Fraudes piramidais:

numa zona franca perto de si.

Apontamento (Festival Literário da Madeira)

Antena 2 em directo da ilha da Madeira, um festival literário que lá decorre: escritores em volta de uma mesa a falar da literatura da insularidade, Herberto Helder sempre por perto, o jornalista Luís Caetano (exímio nas coisas da literatura) a suscitar um debate em directo para a rádio pública, e de repente alguém, decerto um escritor madeirense, insurge-se e lembra que a diáspora é hoje uma hemorragia, ou então metástases, sim, metástases da austeridade assassina, e diz que há ilhéus que cortam os pulsos, e que aquele festival literário é uma ilusão na biografia da fome e do sofrimento da Madeira. E logo o calam, claro, como se na literatura não pudesse hoje caber a realidade social que os escritores bem vêem (e vivem, e escrevem), ou os seus realismos passados fossem inultrapassáveis, e fosse hoje tempo apenas e somente de uma fantasia qualquer que sirva para entreter. Palmas para o escritor «sem frio nos olhos», como diriam os franceses.

Nunca mais acaba a pré-época

Benfica perde com o Marítimo

Um Clássico

Mas, é mesmo assim: este ano é que é!

Fossem as coisas importantes da vida tão simples e estaria tudo resolvido. Ainda bem que temos a bolinha

Tribunal de Contas arrasa Ministério Público por não acusar membros do Governo da Madeira

Imaginem se fosse um desempregado a fazer um biscate!

Jardim demarca-se…

… da eventualidade, mesmo que remota, de lhe limitarem os gastos.

Um Verdadeiro Líder

Homem de Honra e de uma só palavra, o sr Presidente do Governo Regional da Madeira, foi agraciado com medalha militar.

Uma boa altura para falar da independência da Madeira

Assembleia da Madeira autoriza empréstimo de 4108€ por habitante. Conforme convém, há conversa de separatismo ou de cobertura do estado.

Entretanto, o dengue

Tenho acompanhado com apreensão a evolução do dengue a partir da Madeira. A doença não é transmitida de pessoa para pessoa, sendo o contágio derivado da picada de um mosquito específico (o qual, por enquanto, em território nacional, só existe na ilha).  Neste momento há no continente  12 pessoas infectadas depois de estarem na ilha. A DGS começou por dizer que os três iniciais casos detectados no arquipélago não eram significativos e agora, passado, um mês há 463 infectados.  Em Portugal há enormes zonas de águas paradas, desde os arrozais às salinas, as quais, associadas ao clima ameno da Primavera e Verão, constituem um cenário ideal para propagação da doença. Contrariamente ao que diz Francisco George, director-geral da saúde, há razão para alarme. E não é por não termos os 135 mil casos do Rio de Janeiro (que comparação mais estúpida!) que devemos meter a cabeça na areia. Aliás, a European Centre for Disease Prevention and Control não está na Madeira por acaso.

É de lembrar que Francisco George é o mesmo director da então Ministra da Gripe, em 2009, o qual vinha para os telejornais dar a contabilização diária dos infectados por uma não epidemia. O dengue, pelo contrário, é uma epidemia. Faltará por aí o lobby farmacêutico com algum tamiflu pronto a comercializar?! É agora que é preciso agir, preventivamente e não depois, quando a situação sair de controlo. Sair do estado de negação é o primeiro passo, ó Doutor. Está definida a actuação reactiva mas é na prevenção que é preciso apostar.

Leituras: [Read more…]

Voleibol a quantas andas?

Não começa bem a época em termos de organização, pelo menos é o que parece a quem é observador externo: há jogos adiados, outros que não se realizam…

Não é fácil fazer o ponto de situação, mas aqui fica o esforço possível:

– Na 1ª jornada o Ribeirense dos Açores ganhou, em Matosinhos, 3-2 ao Leixões;

– Na 2ª a equipa dos Açores perdeu em casa com o Gueifães, num resultado que, à primeira vista, surpreende.

– Na 3ª jornada, o Leixões não jogou e o Ribeirense também não. Sobrou o derby da Maia, onde as meninas do Gueifães conseguiram vencer as do Castêlo por 3-2.

Nestas três primeiras jornadas houve jogos entre as candidatas e o Belenenses foi quem mais aproveitou. Depois de perder com o Gueifães na 1ª jornada, viajou até à Madeira onde ganhou 2 jogos. De regresso a Lisboa venceu o St. Tirso por 3-0 e com 3 vitórias segue na frente do campeonato.

Mas amanhã, dia 1 de novembro, em Matosinhos, às 19h, há mais:

Leixões  – CS Madeira.

Aparece! É grátis!

(E aqui entre nós: tem miúdas giras!)

Mais um motivo para apoiar a independência da Catalunha

Pode ser que a Madeira siga o exemplo.

Reis de Portugal – D. João III

Episódio sobre mais um rei do período expansionista, D. João III.

Tema 5 – Expansão e Mudança nos secs. XV a XVI.

Unidade 5.1. – A Abertura ao Mundo

A Viagem

Filme projectado no Pavilhão de Portugal da Expo/98 e que retrata a chegada dos portugueses ao Japão.

Tema 5 – Expansão e Mudança nos secs. XV a XVI.

Unidade 5.1. – A Abertura ao Mundo

A artilharia portuguesa de meados do séc. XV a meados do séc. XVI

Retrospectiva da artilharia portuguesa durante o apogeu das Descobertas. Projecto da Comissão Naciona dos Descobrimentos. Relativamente interesssante sobre um tema habitualmente pouco desenvolvido no 8º ano.

Tema 5 – Expansão e Mudança nos secs. XV a XVI.

Unidade 5.1. – A Abertura ao Mundo

A Armada: O outro lado do descobrimento

rta de animação inspirado na Carta de Pero Vaz de Caminha e em Os Lusíadas de Camões. Muito bom.
.

Tema 5 – Expansão e Mudança nos secs. XV a XVI.

Unidade 5.1. – A Abertura ao Mundo

Portugal no tempo das Descobertas: India e Brasil

Súmula útil destes dois pontos do programa do 8.º ano de História.

Tema 5 – Expansão e Mudança nos secs. XV a XVI.

Unidade 5.1. – A Abertura ao Mundo

O Descobrimento do Brasil

Longa-metragem de 1936, realizada por Humberto Mauro a partir da carta de Pero Vaz de Caminha. Há partes interessantes sobre a viagem de Pedro Álvares Cabral e a chegada ao Brasil.
ficha IMDb

Tema 5 – Expansão e Mudança nos secs. XV a XVI.

Unidade 5.1. – A Abertura ao Mundo

A Viagem da Descoberta de Vasco da Gama

Para quem tiver conhecimentos e paciência para fazer a tradução deste documentário, aqui está um excelente contributo sobre a viagem de Vasco da Gama à India.
Sobre esta matéria, não pode deixar de ser feita uma referência, apesar de não ser um filme, ao projecto denominado «A Viagem de Vasco da Gama», da autoria do Centro de Competência NONIO da ESE de Santarém. Aí se apresenta a narração da viagem por etapas em banda desenhada, com jogos em cada uma dessas etapas. Brilhante.

Tema 5 – Expansão e Mudança nos secs. XV a XVI.

Unidade 5.1. – A Abertura ao Mundo

Caminho marítimo para a India: A Viagem

Pequeno filme com infografia da viagem de Vasco da Gama. Muito bom.

Caminho Marítimo para a Índia: a Viagem from Daniela Fonseca on Vimeo.

Tema 5 – Expansão e Mudança nos secs. XV a XVI.

Unidade 5.1. – A Abertura ao Mundo

Reis de Portugal – D. Manuel I

Durante o reinado de D. Manuel I, Vasco da Gama chegou à India e Pedro Alvares Cabral ao Brasil. Um trabalho qe, em grande parte, vinha do reinado de D. João II.
Pode ver o filme aqui.
Tema 5 – Expansão e Mudança nos secs. XV a XVI.

Unidade 5.1. – A Abertura ao Mundo

Tratado de Tordesilhas

Documentário do Canal História sobre o Tratado de Tordesilhas e a forma como D. João II reservou para Portugal uma extensa área a descobrir. Muito interessante.

Tema 5 – Expansão e Mudança nos secs. XV a XVI.

Unidade 5.1. – A Abertura ao Mundo

Portugal no Tempo das Descobertas – Até ao Cabo da Boa Esperança

Documentário que descreve a exploração da costa ocidental africana até à dobragem do Cabo da Boa Esperança. Apesar das limitações, um bom filme de síntese de todas as aulas anteriores.

Tema 5 – Expansão e Mudança nos secs. XV a XVI.
Unidade 5.1. – A Abertura ao Mundo

Reis de Portugal – D. João II

D. João II foi provavelmente o mais importante monarca do período das descobertas. Durante o seu reinado, Bartolomeu Dias dobrou o Cabo da Boa Esperança, viagem que permitiu a chegada à India alguns anos depois. Foi também assinado o Tratado de Tordesilhas. Morreu prematuramente, ainda a tempo de ver o seu filho único morrer de forma trágica.
Pode ver o filme aqui.
Tema 5 – Expansão e Mudança nos secs. XV a XVI.

Unidade 5.1. – A Abertura ao Mundo

Infante D. Henrique – O Navegador

Apesar de realizado no âmbito do triste concurso dos Grandes Portugueses, ganho, relembre-se, pelo não menos triste Salazar, há partes deste documentário que são aproveitáveis para discorrer sobre o Infante D. Henrique. É uma questão de fazer a montagem respectiva.

Tema 5 – Expansão e Mudança nos secs. XV a XVI.
Unidade 5.1. – A Abertura ao Mundo

História dos Descobrimentos Portugueses

A descoberta, colonização e exploração económica das ilhas atlânticas, Madeira e Açores, como primeira amostra audiovisual sobre este tema. No entanto, como forma de motivação para os Descobrimentos, aconselha-se a utilização de música e de poesia. De Fernando Pessoa a Fausto, de Camões a Rui Veloso.

Tema 5 – Expansão e Mudança nos secs. XV a XVI.
Unidade 5.1. – A Abertura ao Mundo

Portugal recorre(rá) a emigrantes

Depois de ler a notícia «Madeirenses pagam a festa da aldeia, recuperam a igreja e ajudam a pagar tratamento de criança vítima de um acidente», fiquei a pensar: é preciso que venham os emigrantes resolver os problemas da sua terra. Os emigrantes saíram do país à procura de melhores condições de vida, fizeram um bom pé-de-meia e, sentindo-se gratos pelo sucesso e pela vida que lhes tem corrido bem, têm actos generosos como o tiveram os madeirenses de Boaventura que, chegados da África do Sul ou da Venezuela, pagam festas na aldeia e ainda providenciam melhoramentos e cuidam da saúde de uma menina.
Esperemos que seja apenas Boaventura e outras pequenas vilas e aldeias portuguesas a precisar destes pequenos (grandes) apoios.
As coisas estão de tal maneira, que não é difícil imaginar recorrer-se a eles para «desenrascar» Portugal.
Tratem-nos bem, é o mínimo que se pode fazer.
Bem hajam

Lázaro em versão “ir ao pote”

Instituto do Desporto concedeu mais de meio milhão em subsídios depois de ser extinto (P)

Levanta-te e concede dinheiro.

Terapia do riso

Tanta conversa moralizadora…

… e depois não é que são mesmo todos iguais?

Partidos da Madeira recusam devolver ajudas utilizadas fora da lei

Em causa estão 6,3 milhões de euros desviados para campanhas eleitorais e outras actividades partidárias, em violação da lei orgânica da assembleia que consigna tais apoios exclusivamente para o apoio à actividade parlamentar. O PSD é o partido que maior montante tem a devolver, mais de 4,4 milhões referentes aos dois anos. Segue-se o PS, com 1,3 milhões, o CDS-PP com 229 mil euros, os deputados independentes João Isidoro e Ismael Fernandes (dissidentes do PS e reeleitos pelo MTP) com 170 mil, o PCP com 159 mil, o BE 62 mil e o PND 25 mil euros.

Tanto discurso cheios de moralismo, especialmente por partidos como o PCP e o BE, e depois nem o exemplo conseguem dar. E veja-se ali, o PS, agora que é oposição e até começa começa com o discurso “é preciso fazer diferente” mas tão igual aos outros. E PSD e CDS-PP que têm o poder, se nem as suas estrelas locais consegue conter, imagine-se como alguma vez será capaz de meter mão nos tubarões da república. Finalmente, os pequenotes MTP e PND a quererem ser grandes mas começando o caminho logo pelos tostões do financiamento partidário.

Parabéns leitor, deixou de tomar uma bica para patrocinar mais um acto de elevação política.

Estou a ler bem?

Jardim vai emprestar  259 milhões de euros a cinco sociedades falidas da região. O valor previsto do financiamento a concedido pelo Estado em 2012 é de mil milhões. Vá, agradeça o peso que lhe tiraram de cima… da carteira.