InterCidades Lisboa-Évora, a tragédia de uma empresa

ic-lisboa-evora[Rui Elias Maltez]

Desde há uma semana a ser feito com recurso às Automotoras 2240, não as adaptadas para o serviço da Covilhã, mas usando as vulgares automotoras para IR ou Regionais, leia-se suburbanos, que foi para isso que foram construídas em 1977, talvez comprometendo a capacidade do serviço regional de Tomar.
Existem hoje muitas causas possíveis para esta situação, como a falta de locomotivas, falta de carruagens, indisponibilidade da EMEF para libertar o material em intervenção mais cedo, também por falta de recursos humanos nesta empresa.
Um destes factores, ou a acumulação de todos , e o desastre acontece. Mais um desastre decorrente dos poucos recursos materiais de uma empresa que o Estado está a condenar a uma lenta e dolorosa morte, e que não permite à CP ganhar com uma publicidade agressiva e eficaz aos seus serviços e com bons resultados.
A tragédia de uma empresa pública de transporte ferroviário de passageiros que quer vender os seus serviços, angariar clientes através das suas políticas de marketing eficaz e, que no fim, não tem meios para responder à crescente procura.
Uma tragédia portuguesa.
Fotografia de Andrew Donnely, Oriente, 15 de Junho de 2018.

Faleceu e precisa de um médico?

Então não perca mais tempo e contacte já a Unidade de Saúde Familiar Lusitânia, em Évora. O custo fica a cargo do SNS.

Zonas livres de TTIP/CETA/TISA

free zones ttip
O que têm de comum Barcelona, Évora, Birmingham, Amesterdão, Grenoble, Madrid, Milão e outras mais de mil cidades e autarquias locais?  Todas elas adoptaram moções declarando-se, simbolicamente, “Zona Livre de TTIP” (Tratado Transatlântico para o Comércio e Investimento entre a UE e os EUA). Em Portugal, além de Évora como Zona Livre, o Município de Palmela aprovou recentemente uma moção de preocupação sobre o TTIP e hoje mesmo, idêntica recomendação vai ser apresentada à assembleia municipal de Lisboa pelo PAN – resultado em aberto… [Read more…]

Solidariedade com o Estabelecimento Prisional de Évora

epévora

NUNO VEIGA/LUSA

Sei que José Sócrates é culpado, mas o único castigo para a má governação consiste em não ser reeleito, à excepção do que tem acontecido com Alberto João Jardim. A má governação castiga, também, os governados, mas há quem o mereça, sobretudo se usar o voto da mesma maneira que usa o cachecol de um clube de futebol. Penso, a propósito, que faria sentido que o voto deixasse de ser secreto, para que os eleitores das maiorias pudessem ser os únicos a sofrer com as medidas tomadas pelos governos que elegeram, mesmo que indirectamente. [Read more…]

Requerimento para exame de segunda época

José Sócrates quer novo interrogatório com superjuiz

Hospitais da luz vermelha

imagesDaniel Bessa teve medo de assumir, frontalmente, as consequências das suas declarações. Na Universidade de Verão de um dos seus partidos, o ex-ministro da Economia explicou que há demasiadas semelhanças entre um hospital e um hotel para que o primeiro não possa ser, também, o segundo, porque, segundo Bessa, “na saúde, há muito de hotelaria.” E acrescentou: “O que é um hospital? São camas, como um hotel. Tem uma cozinha, como um hotel. Muito do que se passa num hospital é equivalente ao que se passa no turismo.”

Nunca tinha pensado nisso, mas, na realidade, não há nada mais parecido com um turista do que um paciente que passeia, com vagares ociosos, a sua garrafinha de soro, que, conforme as posses, poderá passar a ser gourmet. E haverá turista mais privilegiado do que alguém que, por exemplo, tenha ficado incapaz de comer pelas próprias mãos, podendo, agora, ser alimentado sem se cansar?

Mas Daniel Bessa deveria ter ido mais longe e não soube ver mais além. E se, em vez de “O que é um hospital? São camas, como um hotel!”, saltássemos para fora do quadrado e disséssemos “O que é um hospital? São camas, como um bordel.” [Read more…]

Estacionamento à Tótó

estacionamento_evora

Giraldo

Marvão. autor desconhecido

“O pérfido galego Ibn Arrik, senhor de Coimbra – o maldito de Deus! – conhecia bem a valentia do cão do Giraldo. O pensamento constante deste era tomar à traição as cidades e os castelos, só com a sua gente: ele tinha os muçulmanos da fronteira sob o terror. Este cão avançava, sem ser apercebido, na noite chuvosa, escura, tenebrosa e, insensível ao vento e à neve, ia contra as cidades. Para isso levava escadas de madeira de grande comprimento, de modo que com elas subisse acima das muralhas da cidade que procurava surpreender; e quando a vigia muçulmana dormia, encostava as escadas à muralha e era o primeiro a subir ao castelo. E empolgando a vigia dizia-lhe: – Grita como tens por costume de noite que não há novidade! – E então os seus homens de armas subiam acima dos muros da cidade, davam na sua língua um grito imenso e execrando, penetravam na cidade, matavam quantos encontravam, despojavam-nos, e levavam todos os cativos e presa que estavam nela.”

(Ibn Sahib As-Salat citado por COELHO, 1989, pág. 304-305)

[Read more…]

Évora, Alentejo: A Cinco Tons

“A Cinco Tons,  um blog do Alentejo com vista para o mundo”, é assim que este blogue alentejano se define. Pretendendo eu voltar a dirigir a Volta a Portugal em Blogues  para as belas planícies do Alentejo, perguntei-lhes qual a sua origem geográfica ou, mais precisamente, a sua localidade. Eis o que me respondeu Carlos Júlio, um dos elementos do A Cinco Tons :

“É um blog do Alentejo porque incide de alguma forma, sobre a realidade regional (mas também sendo uma janela para o mundo…), embora dos 6 elementos do blog quatro vivamos em Évora, outro em Alvito e um outro em Timor-leste. É o que se chama um mosaico.”

A mim resta-me convidar os leitores do Aventar a fazerem uma visita a este mosaico. Vejam o mundo com passagem pelo Alentejo.

ÉVORA vai ter centro contra violencia homofóbica

Evora vai ter centro de acolhimento para vitimas de homofobia. A Opus Gay está na génese.

A Opus Gay obteve um financiamento do QREN (Quadro de Referência Estratégico Nacional) para trabalhar a temática da violência homofóbica e doméstica em casais homossexuais, criando mecanismos de apoio e aconselhamento psicológico e social para vítimas deste tipo de violência e desenvolvendo acções de informação, sensibilização e prevenção sobre estas matérias,até 2013.

Vai ter como parceiros a Cooperativa Pelo Sonho é que Vamos (cooperativapelosonho@gmail.com), que tem uma casa de acolhimento para mulheres, e a Câmara Municipal de Évora, onde se vai sediar o projecto, que tem como limite todo o Alentejo por ser uma região deprimida.

A Opus Gay esta aberta a outras parcerias locais, nacionais ou estrangeiras e a outro tipo de apoio, associações ou voluntariado para levar a bom termo este projecto que tem limite de apoio só de 3 anos.

Contactos:
António Serzedelo – anser2@gmail.com
Cooperativa Pelo Sonho é que Vamos – 21 227 2364 21 227 2364 (Seixal)

Entretanto, com a Rede Social do Seixal, a Câmara Municipal do Seixal, a Cooperativa Pelo Sonho é que Vamos e a Opus Gay, foi criado no dia 8 de março de 2009 um balcão público que trata de problemas de violência hetero ou homo. Está a funcionar.

Parecer Técnico:

O contributo desta candidatura para a estratégia nacional de promoção da igualdade é parcialmente explicitado, bem como o processo de acompanhamento da mesma. Também são feitas referências à área geográfica em que se pretende implementar o projecto (Évora), mencionado necessidades no concelho em questão (”apostar em zonas em que as novas gerações têm dificuldades de aceitação da cidadania, da igualdade e da diversidade”).

Chama-se a atenção para que as actividades do projecto não podem ser do âmbito nacional, devendo obrigatoriamente cingir-se à região do Alentejo, de acordo com os artigos da lei do regulamento específico desta tipologia de intervenção, a elegibilidade geográfica é determinada em função da localização do projecto

O que se diz por aí

A afirmação de Pinto Balsemão que o PSD “está vivo”, poderá ser tranquilizadora para algumas pessoas – até mesmo para o Governo que diz que a Regionalização depende do PSD -, mas penso que é algo preocupante para qualquer social-democrata: é muito mau sinal quando é preciso vir um fundador afirmar que o partido está vivo.
Já o PS parece estar muito vivo, até demais para o gosto de José Sócrates: a alegada insconstitucionalidade (pela exclusão da adopção) do regime legal do casamento homossexual ontem aprovado, mostram, que a matéria até entre socialistas é fracturante, ao contrário da versão oficial.
Interessante é saber que a Barragem do Alqueva está no limite e não se sabe o que fazer a tanta água. Eu estava em crer que faltava água em Évora, mas deve ser imaginação minha.
Ficou-se a saber agora que o Governo vai construir 400 novas creches. José Sócrates escusava era de exagerar quando afirmou que assim ficará assegurado que os jovens casais “podem ter os filhos que quiserem”. É que para se criar filhos não basta ter quem tome conta deles…