Aventar, seis anos

10,483,539 páginas abertas e 6,966,266 visitantes depois (números sitemeter, ou seja, muito por baixo), com 12163 seguidores no Facebook, o Aventar completou hoje seis aninhos.

Obrigado, caros leitores, por insistirem.

Enquanto estiverem aí, continuamos deste lado.

Aos nossos leitores

aventar-almouco--2014

Cinco anos e quase cinco dias depois, voltámos ao mesmo local 007 do crime num almoço de confraternização dos que escrevem o Aventar, aqui erguendo um brinde aos nossos leitores.

Entretanto o próximo repasto ficou conversado para a zona de Évora, falta-nos escolher o restaurante e consultar o regulamento dos serviços prisionais.

No sexto Natal do Aventar…


Desejo a todos, amigos, colegas, leitores, comentadores e coisos, o melhor possível. Feliz Natal.

Cinco Anos Sempre a Dar-lhe


Cinco anos volvidos, continuo a desejar a todos muitos e sonoros.
Banda sonora para comemorar: Orgasm – Come, de Prince.

Aventar, cinco anos

5 anos

O nosso obrigado aos 5 693 255 visitantes mal contados pelo sitemeter, a 30 de Março de 2009 o Aventar expunha ao vento, arejava, segurava pelas ventas, farejava, pressentia, suspeitava e chegava.

 

Almoçaventado

image

Venham mais cinco, venham mais cinco. Dez à mesa, à volta dos “ossos”, a caminho de mais um ano de blog. Bom sol condimenta sempre a boa cozinha e hoje está um dia bem soalheiro.
E ao sol estamos tão bem! Acabada a refeição de ossos (salbo seija qu’eu num como dessas cousas), estamos na esplanada do Café Santa Cruz.
Eu ainda propus a Meta dos Leitões, mas como não tem comboio, o Dario não quis.
Sete ilustres cidadãos cumpridores e pagadores de impostos deslocaram-se de Portugal a Coimbra no IC 720. Chegados à tabela, a cidade recebeu-os em ombros e em êxtase…. E depois da doçaria, está na hora de mandar vir uns finos antes que o comboio nos venha recolher.
Uns finos é como quem diz. Há quem ataque uma aguardente, outros um gin, e entre conversas de pé de orelha se fazem cumplicidades ao som de interesses comuns. São sons que se cruzam, entre mistos de fait divers com temas mais profundos, de crenças e filosofias de vida.
Um abraço a quem não pôde vir e outro para os leitores, a razão última de se escrever.

Blasfémias

blasfemias

Após Rui Albuquerque ter publicado isto no Blasfémias, o conhecido blogue do chamado neoliberalismo português ficou assim:

blasfemias 2Sim, fomos nós. Neo-esquerdista, o Aventar? para a próxima apagamos a base de dados. Haja respeito.

Restaurante com vista

almoço1 SAM_4794
E no meio de tanta sordidez política e tanta maldade, é bom encontrarmo-nos uns com os outros, abraçarmo-nos e, durante umas horas, percebermos que, como diz a canção, «é muito mais aquilo que nos une do que aquilo que nos separa».
Foi (mais) um excelente almoço do Aventar. Pena nem todos terem podido estar presentes. É que aqui, ao contrário do que acontece noutros locais, quem não vem faz falta.
Num belo restaurante com uma vista fantástica para o Douro. Valbom, Paris e Londres.

Não me apetece

Não me apetece isto. Não me apetece mesmo. Da mesma forma que cumprimentei ao entrar, cumprimento ao sair. Não me apetece. Não me apetece a condescendência, que me irrita tanto. Sou a favor do insulto claro e limpo, do confronto de ideias, da luta das palavras e de tudo o resto, mas não me apetece. [Read more…]

A banalização da fome

us-history-great-depression-picture

Em 2010 o Arnaldo Antunes, um professor de profissão que vinha aqui desabafar do seu quotidiano profissional, escreveu um artigo intitulado A Fome nas Escolas onde narrava o seu encontro com uma mãe com “2 litros de leite e meia dúzia de batatas para dar aos dois filhos.

Deve ter sido dos um dos textos mais badalados que se publicaram nesta casa, ele foi pedidos de entrevista, gente voluntariosa pronta para ajudar a família necessitada, um corropio, que de resto assustou o pobre Arnaldo, vidas privadas e vidas profissionais levam-nos ao desabafo mas podem transformar-se em complicação para um funcionário público.

Neste ano da graça de 2013 a Carla Romualdo veio denunciar outras fomes que descobriu num Hospital público e central: [Read more…]

Protegido: Um doente mental

Este conteúdo está protegido com uma senha. Para o visualizar, por favor insira a sua senha abaixo:

Ponto final

brushes030_300_jorge_colombo_iphone_finger-drawn_02
© Jorge Colombo (desenhado com um iPhone)

Eu gostava do Aventar, de que era uma leitora assídua antes de começar a colaborar. Gostava deste pluralismo, desta gente toda a escrever em bom Português nesta espécie de jornal onde podia ir seguindo a actualidade, gostava de uma dinâmica pouco habitual nos blogues, das iniciativas cívicas, das traduções feitas da noite para o dia por dezenas de mãos, dos textos do Francisco Miguel Valada, patriota da Língua no exílio, dos do António Fernando Nabais, um professor que podia ser um jornalista, dos da Carla Romualdo, escritora a fazer-se aqui, dos do Carlos Fonseca, e de alguns outros mais.

Gostava mesmo disto, apesar do excesso de opinião levando os estandartes dos interesses próprios (fenómeno que também assola a generalidade das publicações profissionais) e da falta de outras coisas, as que diferenciam um passatempo para solitários com queda para a escrita de um projecto profissional com gente capaz de narrar o Mundo, de pensá-lo e documentá-lo na sua diversidade, e não apenas de se chegar ao computador regularmente para alinhar palavras umas atrás das outras e mandar postas de pescada nr 2 (que são aquelas mais baratas e pequenas) com base naquilo que andou a ler noutros sites e jornais.

Gostava, também, dos tantos leitores que por aqui passam, das audiências estupendas do blogue, um jornalista sem um jornal gosta sempre de saber que é lido. Mesmo que por vezes discordasse de muito do que por aqui se escreve e faz, sentia-me parte disto, e menos sozinha por poder escrever num lugar que me parecia distinguir-se do chamado “jornalismo do cidadão”, designação que pretende fazer de todos jornalistas e/ou cronistas, como se isso fosse possível ou sequer desejável, num mundo em que a liberdade de expressão de cada um para seu lado serve essencialmente para ser uma ilusão mais no vasto leque de actividades de entretenimento e passatempo que a Internet favoreceu.

O que mudam numa sociedade todas essas palavras, muitas vezes nem tanto assim diferentes (na intenção) do que pode ser lido nas caixas de comentários odiosos de toda a parte? Os textos de Joaquim Carlos Santos, o Joshua Palavroso, espelham o pior de tudo isso e têm vindo a fazer do Aventar um lugar impossível de frequentar.

Não Ficar Para Trás, Dever Nacional

Pois, João Paulo, a nossa fome não é, de facto, um dever constitucional, mas por exemplo o fim das subvenções de ex-políticos, actuais políticos, como Cavaco, Assunção Esteves e Catroga, e futuros políticos, a esta luz, torna-se um dever imediato da legislatura e outros movimentos similares autorreformistas do Sistema tornam-se imperativos precisamente perante a penúria, a fome e a nudez de muitos portugueses apanhados no tsunami deste ajustamento. Não deverias partir do pressuposto de que acato acriticamente a papa regurgitada pelo Governo Passos Coelho II ou papo com cara de tolo todas as desculpas para o agravamento da factura social para suster a factura do défice: também eu fui posto a pão e água pela Troyka e por Passos e se me rebelo, rebelo-me, sim, cumulativamente contra o passado culpado e contra a covardia e incompetência que são as do Governo, mas também em larguíssima medida da Oposição liderada pelo Partido Chupcialista.

Não deverias cavar a trincheira das nossas distintas razões por finalidades comuns colocando-me no lado sádico da questão e ficando tu com o lado monopolista do bom senso e da sensibilidade e do sentido social. A Esquerda farta-se de estigmatizar outros redutos desapossando-os de humanidade e de boas intenções, pelo menos tão boas quanto as dela: concordarás comigo que se o Aparelho de Estado foi colonizado pelos partidos com camadas e camadas de clientes, há-de ser uma magna tarefa desparasitá-lo e é por isso que Soares reincide em apelar ao motim, à balbúrdia, à queda fragorosa de todos os esforços por mudar o paradigma parasitário segregado no pós-Abril. [Read more…]

A fome não é um dever constitucional

Caro camarada aventador,pinheiro

não há nada de pessoal nas minhas análises. Obviamente, quando sugiro um Pinus no reto de alguns governantes, não é porque tenha algo contra os pinheiros. Antes pelo contrário. Do mesmo modo, os erros de Mário Soares não justificam, nos argumentos que ele usa, a assertividade ou a ausência dela. Umas vezes argumenta de forma lógica, outras nem por isso. O mesmo acontece com qualquer dos escribas deste corner, que são pouco recomendáveis apenas do ponto de vista do mercado blogueiro – são um produto a evitar.

Mas, não tenhas qualquer dúvida, nós, os que estamos do lado oposto ao de Relvas e Coelho, fazemos mais pelo futuro de Portugal no Euro e na Europa do que aqueles que, como tu, aceitam sem questionar as práticas imorais deste governo. Eu, como Adriano Moreira, sinto que estamos à esquerda dessa gente porque temos – usurpação de argumento, reconheço – a convicção de que a fome não é um dever constitucional.

E, dizer que este não é o caminho é defender o futuro de Portugal e dos Portugueses. O que eu escrevo – renegociação da dívida – é uma certeza. Vai acontecer. Só não sei quando, mas vai acontecer por uma razão simples: Portugal não a vai conseguir pagar.

Se calhar fazemos os dois falta ao Governo: tu segues a linha passista e passadista – a culpa é do dia de ontem. Eu faço o favor de não me preocupar com o ontem, com a raiz do problema, e procuro apontar uma saída para o labirinto onde Passos se meteu.

E agora, vamos lá meter os pés ao caminho para ir atravessar a ponte. Por um futuro, para ti e para mim!

Comentários e imbecis

A título meramente pessoal fica o aviso: o próximo cabrão de merda que utilizar uma caixa de comentários minha para fazer queixinha de quem legitimamente lhe apagou as cagadelas anteriores, passa para a minha lista de trolls.

Quem não quer ler tem muito blogue à escolha com inteira liberdade de comentar (é um respeitável modo de estar na net como qualquer outro).

Eu sei que é Verão e há pouco para fazer e etc.  Vão ao chafariz mais próximo, molhem a cabeça, bebam um tinto, façam o pino, pinoquem se estiverem com quem. Os meus amigos, por mais que discorde deles, no meu espaço não são insultados.

Até porque hoje é dia internacional da amizade.

Water On head

 

 

Breaking News: AVENTAR contrata jovem da concelhia para testes na equipa B

Livre, nortenho e regionalista, o meu nome é João, sou um puto de 28 anos que tem uma vida normal e que gosta muito de escrever. Não que escreva grande coisa mas ainda assim escrevo porque me faz sentir bem. Não falta por aí quem não perceba nada de poker e ainda assim derreta euros atrás de euros online.

Também sou um entusiasta da blogosfera e, acima de tudo do debate de ideias: de o ler ou ouvir e se possível participar. Tenho profunda convicção de que o caminho para uma sociedade melhor, em todos os níveis, passa precisamente por aí. Já acompanho o Aventar há algum tempo e quando este convite inesperado surgiu, fiquei em “êxtase” com a oportunidade mas achei que seria uma responsabilidade muito grande para a qual talvez não estivesse preparado. E se calhar não estou…Mas depois de uma conversa com o simpático Aventador que me convidou, percorri o blog até Março de 2009 (não, não estou a insinuar que o li todo, precisava de mais algumas semanas…) e dei por mim perante um post que me parece ser o segundo da história (apesar de vir assinado por “ex-autores”) e que dizia:

Aqui o limite são as calúnias e as caralhadas! As calúnias não passam nunca. As caralhadas não passam se forem ordinárias. Como vê, a culpa é sempre sua. No resto, exponha-se, arremesse, adivinhe, preveja, manifeste-se, suspire e tudo o mais que AVENTAR representa. Que são todas estas palavras e mais o que a sua imaginação conseguir criar.
Pode ficar AVENTADO? Pois pode, mas só faz bem ao stress ser agitado por vendaval! É bem melhor do que sofrer de AVENTAMENTO, ficar calado, azedar!

E todas as dúvidas se dissiparam.

Muito obrigado pela oportunidade e pelo convite. Tudo farei para estar à altura do desafio!

Um abraço
João

O cê de ‘actual’, Expresso! O cê de ‘actual’!

Alguém, no Expresso, lê o Aventar. E faz muito bem. O Aventar é excelente. Já agora, retirar o acento à flexão verbal (pára —> para) e colar o ‘co’ ao ‘autor’, suprimindo o hífen, não chega. Falta o resto (ontem, tive o cuidado de indicar as palavras em ortografia portuguesa europeia com uns círculos azuis). Falta o cê de ‘actual’! Será por causa da Activa? Vá lá, mais um esforço . Está quase…

Expresso 2242013a

Cantando espalharei por toda parte/partilhai e espalhai a mensagem

Ricardo Costa 1142013
Ricardo Costa, director de um jornal que, há cerca de três anos, decidiu “poupar letras” e *adotar o acordo ortográfico, diz que este texto “não corre o risco de ser muito partilhado no Facebook e de circular na net por um ou dois anos”. Antes pelo contrário, Ricardo Costa. No que me diz respeito, considerando a incontestável qualidade da grafia empregada (sim, no segundo parágrafo, aparece uma *fatura, mas gralhas, como falhas, todos as temos) e respondendo ao apelo com que remata o texto (“partilhai e espalhai a mensagem”), como diria o Poeta, “cantando espalharei por toda parte, se a tanto me ajudar o engenho e arte”, por um, dois, quatro, seis ou mais anos se for preciso: no Facebook, sim, claro, mas também no Twitter, pois então.
Gostei muito deste texto, Ricardo Costa. Muito obrigado. Melhor prenda no meu primeiro aniversário no Aventar não era impossível, é verdade, mas admito que era difícil.
Agora, só falta fazer-se justiça. Sim, justiça. Falta o Expresso deixar de utilizar várias grafias e permitir que os seus jornalistas possam adoptar a grafia do director, uma grafia que, afinal, também é deles. Exactamente.

Aventar

Quatro anos, quatro milhões de visitas. Agora numa média de 4000 a 5000 diárias. Entretanto os jornais

Aventar nas Casas do Bragal

Almoço

O Aventar completou, ontem, quatro anos e resolveu comemorá-los à mesa, que é um dos hábitos mais saudáveis que pode haver, mesmo com o aumento do IVA e do colesterol. [Read more…]

Eram Quatro Meninas

meninas

Eram quatro meninas, qual delas a mais linda. Conheceram-se em Coimbra e os seus coraçõezinhos imediatamente se sentiram ligados por aqueles laços que tantas vezes escapam aos adultos. Eram quatro meninas que logo ali, naquele restaurante desconhecido, iniciaram brincadeiras e cumplicidades que se prolongaram para além da separação. A duas delas faltava o A.R. com que se escrevem os nomes das amiguinhas distantes. Os pais, sensibilizados por tão bela amizade, acabaram por também estreitar laços de amizade já existentes. As quatro meninas voltaram a encontrar-se, agora em casa de duas delas. Quatro meninas cujas iniciais são as primeiras quatro letras do almoço que serviu de mote a este encontro. A amizade e as brincadeiras retomaram-se no ponto em que haviam ficado naquele dia da descoberta e separação. Voltaram a separar-se com a promessa parental de novo encontro para breve, muito breve, o mais breve possível. São quatro meninas cada vez mais amigas, cada vez mais próximas. São quatro meninas, filhas de bloggers Aventadores. São quatro meninas, cada vez mais lindas, cada vez mais amigas. São quatro meninas, todas pequeninas. Serão o futuro do Aventar?

Almoço Sectorial Aventar, Porto

PALAVROSSAVRVS: Hoje o Aventar almoçou na Baixa Portuense, Mousinho. Foi um almoço sectorial. Éramos só dois. Dario e eu. Mas foi muito bom na mesma. Nada como termos podido contrastar o dia-a-dia com o prazer sem paralelo de uma excelente conversa aventadora, onde nada do que é português e relativo à política escape ileso. Conspirámos. Rimos. Sonhámos.

Exare-se em acta esta nossa conclusão concorde: são milhares os exemplos de como a roda dentada político-partidária nos vem fazendo um mal indescritível e ao País: enquanto a Política e a sua Casa Simbólica se conservarem meras conchinhas fechadas aos cidadãos, antro de negócios a que temos sido completamente alheios, e enquanto a Justiça [finalmente levada aos que malbarataram e desmandaram e atropelaram a Coisa Pública debaixo da pala imunitária da Política] não passar de uma caricatura de Justiça, Portugal também não passará de um sítio. Jamais será um País.

Hoje senti-me mais vivo. O copo de vinho ajudou. Fui ressuscitado para a luz bela de um dia portuense frígido, na companhia não já de um colega, mas de um Irmão e de um Amigo. A propósito, parece que o IVA não é levado muito a sério nos restaurantes às moscas, pois não, Dario?!

DARIOSILVA: Não tenho IVA a declarar: o vinho, branco, verde, só podia ser bom: provém do vale do Sousa, d’uma encosta com o comboio aos pés, d’um sítio que acumula um nevoeiro delicioso numa infância a bordo de um comboio. E foi assim.

A Internet entrou na nossa vida

Na revista 2 do PÚBLICO de hoje, um artigo sobre como a Internet entrou na nossa vida e como poderá ser daqui a dez anos: a Internet tornou-se num “meio privilegiado de troca de mensagens, partilha pública da vida privada, meio de organização colectiva, instrumento de ajuda à democracia e às ditaduras. Daqui a outros dez anos, ninguém arrisca dizer como será um meio que todos os anos se transforma de forma avassaladora.”

Uma das constatações de especialistas entrevistados pelo PÚBLICO, é que “perdemos a capacidade de afastar as distracções e de sermos pensadores atentos, de nos concentrarmos no nosso raciocínio” ou, dito de outra forma, “está a fazer-nos perder a capacidade de concentração e a tornar-nos menos reflexivos”.

Usamos a Internet para trocar mensagens e para namorar, repara a jornalista em conclusão.

Não é perda de tempo pensarmos nas vantagens e desvantagens da Internet. Eu, por mim, vejo mais prós que contras. A Internet permite, só para dar um exemplo, esta troca de ideias concordantes e discordantes entre os leitores e os autores dos artigos no Aventar. Entre gente que não se conhece pessoalmente mas que, há medida que o tempo passa, ganha o título de «familiar». Sem nos conhecermos, escrevemos «caro»; «cara»; «abraço». Por que fazemos isto?

Os leitores poderão ajudar nesta reflexão!

Almoço Aventar, Epifania do Outro

E, levantando-as do chão, a Maria Celeste deu-nos folhinhas de choupo, recordando como a sua forma é a de um coração, cor, cordis, cordata.

Ao princípio, nunca se faz a menor suspeita de como a palma das nossas mãos e a amplitude dos nossos braços desabrocharão perante a epifania do outro que não conhecíamos, do outro já conhecido. Tudo parece incerto, ou tolhido de ansiedade ou sem quaisquer expectativas que contrastem com a banalidade habitual de se estar vivo e haver vagamente gente que passa ao largo, dia-a-dia. Há quem acalente antecipadamente a alegria do Encontro agendado. Há quem albergue uma migalha de medo, talvez insegurança por causa desta tenda de carne onde moramos, batida pelo sol dos anos, vergastada pelos aguaceiros da dor inescapável. Depois, sem peias, sem reservas, sem barreiras, milagre da comida, sortilégio da bebida, vontade-árvore de dar tudo sem esperar nada, o almoço transfigura-nos e o afecto faz-se torrente, esporo de pólen da Elaeis guineensis, inseminando de milagre e de anti-acaso o estarmos juntos. Tudo concentrado numas horas de nada. Gargalhada daqui, aceno dacolá, um sorriso, um brilho bruxuleante no olhar acalentado pelo brilho no olhar bruxuleante. Falo por mim e, ouso-o!, falo pelos demais amigos do Aventar, ontem, na adega do Casino da Urca, a um passo de Santa Clara-a-Velha: se éramos corpos, ficámos corpo. Mais corpo.

«Mais um copo, Fernando!» «Bela jeropiga caseira, Jorge!» «Não poderia deixar de me fazer acompanhar das minhas filhinhas e da mulher! O Ricardo, igual.» «Vamos no Cozido à Portuguesa.»

O tempo trai-nos. Por ser fugidio e não haver como descarregar todos os ficheiros de quanto somos no âmago, queremos dizer-nos tudo ou ouvir tudo de todos na fracção infinitesimal de um segundo.  Só crianças se entregam assim e se partilham assim, numa avidez desmedida, sorte a delas e a nossa, se lhes semelharmos. Pensámos nos aventadores que não estavam. Espreitávamos o que aventavam.

A Maria Celeste esteve connosco. E o que eu nela vi foi grandioso: viagem que fala de si, da Itália ao Amazonas, encanto que pulsa com a vida, com a arte, com o cosmos, com tudo o que Portugal tem de único e admirável. Conversar com a Maria Celeste, abraçá-la, beijar-lhe a fronte muitas vezes, comover-me com ela, rir e pasmar com as descobertas e reflexões dela, recordou-me o quando éramos todos meninos e passávamos certamente toda a tarde a brincar e a interrogar-nos. Às vezes o nosso buraco de adultos é inconfessável, no seu deserto de presenças, e mesmo intransponível, até que a insistência muito além de cordata de alguém nos estende a mão para ressurgirmos à luz. Foi assim comigo. Foi assim, sem dúvida, com a Maria. Mas eu sabia bem ao que ia. Ela, talvez não inteiramente. Esvaiu-se-nos a tarde, fomos felizes mesmo em rebelia contra um tempo impiedoso de tão apressado.

Tanto mais teria eu de pincelar acerca do José João, do seu humor e narrativas; do Fernando, simpatia que incarnou e se fez homem; da neo-aventadora Teresa, espirituosa como poucas; da astuta e bela Carla; da meiga e vivaz Céu; da maternal Noémia; da Lourdes maternal, mulher que eu amo; de todo um grupo sob o deslumbramento das nossas quatro meninas que brincavam por todo o perímetro. Nem faltou um forte abraço à gente boa que tão bem nos acolheu e alimentou. Enfim…

Não, não há palavras!

Diálogo empreendedor vs desempregada

Com acusações de burla à mistura. Um Segmento Azul, aqui no Aventar.

O meu último post

Faz hoje precisamente um ano que o meu livro, Arquitectura, Música e Acústica no Portugal Contemporâneo (edições FAUP), foi apresentado na Fnac do GaiaShopping, no âmbito da Campanha 100 Anos, 100 Livros ( lançamentos de livros da Universidade do Porto nas lojas Fnac).

Uma coincidência. Gosto de coincidências. «Nada é ao acaso». Gosto desta frase de Richard Bach. Uma data que marcou uma etapa, um dia importante. Hoje, quero iniciar uma outra.

Desde essa altura que tenho vindo a escrever muito regularmente neste blogue, a convite do JJC.

Foi uma experiência enriquecedora: aprendi muito com os autores do Aventar e com os leitores, mesmo com aqueles que declaradamente não concordam comigo nalguns temas.

Escrever num blogue torna-se rapidamente num vício. [Read more…]

«A elite portuguesa adora conversa da treta»

Paulo Baldaia, que dá a sua opinião regularmente no DN, ontem veio com uma treta que eu não gostei:  “Nos blogues, nas redes sociais e até no Congresso das Alternativas o desespero da senhora foi goleado pelos trocadilhos à volta da bandeira. A elite portuguesa adora conversas da treta.”

Ora é natural que, uma vez que escrevo num blogue, me sinta pelo menos indirectamente atingida  pelo comentário. Primeiro: porque quando escrevi sobre o grito de Luisa Trindade não quis, de maneira nenhuma, fazer conversa da treta. Este episódio triste das cerimónias tristes e vergonhosas do 5 de Outubro impressionou-me, mexeu comigo, «experimentei» os sapatos de Luísa Trindade… Segundo: não quero nem pensar ser da «elite» portuguesa». Quem sou eu? [Read more…]

O Aventar feito pelos seus leitores

O Aventar continua a aceitar a colaboração dos seus leitores, através de textos não publicados na net.

Para o efeito, utilizem o nosso contacto.

Textos publicados noutros blogues poderão merecer referência num artigo dos nossos autores, mas naturalmente não podem ser republicados na íntegra.

Sem notícias

Mais uma ideia maluca, à Céu Mota. E se, de um dia para o outro, optar por não ouvir, ler ou querer saber o que se passa no meu país e no mundo? Não comprar o jornal, mudar de emissora de rádio quando viajo de carro, não ver as notícias na TV, etc.?

Nas férias não é difícil, mas prolongar essa escolha para o resto do ano?

Será alienação? Indiferença? Como será viver sem tanta informação?

Por todos os lados ela nos chega. Tanta, que ficamos imobilizados… sem saber para onde nos virar, sem conseguir filtrar e assimilar. Ficamos loucos. Não agimos.

Provavelmente, escreveria menos no Aventar…

Não há como experimentar!

O JJC faz anos

[Read more…]