Conversas vadias 12

Os vadiolas voltaram a reunir-se, como acontece todas as semanas. Fernando Moreira de Sá, António Fernando Nabais, Francisco Miguel Valada e José Mário Teixeira andaram a vadiar à volta dos problemas dos vírus nos computadores, das eleições autonómicas de Madrid, dos prémios de gestão do Novo Banco, do MeeToo, do local de nascimento de D. Afonso Henriques, do busto de Mandela em Oeiras, do obelisco que custou 600 mil euros e do dia mundial da língua portuguesa

A vadiagem terminou com sugestões de livros (Fernando Venâncio) e passeios (ir ver o obelisco, atravessar a Ponte 516 Arouca). Até para a semana.

Aventar Podcast
Aventar Podcast
Conversas vadias 12
/

Carla Castelo: A Liberdade que nos falta

(Carla Castelo, Consultora na área da Comunicação e Ambiente,Co-Fundadora do Movimento de Cidadãos Evoluir Oeiras e ex-jornalista da SIC)

 

Memória de Abril sempre

Quantas vezes cantei “Uma gaivota, voava, voava (…) Como ela, somos livres (…)”
Em correrias de miúdos à solta
Numa azinhaga de pó entre prédios e campo?
Eram tempos em que nada sabia do inverno da ditadura
E me parecia que seria primavera todo o ano
Desse tempo, guardo o vermelho das papoilas sopradas pelo vento
Na encosta que se estendia para lá da via rápida
E a sensação de que, se quisesse,
Poderia correr para sempre seara adentro
Num voo rasante até ao mar.

 

Ainda não tinha 4 anos quando aconteceu o 25 de abril e só muito mais tarde compreendi o significado do dia, de tudo o que ficava para trás, permanecendo como um pesado legado, e do caminho que então se abriu. Mas tenho várias memórias das discussões políticas que me escapavam, e da efervescência que se viveu naquela segunda metade da década em que nasci. Lembro-me das passeatas com outros miúdos em que cantávamos e celebrávamos qualquer coisa que para nós era apenas o presente de correria e de brincadeira na rua.

Tendo crescido numa família patriarcal, a ideia de liberdade começou por ser para mim um ideal de autodeterminação. Poder fazer o que quisesse e com quem quisesse, sem dar satisfações a ninguém. Ser dona de mim, do meu corpo, das minhas opiniões, da minha forma de ser e de estar. Décadas depois, o meu ideal de liberdade foi-se ampliando, muito para lá de mim própria e das minhas irmãs, às outras mulheres, às pessoas LGBT, negras e ciganas, e a toda a comunidade da Terra, que inclui seres vivos e ecossistemas. A comunidade ética da Terra de que fala Aldo Leopold (A Sand County Almanac) e o alargamento da consciência social que passa a ser também uma consciência ecológica.

[Read more…]

Isaltino mãos-de-tesoura

IM.jpg

Fotografia: Manuel de Almeida/Lusa@Visão

Isaltino Morais voltou a fazer das suas. Não, não voltou a ser acusado de branqueamento de capitais, fraude fiscal ou abuso de poder. Nada disso. Desta vez decidiu podar as árvores em Oeiras, contrariando o parecer dos técnicos da autarquia, o que já lhe valeu o epíteto de Isaltino mãos-de-tesoura. Muito melhor do que Isaltino mãos-de-branqueamento.

Reinserção na vida activa

PrintA vitória de Isaltino Morais demonstra que o processo de reinserção social dos ex-reclusos é mais uma prova do progresso do país. [Filinto Pereira Melo]

Isaltino Morais: é triste, mas é o que temos

Fotografia via Panorama

Poucos indicadores são tão ilustrativos do estado da democracia em Portugal como a vitória esmagadora de Isaltino Morais em Oeiras. A euforia em Oeiras diz tudo. Parabéns aos oeirenses que deram maioria absoluta ao homem que foi acusado de fraude fiscal, branqueamento de capitais e abuso de poder, que foi julgado e condenado a 7 anos de prisão, e que interpôs dezenas de recursos e gastou uma pipa de massa para escapar à justiça, e que mesmo assim foi preso. O resto da história vocês já sabem. Hoje desfila em ombros. Pobre democracia.

Excelência cívica

Na disciplina de corrupção passiva, fraude fiscal qualificada, branqueamento de capitais e abuso de poder os alunos só podem ter razão para obterem as melhores as notas…

Esta desfaçatez é apenas suplantada pela falta de exigência cívica dos seus eleitores. Cada autarquia tem os mestres que merece.

Autarcas que poderão vir a despedir professores: Paulo Vistas

O concelho de Oeiras também integra o processo de municipalização da Educação.

 

Oeiras_317_pag1

Paulo Vistas, Presidente da Câmara Municipal de Oeiras (IOMAF – Isaltino Oeiras Mais à Frente)

Carlos-Morgado-e1411145879461-300x282

Carlos Morgado, Vereador da Educação (IOMAF)

 

Coisas

Vamos lá ver se compreendemos uma coisa básica sobre Oeiras.

O facto de Oeiras ser o Concelho com maior número de licenciados não significa que todo o Concelho seja licenciado ou que todos os licenciados tenham votado no Isaltino/Paulo Vistas ou mesmo que os licenciados sejam uma maioria na população do Concelho.

Segundo, se devemos responsabilizar as pessoas que votaram no Paulo Vistas – e ainda bem que o fazemos – devemos pensar bem nesta coisa de colocar um homem que foi presidente da Câmara de Santarém durante anos como candidato à presidência da Câmara de Oeiras. É a mesma lógica Seara/Costa. Não faz sentido. A estratégia não resulta. O que não significa que as pessoas que votam em Vistas não deviam ter vergonha mas vergonha também devia ter o PSD que depois de 40 anos de Democracia devia ter um bocadinho mais de respeito pelos eleitores.

Inevitável é o caralho

Amélia Santos é varredora na Câmara Municipal de Oeiras. O que ganha não chega para sobreviver, pelo que colocou um anúncio no Pingo Doce onde se oferece para fazer qualquer trabalho. A troco de comida. Vão todos para o caralho. Os que não votam, os que votam sempre na mesma merda e os que encolhem os ombros. Inevitável é o caralho. Bom dia.

Texto roubado ao Ricardo M Santos

Não Há Direito!

.

ISALTINO PERTO DO FIM?

O senhor Isaltino, o do sobrinho rico e taxista na Suiça, e também o que foi preso e solto em menos de 24horas, e de quem já falamos várias vezes, está a passar, coitado, um mau bocado.

Amado de todas as maneiras e feitios pelos seus munícipes, está em vias de dar com os costados na pildra por dois anos.

Claro que não vai ser bem assim, mas são as notícias que correm. O homem tem muitos e bons advogados a tratarem dos seus assuntos na justiça.

Agora, o Tribunal Constitucional rejeitou o recurso que este senhor tinha “metido”, e, apesar de ainda ter alguns dias de folga, tudo leva a crer que vai voltar aos calabouços.

Esperemos mais uns dias para ver no que isto dá, já que até há quem diga que a população de Oeiras não vai permitir que o senhor Isaltino vá preso, prevendo-se greves de fome, cortes no trânsito, manifestações mais ou menos pacíficas e, pasme-se, até há quem se proponha ir diariamente à prisão levar-lhe faisão e chouriças de sangue e alheiras e presunto e…e…e…, no caso de não conseguirem evitar que ele vá de cana.

.

Isaltino é o Maior, iô

O senhor Presidente da Câmara de Oeiras já foi jantar com amigos e familiares. Consta que, por causa destas quase 24horas de detenção, se sente muito fragilizado e com uma enorme vontade de comer umas alheiras de caça regadas com um tinto velho e também um arroz de perdiz de cabidela.

Quem ficou a perder foi o cozinheiro já entretanto contratado, que habita o apartamento 245 da ala 3, que até já tinha começado a fazer encomendas de ingredientes de primeira qualidade.

O Tribunal de Oeiras decretou a libertação imediata de Isaltino Morais com base no princípio “in dubio pro reo” (em caso de dúvida, decide-se a favor do réu).

A decisão de libertar o senhor Isaltino foi tomada pela juíza Carla Cardador depois de uma reunião com o procurador do Ministério Público Fernando Gamboa.

Consta ainda que ninguém sabe o que se anda a fazer. Por um lado os que o mandaram prender, por outro os que o mandaram libertar.

Isto vai de mal a pior, ninguém se entende e nós, o povo aparvalhado deste país, não entende ninguém. Para além disso, a imagem da Justiça sai daqui ainda mais beliscada.

Coitado do Isaltino

O homem que se vangloriava de nada ter feito de mal, o autarca que todos os seus eleitores adoravam, o Presidente da Câmara de Oeiras que colocou a cidade no mapa das mais evoluídas do nosso País, o condenado a sete anos de prisão efectiva por fraude fiscal, branqueamento de capitais e corrupção passiva, e também condenado ao pagamento de 463 mil euros ao Estado Português, foi hoje preso.

O seu advogado está já a tratar do pedido do habbeas corpus para evitar que este homem, tio do seu sobrinho que é taxista na Suíça, passe o fim de semana na prisão.

Tempo perdido

film strip - isaltino

A notícia: «Relação desagrava penas a Isaltino Morais», no Público

Isaltino Morais condenado a pena de prisão e perde mandato… ou não

A informação imediatista tem destas coisas. Não se toma o devido tempo para interiorizar a informação e coloca-la disponível sobre o efeito de notícia e, assim, em poucos minutos tudo muda. E fica instalada a confusão.

O Sol adiantou que Isaltino Morais foi condenado a prisão efectiva. O i cita o Sol e diz o mesmo. A TVI diz o mesmo mas ligou a Isaltino, que disse não ter sido notificado. E, se assim for, vai recorrer. O Público prefere outro caminho e diz que a Relação desagravou a pena do autarca de Oeiras.

A SIC salienta que o ex-ministro e tio do sobrinho taxista da Suíça não vai perder o mandato e que a pena de prisão até foi reduzida.

Fiquei, pois, esclarecido. O melhor é esperar um pouco mais e comentar depois.