ao mesmo tempo, uma TV privada, a SIC, investiu enormes recursos financeiros, para com actores portugueses e um guião que seguiu estritamente os testemunhos dos principais intervenientes operacionais, militares e civis, – sim civis, que também os houve – , para deixar um documentário (Hora da Liberdade) que permitirá às futuras gerações, face à escassez de testemunhos vídeo e fotográficos da parte fulcral do movimento militar, terem uma noção aproximada dos acontecimentos.

Atentemos agora nas evitáveis polémicas que já marcam o cinquentenário. [Read more…]

Pobreza extrema

Na comissão executiva da comemoração dos 50 anos do 25 de Abril e na respectiva estrutura de apoio são todos pobres: Pedro Adão e Silva é pobre, o secretário pessoal é pobre, os três técnicos especialistas são pobres, os três adjuntos são pobres, o motorista é pobre.

Pedro Adão e Silva – um comissário a peso de ouro

Pedro Adão e Silva, nomeado pelo governo para preparar as comemorações dos 50 anos do 25 de Abril irá embolsar para o efeito cerca de 4.500 euros por mês até ao final de 2026!
Queria acreditar que fosse fake news mas, até ao momento, a notícia do Porto Canal não foi desmentida!
Não é à toa que cada vez há mais jornalistas e comentadores que não passam de porta-vozes, seja de que partido, clube ou seita for, cartilheiros ou comentadores do regime. Não! Ganha-se muito bem, bem mais do que a trabalhar e não será despiciendo perguntar se não será o amigo Carlos Silva a pagar semelhante baú de ouro. Creio bem que não, infelizmente, seremos mesmo nós!

Está tudo a saque, dirá o povo, mas nós, [Read more…]

Sem tirar e talvez pondo

«Mais de 50% dos portugueses recebem uma forma de salário inferior a oito mil euros [por ano]”. Note-se a formulação (justa) relativa à natureza vaga dos rendimentos dessa tanta gente pobre. Ruptura, sem dúvida.
[Expresso]

“Plafonamento vertical”? “Cenário macro-económico”?

As palavras da linguagem técnica e obscura do actual combate político, que o cidadão comum gostaria de ver trocadas por miúdos, como bem lembraram Pedro Lopes Marques e Pedro Adão e Silva na TSF hoje ao fim do dia.

tudólogos

Acabei de ouvir Marques Mendes a falar sobre o jogo da selecção “a defesa esteve bem. não sofremos golos. acho que o meio-campo já esteve mais expedito…” – mudei imediatamente de canal para o amigável da Espanha contra essa grande potência futebolística que é El Salvador. Não quis pura e simplesmente ouvir o resto. O que é que este tipo percebe de bola? – interroguei-me. Já não bastava ter que gramar de vez em quando com a doença falsa(mente) braguísta (alfacinha) de Marcelo Rebelo de Sousa a meio dos seus tiros (e beijinhos; quando lhe interessa Belém) ao governo? Ou com a doença benfiquista de Pedro Adão e Silva, a meio das loucas epifanias radiofónicas com o portista do falso tripeiro nunca saído de Lisboa Pedro Marques Lopes na TSF? [Read more…]

A Puta da Semântica

Desculpem, Esquerdóides, mas estou cansado dos vossos anúncios do fim do mundo e da vossa boca cheia de mortos: «o Governo está morto»; «o Presidente matou a esperança». Ide matar o caralho! Maldita semântica. De repente, os vossos comentadores descobrem que vão nus. Após a surpresa pelo discurso presidencial do dez de Julho, vêm os cromos Adão e Silva e os insuportáveis Pedro Marques Lopes, sempre os mesmos, sempre a mesma merda, encher de cínico e sonso ou de falsete e risonha histeria os ecrãs das TV, mostrando um desprezo pelas instituições lá, onde o Supremo Corrupto mereceu mesuras e deferência. Contra os ventos e marés da actual popularidade maravilhosa do Partido Socialista, o Presidente da República ousa não convocar eleições?! Toda a socialistice e a esquerdice dão tau-tau ao Presidente. Chamam-lhe Múmia, Estarola, Esfinge. O Presidente tem inimigos. Sócrates é inimigo mortal e mortífero do Presidente. O Presidente tenta sacudir a maledicência dos socratistas com a vingança de um aperto no torno de um dilema: respaldar ou não o caminho sob o Memorando até, pelo menos, Junho de 2014. [Read more…]

Já Sabem Onde Podem Enfiar o Manifesto

Está na moda a impunidade feliz. Ex-políticos vivem regalados depois de anos de Roubo, mas um Roubo naturalmente destinado à impunidade dos deuses. A impunidade das preciosas e douradas mãos de suas excelências intocáveis, os políticos, comparados connosco, a ralé que bem pode perder o 13.º e o 14.º e imputar a perda não à gestão danosa dos Governos de Saque Socratista, mas ao manso Passos. E no entanto, a impunidade vai toda para os políticos das licenciaturas instantâneas, os políticos do poder de aprovar o tal outlet em zona protegida de flamingos e o poder de aprová-lo à última da hora pantanosa, certamente sem luvas no processo. [Read more…]

Pedro Marques Lopes, a «isenção» da TSF e o «amigo Joaquim»


«Bloco Central» é um programa de actualidade política da TSF cujo nome diz tudo. De um lado, Pedro Adão e Silva representa o PS. Do outro, Pedro Marques Lopes representa o PSD.
Pedro Adão e Silva foi dirigente nacional do PS e autor da moção de José Sócrates no último Congresso. Pedro Marques Lopes não é nem nunca foi nada no PSD. Pedro Adão e Silva defende com todas as forças o PS e o primeiro-ministro e está sempre a atacar o PSD. Pedro Marques Lopes ataca com todas as forças o PSD e Manuela Ferreira Leite e não raras vezes defende o primeiro-ministro.
É assim a isenção da TSF. Claro que ninguém foi dizer a Pedro Marques Lopes o que ele devia dizer. E ninguém foi dizer a o director da TSF Paulo Baldaia para contratar Pedro Marques Lopes para um programa deste género. Não é preciso. Lembram-se da história do cãozinho amestrado? Pois, o «amigo Joaquim» não precisa de dar ordens. Todos sabem, a cada momento, o que hão-de fazer.