Feliz Páscoa


Não esqueçam que “Deus é Humor“.
É importante.

De como a perspectiva nos interpela e invoca

A lamentação de Cristo, tema que apenas surge após o sec. XI sem qualquer ligação bíblica, nunca antes nos fora mostrado como Andrea Mantegna o fez, sem ser enquadrado na sua deposição da cruz amparado por várias personagens, ou ao colo de Maria.

Andrea_Mantegna_Lamentação_de_Cristo

Mantegna oferece-nos um corpo não definhado nem débil, mas forte, apesar de já exangue, depositado sobre uma laje, evidenciando as perfurações a que foi submetido nas mãos e nos pés, com os rostos de Maria, S. João Evangelista e, possivelmente, Maria Madalena, sem aflorar seus olhos, [Read more…]

Easter athletics

Com uma semana de atraso mas digno de ser visto.

Páscoa da Ressurreição


Jesus morreu na sexta e ressuscitou no Domingo: “é o timing perfeito”.

Quem matou o bambi?


Apesar dos pólenes, nunca me assoo em público quando chega a páscoa. [Read more…]

«A culpa é da Páscoa»

puta e merdas

Já ouvimos no passado o mau tempo ser acusado dos maus resultados da economia. E o que parecia surreal e anedótico, foi ontem verbalizado pela ministra luís albuquerque.

Ouvi incrédula esta espécie de governante dizer, na sua postura sempre arrogante e fria, completamente distante de quem votou nos palhaços que a colocaram naquele posto, que a economia não teve melhores resultados no primeiro trimestre do ano porque (hélàs, já cá faltava esta desculpa) a Páscoa foi tardia! E como a Páscoa calhou em Abril, as pessoas fizeram as compras de Páscoa em Março, arruinando, assim, a nossa tão promissora economia. É que, segundo aquela brilhante mulher, se a Páscoa tivesse sido em Março, as pessoas teriam feito as compras em Fevereiro e a economia teria florescido em todo o seu esplendor.

Triste país este, tão atacadinho de todos os lados! Ou é o mau tempo, ou é o Coelhinho da Páscoa, está tudo contra nós…

Nem a Nossa Senhora de Fátima nos salva desta cambada hedionda que se colou às cadeiras do poder, qual lapa mijona atracada às rochas.

E agora já sabemos quem comeu os ovos todos!

A Alemanha optou pela quantidade. Reuters / Fabrizio Bensch (@ http://qz.com/200297/happy-easter-eggs-eastern-europe/) A Alemanha optou pela quantidade. Reuters / Fabrizio Bensch .

Lido por aí

E que nesse findar de Páscoa, possamos agradecer imensamente a Deus, que colocou seu filho na terra para morrer por nós”. Amen

Sacrificados

sacri

Diz quem acredita que Cristo foi dado em sacrifício ao seu pai, com a anuência deste, para nos salvar a nós, ímpios, de todo o pecado.

Se assim foi, por que motivo continuam tantos e tantos seres a ser sacrificados diariamente?  Como se explica que haja famílias destroçadas tão frequentemente? Não bastou aquela morte?

Como é que um padre que já enterrou 92 pescadores consegue continuar a acreditar em Deus e consegue continuar a exercer a sua profissão? Respeito a fé deste homem e de todas as pessoas que acreditam, mas é algo que me ultrapassa.

Desde Outubro do ano passado voltei a estar em contacto com a população de Vila do Conde e Póvoa de Varzim. Muitos dos meus formandos são caxineiros. Sempre que algo acontece no mar, noto-lhes as preocupações no rosto, ouço-os mais calados, sinto-os apreensivos. Por vezes, nem sei que se deu mais uma tragédia, mas, mal entro na sala de formação, percebo logo pelo ambiente que algo aconteceu. [Read more…]

Via Sacra

viasacra_tadimEm Tadim.

A Páscoa dos Mercados

Peter Paul Rubens, A Ressurreição, painel central, 1612

Cada tempo com sua religião. Agora que a fé no Mercado move relvas e petrifica coelhos, não sendo ao terceiro dia (é um deus com poucas pressas) vai ser portanto em 2013. Ou será em 2014? bem, 2015 é o ano a seguir a 2014, e aí, é essa a nova fé, ressuscitará a economia, trovejarão os investimentos, o desemprego será convertido em emprego como da água se milagra o vinho, o maná virá dos céus, cumpridas por nós pecadores todas as merecidas penitências com que fomos castigados por termos andado a pecar acima das nossas possibilidades. Sacrifiquemo-nos, imolem-se os pobres, aguardemos pois a ressurreição.

Ou como muito avisadamente usava dizer a minha avó, fia-te na virgem e não corras e vais ver o trambolhão que levas. Aplica-se a netos e aos povos.

Compasso Pascal

No Minho é assim, e amanhã é feriado a norte do Douro…

A minha Páscoa

Começava numa caminhada. De Rio Tinto a Contumil onde apanhava o comboio até Vila Meã. Não me lembro do tempo que demorava, mas recordo-me que depois da estação eram mais uns quantos quilómetros a pé até ao destino. Ali bem no meio entre o Pai e a Mãe. Uma vezes para a direita até Real. Outras para a Esquerda até Castelões. 

Depois era tudo tão simples, mas tão perfeito. Os verdes e as flores no chão a chamar o compasso. A sineta que se ouvia ao longe e depois mais perto. Aquele grupo de gente que entrava pela casa a anunciar a boa nova – Cristo Ressuscitou!

O orgulho que havia em ser o Juíz da Cruz, em liderar a festa da aldeia. A alegria que havia em ser família. Depois era a correr de casa em casa “atrás” da cruz – umas vezes à frente, outras, mesmo atrás.

Recordo o presunto e o salpicão na mesa. Que maravilha! Que saudades.

Era hora de partir – mais carregados. Cebolas, ovos, “coisas da Aldeia” para os meninos da cidade.

Que bom que era – não pode voltar a ser?

Marcação do dia da Páscoa

A cultura cristã na sociedade portuguesa é pouco informativa e muito alegórica. Quero com isto significar que a relação das pessoas com a Igreja e com o conhecimento e a informação em torno das “coisas” da religião são muito pouco conhecidas e boa parte da população desconhece elementos centrais da própria religião.

Não sou um estudioso da religião, nem pouco mais ou menos, mas sempre tive muita curiosidade em perceber algumas coisas, nomeadamente porque é que a Páscoa não é sempre no mesmo dia tal como o Natal. [Read more…]

Hoje dá na net: Paixão de Cristo (Mel Gibson)

A “Paixão de Cristo” é um filme de 2004 realizado por Mel Gibson.

Em inglês, com legendas.

(Se preferirem uma versão com mais qualidade, está disponível, mas sem legendas)

A Páscoa em Braga

O Compasso Pascal em Tadim, Braga.

A Páscoa de João César das Neves

João César das Neves nas Filipinas gozando os prazeres da Páscoa

O conhecido fundamentalista João César das Neves passou a última Páscoa nas Filipinas.

As férias, onde se deliciou com as tradições locais conforme esta imagem exclusiva documenta, foram obtidas a partir de uma crónica que atraiu vários voluntários para figurarem como patrocinadores, e alguns mesmo como figurantes no papel de flageladores.

Ontem terá mesmo atingido o orgasmo, na forma de êxtase místico, mas não nos foi permitido captar imagens da X estação do percurso, Jesus é despojado das vestes, onde a elevação espiritual terá ocorrido.

O seu regresso à pátria, devidamente revigorado, está previsto para o final da semana.

Páscoa: Coelhos e ovos

Esta coisa dos coelhinhos e dos ovos, tudo misturado por alturas da Páscoa mete-me alguma confusão. Anda a malta a ensinar aos putos que os coelhinhos nascem da mãe, tomam o leitinho e blá…blá…
E o que acontece nesta altura?
Os ovos são postos pelos Coelhos. Neste caso pelo Coelho da Páscoa.

Não sei se esta confusão resulta da pressa do Coelho da Alice, que desesperado em fugir da Rainha de Copas, acaba por ser obrigado a fazer o que não queria com um galo.
Não sei se é uma teoria válida, mas talvez o Pacheco Pereira ou o Nuno Rogeiro, ou, imaginem só, o Miguel Sousa Tavares nos possam presentear com uma explicação válida.
Há quem diga que os ovos e as LEBRES eram, em tempos, usados como símbolos de fertilidade. Terá sido o DEUS mercado (sempre ele) que veio trocar as voltas a isto tudo, transformando ovos cozidos em ovos de chocolate e trocando coelho por lebre.
Não lhe parece, caro leitor que temos que mudar aqui qualquer coisa? No ditado popular, ou se passa a dizer coelho por lebre ou então temos que trocar o coelhinho da Páscoa por um gato ou uma gata.

Se tal acontecer já tenho um tema para o post Pascal de 2011: Páscoa – gatos e ovos.
Boa Páscoa.

Como Se Fora Um Conto – Na Páscoa, o Compasso Já Não Vem a Minha Casa

Ao contrário de muitos que fazem questão de dizer que são tudo menos católicos, e que, em todas as manifestações religiosas, cá nos vêm informar da sua não religiosidade, como se isso fosse de algum interesse, não tenho por hábito falar das minhas convicções.

Desta vez, no entanto, resolvi vir falar da minha tristeza por já não ter o Compasso em minha casa, e da minha saudade dos tempos em que, em casa de meu avô paterno, toda a família se reunia para o receber.

O dia amanhecia muito cedo para toda a gente, excepto para nós, crianças. Éramos nove primos, e seis de nós dormíamos naquela casa. Era como se fosse Natal, mas não havia prendas. Quando nos levantávamos, ao som de fundo dos foguetes, já nossas mães e tias se atarefavam nas lides de tudo deixar a postos para «receber o Senhor», e a senhora Margarida e uma ajudante labutavam na cozinha para que o almoço fosse como sempre, sublime.

[Read more…]

Vou receber o Compasso…

mas como é melhor prevenir do que remediar, já escondi a minha filhinha no quarto lá de cima.