Uma Escola Universal

Que o Estado português e a Igreja Católica portuguesa, representada pela Companhia de Jesus, criem uma rede pública de Escolas, com uma unidade de ensino em cada distrito do território nacional e unidades exteriores em todos os continentes, para tal usando a rede diplomática da CPLP, assim como as parcerias estratégicas já estabelecidas pela diplomacia portuguesa e pela Companhia de Jesus desde há 500 anos.

[Read more…]

País real(mente) inacreditável

Vivem com dificuldades numa grande cidade? Então experimentem viver no interior do País, num interior relativo, para não exagerar, por exemplo a caminho das praias do Algarve, em S. Bartolomeu de Messines, ali junto à serra, numa terra onde não há médicos de família para aqueles que foram para lá morar há poucos anos, onde o hospital público mais próximo fica a mais de 30 quilómetros, onde não há um centro de diagnóstico que aceite uma prescrição médica do SNS para fazer uma radiografia, onde a única estação de correios vai fechar, onde apenas um comboio e duas ou três camionetas ao dia que vos podem levar dali para um lugar mais civilizado param, onde não há uma escola secundária, nem um tribunal, nem uma loja do cidadão (para fazer o cartão de cidadão, por exemplo), nem uma repartição de finanças, nem uma sala de teatro onde uma companhia profissional possa apresentar-se com dignidade, nem um cinema, nem uma livraria (e não disse uma papelaria onde também se vendem uns poucos livros), nem uma biblioteca, onde nenhum supermercado tem produtos do dumping para vos vender a metade do preço da concorrência leal dos mercados onde há consumidores sobejos, onde o único supermercado com uma oferta diferenciada aceitável (embora sempre bastante mais caro que nas grandes cidades) fechou, depois de ter empregado e despedido trabalhadores ao ritmo dos imperativos dos ciclos económicos.

A cantiga da rua, hoje na Noruega

Vodpod videos no longer available.

Milhares de noruegueses saíram à rua para cantar a canção que Breivik odeia

O multiculturalismo (vejam lá: uma canção norueguesa inspirada noutra do comuna Pete Seeger) juntou 40 000 cidadãos na rua, só porque Anders Behring Breivik declarou em tribunal que a cantiga lhe provoca os suores frios que nossa querida extrema-direita sente nos passos de uma Grândola Vila Morena.

Aguardemos até a blasfema insurgência nacional descobrir aqui a perdição da raça e o princípio do fim da superioridade da civilização cristã ocidental.

Fotografias dos soldados americanos

Mais uma vez as imagens da nossa civilização no LA Times. E não admito o debate publique-se ou não se publique. O debate é: a guerra serve para isto? É esta a FORÇA da Democracia?

Os portistas, esses bárbaros

Estádio do Jamor, Maio de 1994. O FC do Porto acaba de vencer a Finalíssima da Taça de Portugal por 2-1. Quando se preparavam para subir à tribuna para receber a Taça, os jogadores do FC do Porto, com o capitão João Pinto à frente, são bombardeados por centenas de garrafas e de pedras, vindas da bancada central. A Ministra da Educação, Manuela Ferreira Leite, que iria entregar o troféu, fala de um espectáculo deplorável.
Durante largos minutos, perante um corpo de segurança imóvel, os portistas esperaram que a situação acalmasse. Os ataques pareciam ter amainado, mas regressaram em força durante a subida da escadaria e já na Tribuna. Foram minutos de enorme tensão: com a Taça na mão, tentando ergue-la no ar, os jogadores do FC do Porto são de novo bombardeados com pedras e garrafas. Defendem-se como podem, utilizando o troféu como escudo. Há muitos atingidos e a Ministra só não o é porque o Presidente da Federação se coloca à sua frente. Ainda haveria uma terceira vaga da carga sportinguista, quando os dragões desciam com a Taça na mão, em direcção ao relvado, para festejar com os seus adeptos.
Nesse dia, o Estádio do Jamor viveu um dos mais lamentáveis episódios da sua história. Nesse dia, centenas de energúmenos sportinguistas estragaram aquela que podia ter sido mais uma bela festa de Final da Taça de Portugal.

Veredicto de Daniel Oliveira: Os portistas são uns bárbaros. [Read more…]

A caminhar para a miséria

  

In a crashing civilization, being rich just means being the last to 

starve.” Anthony Doerr (US-Writer) 2005

 

 

Pensando na crescente gravidade da nossa situação sócio-económica e vasculhando nos meus arquivos, encontrei um mail com um texto que escrevi em 22.12.2005. Considero que se o tema em 2005 era actual, hoje é actualíssimo.

 

RD

 

P.S. Parece que o livro actualmente já se encontra disponível na Bertrand https://www.bertrand.pt/catalogo/detalhes_produto.php?id=32742

 

 

Rolf Damher – convidado